Google+ Badge

sábado, 5 de agosto de 2017

O juízo desde já

“Também o Pai a ninguém julga, mas, deu ao Filho todo juízo... Deu-lhe poder de exercer o juízo, porque é O Filho do Homem.” Jo 5;22 e 27
A necessidade da encarnação de Jesus, aos olhos da Divina Justiça, algo que nem sempre foi bem compreendida. Para Deus é necessário que um Homem julgue a humanidade. Assim, o juízo é uma pasta do “Filho do Homem”.

Isso evitaria, talvez, eventual queixa de um condenado que diria: Deus é injusto ao nos condenar, pois, sendo Ele espírito, não sabe o que passamos num corpo de carne inclinado ao mal.

Então, “O Verbo se fez carne e habitou entre nós.” Quanto ao sofrimento, quem rivaliza com Ele? “Porque, na verdade, ele não tomou os anjos, mas, tomou a descendência de Abraão. Pois, convinha que em tudo fosse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote naquilo que é de Deus, para expiar os pecados do povo. Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados.” Heb 2;16 a 18

Assim, além do prisma jurídico, Sua encarnação O colocou no âmbito da empatia; identificação com nossas dores, por tê-las vivido também, em escala superlativa.

Não que seja Homem estritamente, Ele mesmo disse: “Antes que Abraão existisse, Eu Sou”. Porém, funcionalmente se fez como nós, para, reduzido às nossas limitações demonstrar cabalmente que é possível vencer ao pecado; se, não para nós em nossa condição caída, para nossos pais que herdaram ao paraíso, era. Mas, “... pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que recebem abundância da graça, do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo. Pois, assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos para condenação, também, por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida.” Rom 5;17 e 18

Entretanto, graça não equivale a ter carta branca para pecar, antes, nos conduz a um compromisso de fidelidade para com Quem, graciosamente nos resgatou. “Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens, ensinando-nos que, renunciando à impiedade e concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, justa, e piamente.” Tt 2;11 e 12

Se, pensamos em Cristo como, O Juiz, e Ele É, O imaginamos condenando os maus; mas, o ensino Bíblico O mostra salvando os maus arrependidos, pois, o juízo se deu por ocasião da queda, quando, toda espécie se perdeu. “Porque o Filho do homem veio salvar o que se tinha perdido.” Mat 18;11

Cada um ao qual Sua Palavra é apresentada querendo ou não está num tribunal. Ou, apresenta provas de sua inocência, (Quem o pode?) ou, arrepende-se e roga perdão. Pois, se, formalmente o julgamento será “no último dia”, pra efeitos práticos se dá durante nossas vidas, quando ouvimos a mensagem que Salva. “Quem rejeitar a mim, não receber minhas palavras, já tem quem o julgue; a palavra que tenho pregado o há de julgar no último dia.” Jo 12;48

Reitero, o juízo do último dia será apenas a formalização oficial de nosso juízo que, opta pela salvação ou pela perdição quando, como Pilatos recebe Jesus para Julgar. Aquele O recebeu fisicamente; nós, em espírito, pela Sua Palavra. “Quem crer e for batizado será salvo; mas, quem não crer será condenado.” Mc 16;16

Não O julgamos como réu, antes, como digno de crédito, ou não. A opção de não crer equivale à blasfêmia de chamá-lO mentiroso. “Quem crê no Filho de Deus, em si mesmo tem o testemunho; quem a Deus não crê mentiroso o fez, porquanto não creu no testemunho que Deus de seu Filho deu.” I Jo 5;10

Em Suma, no juízo celeste está Ele como Juiz e testemunha; A Palavra; no Terreno, como água que purifica; a mesma Palavra, e Sangue que Redime; Sua vida Imaculada. “Porque três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; estes três são um. Três são os que testificam na terra: o Espírito, a água e o sangue; estes três concordam num.” I Jo 5;7 e 8

Se, Ele se fez Homem, pra se identificar com nossas fraquezas, além do resgate, nos dá O Bendito Espírito Santo, para que nos identifiquemos com Seu caráter; a santificação. A regeneração da “Imagem e Semelhança” perdida na queda. Por isso: “Sede santos porque Eu Sou Santo”.

Não se trata de uma opção dos crentes que quiserem maior intimidade. É a coisa indispensável, se, queremos ser salvos; finalmente, agradecer face a face, Nosso Bendito Salvador. “Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual, ninguém verá o Senhor;” Heb 12;14