Google+ Badge

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

As varas

"Será que a vara do homem que eu tiver escolhido florescerá; assim farei cessar as murmurações dos filhos de Israel contra mim, com que murmuram contra vós... Torna a pôr a vara de Arão perante o testemunho, para que se guarde por sinal para os filhos rebeldes; assim farás acabar as suas murmurações contra mim e não morrerão.” Núm 17;5 e 10

Algumas coisas chamam atenção nesse incidente de confirmação por parte do Senhor, da escolha de Aarão para o sacerdócio. As murmurações contra os escolhidos pelo Senhor era o mesmo que murmurar contra Ele; disse: “...murmurações dos filhos de Israel contra mim, com que murmuram contra vós...” Isso deve ser entendido em seu contexto; nem de longe patrocina a pretensa “Ungidolatria” de certos safardanas sem frutos, probidade, aos quais, mera crítica doutrinária já os força a se esconder atrás do biombo de intocáveis “ungidos do Senhor”.

Há pessoas idôneas escolhidas e capacitadas para determinados ministérios; mas, não são intocáveis. Elas podem padecer “fome e sede de justiça”, sendo caluniadas, perseguidas; ou, se parecer bem Ao Santo pelejar por honrar Suas Escolhas, será sempre iniciativa Soberana Dele, não, fruto de melindres carnais de gente que anela o aplauso humano.

Contudo, volvendo ao princípio, tivemos um juízo em misericórdia, para evitar outro em ira. Digo; confirmação sobrenatural da Divina Escolha, para que não fosse necessário punir exemplar e cabalmente aos rebeldes; “...assim farás acabar suas murmurações contra mim e não morrerão.”

Então, o primeiro julgamento se ateve a dissipar eventuais brumas entre verdade e mentira; entre vontade humana e Divina. Deus sofreu a desonra humilhante de ter que provar algo. O Fez espetacularmente. Se, ainda assim persistissem murmurando, restaria apenas Sua Ira, a morte dos rebeldes.

A Missão de Cristo, em seu contexto é como o primeiro juízo; uma separação entre luz e trevas, entre verdade e mentira. Sua Vitória sobre a morte confirmada de modo sobrenatural. Como foi então, uma vara morta receber o dom de florescer e frutificar, foi o aponte do Eterno sobre O Caminho da Salvação; Sua Doutrina, as placas que orientam a caminhada.

A reação a Ele não foi das melhores, contudo: João diz: “A luz resplandeceu nas trevas, e as trevas não a compreenderam.” Jo 1;5

Na verdade, o que João atribuiu a um lapso de compreensão em relação à Luz, Cristo, o Próprio, definiu como lapso afetivo, incapacidade de amar; “...a luz veio ao mundo, os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque suas obras eram más. Porque todo aquele que faz o mal odeia a luz; não vem para a luz, para que suas obras não sejam reprovadas. Mas, quem pratica a verdade vem para a luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque são feitas em Deus.” Jo 3;19 a 21

O fato que, pecadores indo ao Senhor, seus feitos deparam com reprovação, tem sido um jugo insuportável para aqueles, cujo amor próprio se tornou um ídolo; patrocinador de uma presunção tal, que torna seus hospedeiros incorrigíveis, fadados à ira por recusarem implicações necessárias pra receber a Misericórdia Divina; arrependimento, confissão, e abandono gradativo do pecado.

Do seu modo são como os murmuradores aqueles, que acusaram Moisés de nepotismo; Deus fez manifesta Sua Vontade, a Vara escolhida floresceu e frutificou, mas, os rebeldes seguem murmurando, dizendo que foi “golpe”, digo, fraude. Conhecemos gente assim, não é? Nem uma muralha de argumentos factuais, lógicos, detém aos indômitos touros das paixões desorientadas.

Pois bem, Dado que É a Vida, O Salvador está mui distante de ser uma vara morta; antes, se apresenta como a Planta Dileta do Pai: “Eu sou a videira verdadeira, meu Pai É o Lavrador.” Jo 15;1 Nós, de certa forma éramos apenas varas mortas, mas, Sua Vida Sobrenatural derramada na cruz em nosso favor, nos permite nascer de novo.

Todavia, alguns estacionam na conversão achando que ela é o fim, o alvo do Lavrador; não. Sua Meta são frutos; nós, as varas enxertadas em Cristo, os meios pelos quais, os mesmos devem ser produzidos. Senão, seremos varas inúteis, descartadas na poda. “Toda a vara em mim, que não dá fruto, tira; limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais ainda.” V 2

Então, cada vez que a Doutrina do Senhor nos ilumina, corrige, vejamos como um juízo eventual, temporário, uma manifestação do Divino cuidado, para nos livrar daquele julgamento que será o final.

Tendo isso em mente, Paulo advertiu aos irmãos sobre a seriedade de sermos ramos na Videira Santa: “Porque, se nós julgássemos nós mesmos, não seríamos julgados. Mas, quando somos julgados, somos repreendidos pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo.” I Cor 11;31 e 32