Google+ Badge

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Adoção ou perdição

“Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome;” Jo 1;12

Temos certo contraste entre duas situações no que tange à relação do homem com Deus. O inimigo dissera: “Comam do fruto proibido, desobedeçam, sereis como Deus.” Porém, mediante João temos: “Recebam ao Senhor e Salvador; sereis, de novo, filhos de Deus”.

Não dá para negar que o último convite é bem mais módico que o primeiro; ser como Deus seria muito maior que ser filho. A diferença entre ambos, contudo, é que um é mentira. Aqueles que aceitaram a pretensão maligna de ser como Deus, na verdade, tornaram-se como o diabo, caídos, propensos ao mal, destituídos da Glória de Deus. E as consequências da escolha incidiram sobre toda a humanidade.

O inimigo usa projetar seus anseios desorientados sobre inocentes úteis, incautos manipulados por ele. Ora, no que era possível os humanos serem como Deus, Seus atributos comunicáveis, já o eram; “Façamos o homem à nossa imagem e semelhança”, fora o projeto. O fato novo proposto foi a autonomia, a independência. Não consta que fosse uma carência nos corações do primeiro casal essa prerrogativa. Quem sonhava ser como Deus era o canhoto, que, pela omissão inoculou neles um mal que era estritamente seu.

Desde então, que o egoísmo autônomo entrou em cena, o poder passou a ser pervertido no seu real significado. Deixou de ser uma responsabilidade para ser um privilégio. Se, quero dar a mim mesmo grandezas que desejo, e, posso fazer isso, faço; as únicas consequências que me importam são a minha satisfação, pensaria um egoísta em seu estado “puro”.

Salomão que governou um vasto e portentoso reino não via o poder como algo tão vantajoso assim, disse: “Tudo isto vi quando apliquei meu coração a toda a obra que se faz debaixo do sol; tempo há em que um homem tem domínio sobre outro homem, para desgraça sua.” Ecl 8;9

Pois, pensava ele, tendo autoridade sobre outrem sem tê-la sobre si mesmo, sobre o próprio espírito, o exercício desse poderio seria mal fadado. Antevia, por certo, o momento em que um poder superior faria a chamada, a morte; pois, dissera: “Nenhum homem há que tenha domínio sobre o espírito, para retê-lo; tampouco, tem poder sobre o dia da morte; como também não há licença nesta peleja; nem, a impiedade livrará aos ímpios.” V 8

Nossos políticos são belos exemplos de poder sobre meios, pessoas, e servidão íntima às próprias concupiscências desordenadas. O país sai às ruas em demanda de enxugamento da máquina, moralização, fim de privilégios, ética, etc. e eles, vão de um lado para outro, locomovem-se numa cadeia de conchavos para encenar que nos estão representando, quando, representam apenas o insano anelo de perpetuarem privilégios.

Sua “Reforma Política” basicamente consiste em aumentar verbas de campanha, meio usado para, enganando incautos, manter ladrões disfarçados de representantes; o verniz que os maquia, pois, deve ser pago por nós.

Porém, voltando, ser filho de Deus não é a ordem natural das coisas como devaneiam incautos falando de boca cheia: “Deus é Pai, não é padrasto; também sou filho de Deus”. Não é bem assim. Aos que recebem a Cristo como Senhor, Aquele que Governa, O terão também como Salvador; Aquele que faculta adoção de filhos.

A situação nossa, pecadores, perante Deus, é como a do filho pródigo em seu retorno, depois de desperdiçar tudo. “direi ao meu pai, - pensava – não sou digno de ser chamado teu filho, faz-me como um dos teus servos.” Quem chegar ante O Pai, nesse espírito será recebido como filho; senão, nada feito.

Pois, ser filho requer certo poder que não temos; carecemos auxílio do Espírito Santo para nos comportarmos como tais. Como vimos acima, poder é dever, responsabilidade; O Eterno despertou certos alienados que se Jactavam de qualquer maneira. “O filho honra ao pai, o servo ao seu senhor; se Sou Pai, onde está minha honra? E, se Sou Senhor, onde está o meu temor? diz o Senhor dos Exércitos...” Mal 1;6

Paulo lamentou a sina do pecador pela falta de poder sobre o pecado; “Porque não faço o bem que quero, mas, o mal que não quero faço. Ora, se faço o que não quero já não faço eu, mas, o pecado que habita em mim.” Rom 7;19 e 20
O que podemos estimulados pela Palavra e convencidos pelo Espírito Santo é uma escolha mera entre o salário do pecado que nos mantém “como Deus”; ou, o Dom de Cristo, que adota por filhos. Façam suas escolhas. “Porque o salário do pecado é a morte, mas, o dom gratuito de Deus, vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor.”