Google+ Badge

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

A corrupção que balança o berço

“... Senhor, não tenho homem algum que, quando a água é agitada, me ponha no tanque; mas, enquanto eu vou, desce outro antes de mim.” Jo 5;7

Sem entrar no mérito se as águas de Betesda eram medicinais, se, havia ali um poder milagroso, ou, era superstição, o que chama atenção desse verso é um mal que assola a humanidade: Competição. “enquanto vou, desce outro antes de mim...”

Diz certo ditado, “Quem chega primeiro bebe água limpa”, nossa meta parece ser essa: Chegar antes. Ora, se nas competições esportivas é um aspecto normal, desejável, uma vez que corroboraria a excelência do trabalho bem feito, do exercício dos dons naturais, numa visão filosófica, espiritual, da vida, é insano.

Anteontem, 02 de agosto de 2017, o treinador Abel Braga que perdera seu filho há menos de uma semana, num acidente doméstico, foi aplaudido de pé por toda a torcida adversária, do Sport Recife, que recebia para enfrentar o seu time, o Fluminense.

Uma forma de dizer: Nas questões esportivas queremos vencer você; tudo faremos dentro das regras do jogo para isso; mas, em assuntos de vida, lhes somos solidários, receba nosso apoio. Foi um gesto emocionante, lindo. Deveríamos aprender algo com ele.

Contudo, o mal fadado egoísmo tem dado as cartas, infelizmente, no doentio jogo da vida. O que é a famigerada corrupção, senão, o meio ilícito mais comum de chegar antes, de uma visão egoísta, perversa, da vida, onde um dever para com todos acaba vencido por um “direito” bastardo de usufruir do Erário em causa própria?

Quantos milhões de vítimas nas intermináveis filas de parco atendimento hospitalar por falta de meios, recursos, poderiam dizer como o aleijado aquele. Há muito espero ser atendido, mas, quando vou, vai outro antes de mim, o corrupto.

Nosso pais mercê desses larápios pluripartidários tornou-se como o deficiente aquele, que, se a letra do seu Hino diz, “Deitado eternamente em berço esplêndido”, a realidade insiste em mostrar deitado mendicante em catre pútrido, pelo grassar do intenso estio de valores que acentua, cada dia, nosso deserto moral.

A cada quatro anos as águas são agitadas; digo, surge a oportunidade de um impulso que levantaria o Gigante; quiçá, ao menos a cabeça, apoiando-se nos cotovelos para olhar de outro plano a dura realidade circunstante. Mas, o bichão segue deitado, pilotado por biltres manipuladores, que se apressam a mergulhar servindo-se, invés, do nobre fim de servir.

Infelizmente a formação de bons valores, desde a base, a família, sistema educacional, entretenimento social, a programação televisiva, sobretudo, tem sido relapso no ensino dos deveres, e pródigo no fomento dos direitos. Aí, quando vemos um Congresso Nacional, Executivo, e Judiciário apodrecidos, salvas, raríssimas exceções, infelizmente, vemos o retrato fiel de nossa sociedade; nós os colocamos lá; tem gente que inda é viúva de defenestrados eventuais, de bandidos de estimação.

Aí vem um grupelho de artistas, também corruptos, pois, querem mamar no Erário pelas tetas fartas da fatídica Lei Rouanet, querendo cooptar a sociedade e exigir novo impeachment, achando que são nossos mentores, estrelas plenas de luz própria capazes de nos dizer o que pensar, vão se catar!

Sua “arte” na imensa maioria não passa de glamurização do vício, normatização da pornografia em horário nobre, portanto ativos agentes deletérios de bons valores, que agora se presumem agentes de uma assepsia na ferida de Brasília? Não têm espelho? Curem-se primeiro de seus egoísmos, depois, ajudem na cura do país, hipócritas.

Sempre foi assim como o crápula do Temer está fazendo; quem tem a caneta e as chaves do cofre compra os venais de plantão com nosso dinheiro. Os que ontem compraram, no Mensalão, Petrolão, no anti impeachment, posam de éticos da vez atacando a vício, não por amor à virtude, mas, por inveja; por desejar alimentar o vício próprio invés de ver outro alimentando o dele. Que nojo dessa gente!

Trocas lá em cima seria o famoso seis por meia dúzia; eleições agora seria contra a lei; o jeito é sofrer um ano ainda; até lá tratarmos nossos neurônios, deixarmos de ser torcedores de quem nos rouba para sermos cidadãos conscientes, empregadores de servidores públicos, não reféns de carismáticos sem caráter.

A parcela minoritária de cidadãos valorosos tipifica aquela punção impotente do deficiente que queria ir buscar cura ao agito das águas, mas, a maioria, os apaixonados por siglas, bandeiras, vai antes, busca seu fomento egoísta e o doente segue esquecido, impotente.

Um dia, espero, chegaremos a um nível de consciência tal, que possamos dizer como O Senhor: “Levanta, toma teu leito e anda.” Por enquanto, não crescemos o bastante; malgrado o gigantismo, inda estamos no “berço”, e o interesse egoísta e amoral tem sido a mão que o balança.