Google+ Badge

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Os Urubus Verdes

“Tu, Esdras, conforme a sabedoria do teu Deus, que possuis, nomeia magistrados e juízes, que julguem a todo o povo que está além do rio; todos os que sabem as leis do teu Deus; ao que não sabe, lhe ensinarás.” Esd 7;25

Palavras de Artaxerxes, Rei da Pérsia que, então, dominava sobre os judeus. Estava concedendo a muitos o retorno a Terra, liderados por Esdras, ao qual ordenou que escolhesse magistrados e Juízes, dentre os que soubessem a Lei de Deus; ou, se dispusessem a aprendê-la.

O pavor moderno de ressalvar que o Estado é laico não o assustava, antes, queria ver no Governo gente comprometida com Deus. Ele não falou de pregadores, que seria óbvio, deveriam conhecer as Leis Divinas; mas, de juízes e magistrados, autoridades civis.

Nossos juízes do mais alto escalão, STF, são frutos de indicações políticas; embora formalmente se demande deles, “conduta ilibada, notável saber,” na prática passam por uma sabatinazinha vagabunda, de perguntas por encomenda, apenas para corroborar a indicação daquele que já foi “ungido” com óleo santo dos conchavos corruptos.

Depois, esses “notáveis” se revelam abaixo da linha de pobreza moral, quando, invés de baluartes da justiça e probidade viram escudeiros de traficantes, corruptos, estelionatários e outros bichos de nossa tão rica fauna espalhada na selva da sem-vergonhice.

Acreditamos que se pintarmos urubus de verde eles se tornarão papagaios. Digo, se os corruptos da política que indicam seus juízes disserem que eles são de caráter ilibado, assim é. Mas, como esses receitariam um remédio que desconhecem?

Nossa “lógica” é mais abrangente ainda; por um lado ela canta loas à diversidade como algo belo, a ser preservado, incentivado; por outro, instrumentaliza todo o sistema educacional; doutrina ideologicamente uma geração, tolhendo o livre pensar, coibindo, massacrando quem ousar algo diferente da diretriz monocromática; assim, a “diversidade” deve estar a serviço do mono; quem pensar diferente é amigo dos americanos traidor da pátria, ou algo assim, como na Venezuela. Seu arco íris tem uma cor só; vermelho.

Tem mais ainda; democracia como se pretende deriva da vontade da maioria expressa mediante representantes eleitos. Minorias devem ser respeitadas nos seus direitos, mas, por questão de ordem, representatividade, serão coadjuvantes no tecido social; o protagonismo sempre será da maioria.

Entretanto, há muitas minorias ditando regras, tentado se impor na marra, alimentado toda sorte de divisões, que bem nenhum faz ao país. Sempre sob o tacão de seus “defensores” parlamentares.

Você é a favor do aborto? Seja; é gay? Idem; pela liberação das drogas? Também. Expresse livremente seu pensar. Contudo, a imensa maioria da nação crê em Deus, é heterossexual, pela vida, contra as drogas, portanto, enquanto esse viés for majoritário, assim será, quer você goste, quer, não.

Como seriam nossos juízes, pois, se, invés de indicados por padrinhos políticos, tivessem compromisso com Deus e Sua Lei, como requerera Artaxerxes?

O Estado é laico no sentido que não deve impor crença a ninguém; mas, a imensa maioria se diz de cristãos. Que mal faria se a Palavra de Deus fosse ensinada nos colégios? Nos dias de feriados religiosos, nenhum dos furiosos defensores do laicismo levanta sua voz, por quê? O Estado deve ser um tremendo cínico.

Ora, o que há de apavorante na Palavra de Deus é uma coisinha só, que o mundo odeia fingindo amar; verdade. O “Super-sincero” que falou-a na face de quem deveria ouvir foi morto por isso. “A verdade gera confusão”, cantou alguém.

Ensinar desde o colégio para nossas crianças o valor e o dever de serem verdadeiras, éticas, decentes, começaria a forjar a matéria-prima de governantes probos no amanhã. Contudo, proponha-se algo assim, e presto empunharão suas armas, as Marias do Rosário, os Jeans Willis da vida e protestarão contra o “maldito fundamentalismo religioso.” Precisam defender sempre o valor da mentira e do cinismo.

Incautos acreditam em trocas de partidos, remendos em sistemas, instituições, o escambau. Preferem seguir pintando urubus de verde. A Palavra de Deus é categórica sobre causa e consequência: “Porventura pode o etíope mudar a sua pele, ou o leopardo as suas manchas? Então, podereis vós fazer o bem, sendo ensinados a fazer o mal.” Jr 13;23

Uma criança é um adulto em construção; conforme o projeto, e o “material” usado será sua estatura e resistência. O Eterno detentor de toda Sabedoria não aposta uma ficha em nossas obras. Derruba-as e faz de novo naqueles que lhe dão ouvidos. Os demais seguem enganando-se na inútil faina de fazer buracos n’água.

Deus sempre se propôs a abençoar; o homem, a agir de modo a atrair maldição. “...porquanto têm transgredido as leis, mudado os estatutos, quebrado a Aliança Eterna. Por isso a maldição tem consumido a terra...” Is 24;5 e 6

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Nossa Força Fraca

”O Senhor dará força ao seu povo; o Senhor abençoará seu povo com paz.” Sal 29;11

Interessante paralelismo da poesia hebraica que equaciona força com paz. Normalmente se vê, ambas, como distintas, quase, opostas. Uns chegam a postar o seguinte: “Dá-me paciência Senhor; pois, se me deres força, eu mato um”. Assim, paciência, derivada da paz seria um contraponto à força.

Outros dizem que é necessário preparar-se para a guerra, para manter a paz. Ostentação de enorme poderio bélico seria o “argumento” que frearia eventuais adversários. Estaria o mundo alinhado aos parâmetros de Deus? Não.

Talvez, pelo fato da paz mundana repousar sobre vulcões ainda ativos, que O Salvador fez questão de diferir a Sua; disse: “Deixo-vos a paz, minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize.” Jo 14;27

Tanto o mundo tem conceitos falsos sobre paz, quanto, sobre força. A Bíblia traz parâmetros ímpares. A comunhão com Deus, da qual derivou uma revelação extraordinária, cujas consequências salvaram vidas, foi adjetivada por Daniel como, força. “Ó Deus de meus pais, te dou graças e louvo, porque me destes sabedoria e força; me fizeste saber o que te pedimos...” Dn 2;23

A força que recebera não removia montanhas, rompia muralhas, desviava o curso d’água ou coisa assim; não se equivalia ao poderio para realizar os “Doze Trabalhos” de Hércules; antes, descortinava o oculto, rompia as trevas. Exército nenhum da Terra possui essa força. José no Egito, bebendo da mesma Fonte passou por situação semelhante.

Por isso, o que foi fortalecido em sabedoria como ninguém, Salomão, cotejou: “...Melhor é a sabedoria do que a força...” Ecl 9;16 ou, “Melhor é a sabedoria que as armas de guerra, porém, um só pecador destrói muitos bens.” V 18

Se, sabedoria é melhor que força, que dinheiro, até, lícito nos seja concluir que é uma força superior. Comparando-a ao metal, o mesmo Salomão falou; “Porque a sabedoria serve de defesa, como de defesa serve o dinheiro; mas, a excelência do conhecimento é que a sabedoria dá vida ao seu possuidor.” Ecl 7;12

Essas duas, Sabedoria e força, nos são propostas por Cristo num cenário de paz, de reconciliação com Deus. Tudo o que requer é que reconheçamos nossas muitas falhas, delas nos arrependamos, façamos uma “delação premiada” contra nós mesmos, a confissão; em troca, além de absolvição das culpas, inda ganhamos o prêmio da Vida Eterna. Passa a ser nossa, a Força Majestosa do Sangue Remidor, cuja consequência inicial é paz com Deus.

O cenário espiritual no qual nos inserimos é dual; assim, não existe espaço para “não alinhados” livres pensadores, etc. Ou, estamos em paz com Deus mediante Cristo, Sua Força, ou, estamos em guerra. O mesmo Senhor diz isso mediante Isaías. “Não há indignação em mim. Quem poria sarças, espinheiros diante de mim na guerra? Eu iria contra eles e juntamente os queimaria. Que se apodere da minha força, e faça paz comigo; sim, faça paz comigo.” Is 27;4 e 5

Embora o mundo cultue os seus brutamontes como sinônimos de força, pagando até um bilhão por menos de meia hora de exibição de dois desses, como vimos há pouco, no âmbito espiritual, os craques do MMA, mostram mais amor exercitando a força sublime do perdão. E ninguém paga nada; direta ou indiretamente, pois, o “Patrocínio” é do Bendito Espírito Santo, que nos capacita a cambiar anseios de vingança, por perdão.

Quem é mais forte? O que sofre uma injustiça e devolve o perdão, ou, outrem que paga na mesma moeda? Acaso a doença de um terceiro será curada se seu vírus for inoculado em mim?

O sol passa sobre lugares imundos leva luz e calor e não se suja; assim, um homem regenerado por Deus, capacitado pelo Espírito, bem pode conviver em ambientes muito sujos no âmbito moral espiritual, sem se contaminar. É-lhe dada essa força, esse poder. “A todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no Seu Nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas, de Deus.” Jo 1;12 e 13

Alguns equacionam erradamente o perdão ao arrependido confesso, com abono ao foragido corrupto; como se um cristão, que também é cidadão da Terra não pudesse pelejar contra os que malversam o que é seu. Também para esses vale uma receita que silencia consciências, embora, traga junto a pena, diz: “O efeito da justiça será paz...” Is 32;17

Enfim, nossa força não é nossa; Aquele de quem somos aperfeiçoa-nos em nossas fraquezas. Logrando isso, alegra-se conosco e “A alegria do Senhor é a nossa força.” Ne 8;10

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

O Trabalho de Deus

“Porque desde a antiguidade não se ouviu, nem se percebeu, ou, se viu um Deus além de ti que trabalha para aquele que nele espera.” Is 64;4

Malgrado, Ele seja Senhor, a revelação de Isaías dá o que pensar... Deus trabalha para aquele que Nele espera. Um tanto assustador, irônico, O Senhor trabalhando para o servo. Cheias estão as Escrituras de exemplos assim. Deus trabalhou; abriu caminho no mar, alimentou no deserto, pelejou pelos servos Seus.

Na verdade, tenciona relação mais estreita que Senhor e servo; quando instado a ensinar orar Jesus disse aos discípulos que deveriam orar: “Pai Nosso...” Mediante Cristo recebemos adoção de filhos; passamos a um relacionamento de família espiritual com O Senhor. Quanto à provisão, pois, “...não devem os filhos entesourar para os pais, mas, os pais para os filhos.” II Cor 12;14

Assim, Ele diz: “... buscai primeiro o reino de Deus, e sua justiça; todas estas coisas vos serão acrescentadas. Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta cada dia o seu mal.” Mat 6;33 e 34

Contudo, Ele nos dá bens requerendo cooperação, trabalho. Que pai há que não deseje identificar traços seus nos filhos? Assim, se Ele trabalha, nos abençoa a medida que trabalhamos também. Muitos sonham com milagre das provisões sobrenaturais e desprezam a beleza do milagre do relacionamento, apesar de sermos tão falhos, indignos.

Ora, fez chover Maná no deserto porque era absolutamente impossível retirar alimento de uma terra como aquela; entretanto, inseridos em Canaã, a benção não era mais necessária, era hora do trabalho. “Estando, pois, os filhos de Israel acampados em Gilgal, celebraram a páscoa no dia catorze do mês, à tarde, nas campinas de Jericó. No outro dia depois da páscoa comeram do fruto da terra, pães ázimos e espigas tostadas. Cessou o maná no dia seguinte, depois que comeram do fruto da terra, os filhos de Israel não tiveram mais maná; porém, no mesmo ano comeram dos frutos de Canaã.” Js 5;10 a 12

Alguns incautos vociferam: “Somos filhos de Rei, merecemos o bom e o melhor”; após observações como essa, “determinam, decretam” o que desejam para si, ou, para incautos que se sujeitam às maldições de suas orações.

Como assim? Nem toda oração carreia bênção. Gente presunçosa, sem noção que desonra O Eterno atrai maldição. “Agora, ó sacerdotes, este mandamento é para vós. Se, não ouvirdes e não propuserdes, no coração, dar honra ao meu nome, diz o Senhor dos Exércitos, enviarei a maldição contra vós, amaldiçoarei vossas bênçãos; já as tenho amaldiçoado, porque não aplicais a isso o coração.” Mal 2;1 e 2

Quer a relação seja de Filho, quer, servo, ambas demandam reverência, humildade; “...O filho honra o pai, e o servo o seu senhor; se Sou Pai, onde está minha honra? Se Sou Senhor, onde está meu temor? diz o Senhor dos Exércitos...” Cap 1;6

Que os salvos são filhos de Rei é verdadeiro; na mesma oração que mandou chamarmos ao Senhor de Pai, disse: “Venha Teu Reino...” Ele é Rei dos Reis. Contudo, disse mais: “Meu reino não é desse mundo.” Assim sendo, estamos no “exterior” somos embaixadores num reino adverso; não usufruímos cá a plenitude do Reino.

Se, Deus trabalha por aquele que Nele espera, duas coisas apenas se requer dos beneficiários do Labor do Santo: Uma: que estejam Nele; outra: que esperem. Alguns pensam que estar Nele é sinônimo de estar na igreja, mesmo que, alimentando os mesmos anseios insanos e pecaminosos de antes, não! Paulo foi categórico: “Assim, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas passaram; eis que tudo se fez novo.” II Cor 5;17
Portanto, se inda são as “coisas velhas” o motor de minha busca e o combustível das minhas orações, tenho fortes razões para duvidar que eu esteja mesmo, “Nele.”

Depois, esperar com fé não é traçar um limite de tempo, ou, circunstâncias, até aqui; como a mulher de Jó; se, achar que a coisa foi longe demais, “amaldiçoa Deus e morre”; antes, como disse o mesmo Jô um tanto depois: “Ainda que me mate, Nele esperarei”; Sendo Ele Deus, Senhor, Criador, a vida está em Suas mãos; bem pode ressuscitar mortos.

Desse modo, se para a doida da esposa, a dor extrema justificaria uma blasfêmia suicida, para o fiel Jó, nem mesmo as garras da morte poderiam estrangular sua fé.

Em suma, a fé não faz acontecer; antes, espera confiante Naquele que tudo Pode; inclusive, saber a melhor hora de mudar nosso pranto em alegria. A mesma fé que sabe que a alegria vem de manhã confia que é o Eterno que determina o tamanho da noite.

domingo, 20 de agosto de 2017

As Obras da Fé; Os Bastardos

“Assim a fé, se não tiver obras é morta em si mesma.” Tg 2;17

Tiago refere-se ao cuidado em socorrer o necessitado que chegar a nós, pois, se minha fé crê que devo amar o próximo requer demonstrações práticas desse amor.

Entretanto, as obras da fé vão muito além de caridade. Isso até islâmicos que toleram a violência no exercício de sua fé praticam. Ou, o blasfemo espiritismo que nega a suficiência do Sacrifício de Cristo; ensina a necessidade de múltiplas reencarnações para aperfeiçoamento, invés da regeneração pela Cruz, e santificação paulatina pela ajuda do Espírito Santo. Eles fazem muita caridade para purgar seus “Karmas”.
Desse modo sua “fé” faz obras não porque crê na suficiência de Cristo, mas, porque duvida; confia na justiça própria.

Paulo ensina: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie; porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas.” Ef 2;8 a 10


As boas obras ensinadas pela Palavra, pois, devem ser consequência da salvação, nunca, causa.

Então, embora as obras de caridade sejam necessárias e boas, estão longe de ser o aferidor de medida, da fé salvífica, segundo a Bíblia.

Muitas vezes as obras de uma fé saudável demandam a renúncia de grandes coisas terrenas, em prol de algo, “menor” no qual se crê. “Pela fé Moisés, sendo já grande, recusou ser chamado filho da filha de Faraó, escolhendo antes, ser maltratado com o povo de Deus, que, por um pouco de tempo ter o gozo do pecado; tendo por maiores riquezas o vitupério de Cristo que os tesouros do Egito; porque tinha em vista a recompensa. Pela fé deixou o Egito, não temendo a ira do rei; porque ficou firme, como vendo o invisível.” Heb 11;24 a 27

Isso é uma obra de fé maiúscula! Renunciar tesouros e um palácio, encetando uma peregrinação no deserto, por acreditar que era essa a Vontade Divina. E pensar que os pregoeiros da “fé” moderna pescam errantes no deserto da vida com promessas de tesouros terrenos e rotulam de “fé inteligente”. Jesus deparou com nuances dessa fé em Seus dias; após ter multiplicado o pão para uma multidão, no dia seguinte foram em busca do Mestre, pela “inteligência” de receber mais pão sem trabalho.

O Senhor colocou o dedo na ferida: “...Na verdade, na verdade vos digo que me buscais, não pelos sinais que vistes, mas, porque comestes do pão e vos saciastes.” Jo 6;26
“...A obra de Deus é esta: Que creiais naquele que ele enviou.” 29
Se, O Senhor ainda os estava desafiando a crer, foi por não ter divisado em meios aos momentosos interesses do ventre, traços da verdadeira fé.

Temos ainda os devaneios pueris, esperanças fora da casinha tão pipocantes nas redes sociais, que os sonolentos convencidos chamam de fé. Não senhores, a fé saudável é moldada noutra forma.

Se, enseja “loucuras insensatas” como a de Moisés que “ficou firme como vendo o invisível”, também patrocina entregas maiores, como a dos três jovens da fornalha em Babilônia que preferiram morrer queimados a negar sua fé. A “fé” de uma geração que capitula ao brilho do vidro resistiria uma prova que lhe demandasse a vida? Contudo, nunca se falou tanto de fé.

Muitas vezes nos enganamos com nossa própria hipocrisia e tentamos suprir com encenações baratas os lapsos de substância que recusamos admitir.

Maus mestres, pregadores mercenários treinaram uma geração para crer nas promessas e ignorar os ensinos, as condições, advertências Divinas. Isso enseja uma fé “positiva” que tolhe O Santo do Seu Direito Soberano de corrigir seus filhos.

O abastardamento da fé só poderia gerar bastardos espirituais. “Porque o Senhor corrige quem ama, açoita a qualquer que recebe por filho. Se, suportais a correção, Deus vos trata como filhos; porque, que filho há que o pai não corrija? Mas, se estais sem disciplina, da qual todos são feitos participantes, sois então bastardos, não, filhos.” Heb 12;6 a 8

Sendo a correção Divina derivada do amor, Deus nos abençoa tanto quando nos dá coisas, quanto, quando nos tira, em prol de nossa têmpera, edificação. Assim, a fé que vê o invisível descansa na Sabedoria e Integridade de Quem conhece o que ainda nos é intangível, o porvir.

A fé saudável, pois, abstrai coisas; crê em pessoas a despeito das circunstâncias. “Crede em Deus crede também em mim.” O fato de que creio não significa que terei o que quero; antes, que me esforçarei para ser o que Deus quer que seja. Recompensas? Eu creio em Deus; Ele é meu Escudo e Galardão.

sábado, 19 de agosto de 2017

Livre Arbítrio; só que não

“Eu sei, ó Senhor, que não é do homem o seu caminho; nem do que caminha o dirigir seus passos.” Jr 10;23

Uma aparente contradição de Jeremias, bem como, a negação do livre arbítrio.

“Não é do homem o seu caminho...” Ora, parece dizer que não; outra, que sim, que é “seu”; temos um problema que provoca os dois neurônios. Afinal, somos arbitrários, ou, não? Digo, temos escolha ou, “maktub” está escrita nossa sina, a ela estamos fadados?

Salomão disse: “Do homem são as preparações do coração, mas, do Senhor a resposta da língua. Todos os caminhos do homem são puros aos seus olhos, mas, o Senhor pesa o espírito. Confia ao Senhor tuas obras e teus pensamentos serão estabelecidos.” Prov 16;1 a 3

Visto dessa forma se amplia um pouco. Não se trata de negar o direito de escolha; mas, fazer escolhas que serão bem sucedidas. Associa-te ao Senhor, para o êxito, ou, “Confia ao Senhor tuas obras e teus pensamentos serão estabelecidos.”

Ouçamos Cristo: “Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.” Jo 15;5

Esse “nada” não se refere à negação funcional do homem alienado de Deus; mas, à valoração do produto final das conquistas na vigência dessa alienação. Paulo evocou o pretérito de certos pecadores querendo conhecer o saldo: “Porque, quando éreis servos do pecado, estáveis livres da justiça. Que fruto tínheis, então, das coisas de que agora vos envergonhais? Porque o fim delas é a morte.” Rom 6;20 e 21

Assim, seus feitos eram “coisas,” não, nada. Contudo, coisas que nada valiam, pois, pereceriam na morte. É esse nada, pelo qual laboram aqueles que se atrevem a tentar desbravar a vida sem Cristo.

Desse modo, o meu caminho é meu, porque sou um indivíduo; não é o seu. Mas, se pretendo ser servo de Deus, não é tão meu assim, que me permita andar a revelia, em oposição à Sua Palavra, ou, Seu Espírito. Se eu fizer isso, o resultado final será nada; mesmo que, eu ganhe o mundo. “Pois, que aproveitaria ao homem ganhar todo o mundo e perder sua alma?” Mc 8;36

Então, se desejo intimidade com Deus e persevero na observância da Sua Palavra serei guiado por Ele, de modo que, meu caminho será estabelecido rumo ao Divino Propósito. “Teus ouvidos ouvirão a palavra do que está por detrás de ti, dizendo: Este é o caminho, andai nele, sem vos desviardes nem para direita nem para esquerda.” Is 30;21

Logo, nosso livre arbítrio se reduz a uma dualidade simples: Obedecer ou não, com seus desdobramentos que vão mui além de nossa possibilidade, mensurar. Aliás, desde o início, O Eterno sempre colocou a coisa como dual, e desafiou os Seus à melhor escolha. “Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, de que te tenho proposto a vida e morte, a bênção e maldição; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e tua descendência...” Deut 30;19

Entretanto, nossa escolha não é feita de uma vez por todas. Tipo; escolhi ser servo de Deus, xô Satanás, e o bicho ficará longe; não é tão simples assim. Cada tentação é um desafio, uma escolha. Sempre poderemos optar entre obediência ou, rebelião. É o livre arbítrio que temos.

Schopenhauer negava que o tenhamos. Dizia: “Dado o motivo e o caráter a ação resulta necessária”. No princípio discordei dele; mas, pensando melhor, ele está certo. Ele não estava defendendo que a ocasião faz o ladrão como vulgarmente se diz. Antes, que era o concurso do motivo e o caráter que patrocinavam a escolha, e assim é.

Por isso a necessidade do Novo Nascimento, pois, “o que nascido da carne é carne;” e “... a inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois, não é sujeita à lei de Deus, nem, pode ser.” Rom 8;7

Assim nosso arbítrio se resume ao reconhecimento de nossa falência espiritual, coisa que a pregação da Palavra e a cooperação do Espírito Santo persuadindo ao pecador, deixam claro; visto isso, aceitarmos O Único livramento possível; Jesus Cristo. Após, já não seremos autômatos do pecado, antes, pela cooperação do Espírito Santo, teremos escolha que antes, a natureza caída não tinha.

Esse caminho bendito que conduz à Vida Eterna não é do homem; é do Espírito. Desse modo voltamos em parte ao dilema do Éden. Deus dissera: “Desfrutem tudo, menos isso”. O inimigo: “Decidam vocês mesmo, sejam como Deus.”

Enfim, podemos segundo conselho do diabo seguirmos sendo senhores dos nossos caminhos rumando ao nada; ou, voltarmos à casa paterna como o pródigo; o que só é possível pelos Caminhos do Senhor. Façamos nossa escolha!

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Mau Tempo e Abrigo

“Será aquele homem como esconderijo contra o vento, refúgio contra a tempestade; como ribeiros de águas em lugares secos e como sombra de uma grande rocha em terra sedenta.” Is 32;2

Óbvio que Isaías refere-se ao Salvador, O Único ao qual cabem esses predicados todos. Falando neles, três referem-se a ameaças externas; vento, tempestade, sol; um, a água, atina a necessidades íntimas. Sintetizando: Tal Homem seria abrigo para males exteriores e refrigério para anseios internos.

Quem vive uma relação harmônica com O Senhor sabe que Ele É isso tudo, e muito mais. Todavia, o que É em Si, para ser usufruído depende de uma resposta nossa. De nada vale a água ao dispor do sedento se ele recusar beber; ou, abrigo ao alcance durante a tempestade, se, o errante resistir a se abrigar. Assim, a Excelência de Cristo passa ignorada por muitos, que, preferem manter distância.

Na parábola dos dois fundamentos a alma foi figurada como casa; as Palavras do Mestre como rocha; obediência do servo, equacionada à prudência do construtor que fundou sua obra na Rocha. Tentações do mundo, ventos e tempestades que testariam a resistência. Desse modo, usufruímos a segurança de Cristo se observarmos Sua doutrina; praticarmos e perseverarmos nela, sobretudo, em dias de tentações.

Ele é a “loucura de Deus” que é mais sábia que os homens, como disse Paulo. O problema para muitos que não conseguem ver além, as sombras eventuais são mais desejáveis que A Eterna; escondem-se ao abrigo enganoso da matéria, ignorando que o essencial é a vida. “Porque a sabedoria serve de sombra, como de sombra serve o dinheiro; mas, a excelência do conhecimento é que a sabedoria dá vida ao seu possuidor.” Ecl 7;12

O mundo está cheio de ditos que, se reconhecem certa utilidade do metal para bens externos, o qualificam como inferior, ao dizer: “Vão se os anéis ficam os dedos”; “dinheiro não traz felicidade”; “Dinheiro compra colchão macio, não, o sono” etc. Mesmo o canhoto obstinado, uma vez, mantida a integridade de Jó após sua falência, apelou para o valor supremo, a vida: “Tudo que o homem tem dará pela sua vida”, disse; rogando permissão para afligi-lo inda mais.

Desse modo, mesmo as posses legando abrigo ante as circunstâncias temporais, resta a questão proposta pelo Senhor: “Que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro se perder sua alma?”

As tempestades em questão são espirituais, não meteorológicas; as consequências podem pesar no curso da vida aqui; um juízo temporal. Ouçamos Isaías: “Porquanto dizeis: Fizemos aliança com a morte, com o inferno fizemos acordo; quando passar o dilúvio do açoite, não chegará a nós, porque pusemos a mentira por nosso refúgio, debaixo da falsidade nos escondemos... vossa aliança com a morte se anulará; o vosso acordo com o inferno não subsistirá; quando o dilúvio do açoite passar, então, sereis por ele pisados.” Is 28;15 e 18

A hipocrisia religiosa sentindo-se segura, malgrado, aos olhos Divinos fosse mera aliança com a morte, acordo com o inferno. A Doutrina do Senhor varreu o refúgio da mentira; as consequência dos que seguiram nela apegados foram duras, com a destruição de Jerusalém 37 anos após a crucificação do Messias.

O Mesmo Senhor que É abrigo onde recebido pela fé, acaba sendo tempestade para aqueles que se Lhe opõem confiados na hipocrisia. “Quem crer e for batizado será salvo; quem não crer será condenado.”

Como a proteção contra males externos requer que o fugitivo adentre ao abrigo, o refrigério demanda que beba da Água da Vida. “Mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte que salte para a vida eterna.” Jo 4;14

Esse “beber” na verdade é uma figura para crer, descansar integralmente na fidelidade do Senhor, isso traz repouso as nossas almas cansadas; “Porque nós, os que temos crido, entramos no repouso...” Heb 4;3

Crer é muito mais que uma anuência abstrata; é uma identificação com a renúncia do Próprio Senhor, que chamou de jugo, e nos instou a tomarmos também, caso ansiemos descanso interior. “Vinde a mim, todos que estais cansados e oprimidos, eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque meu jugo é suave e meu fardo é leve.” Mat 11;28 a 30

Nosso abrigo em Cristo não nos guarda das intempéries da vida; antes, do aguilhão da morte, coloca-nos acima dela. “Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho” Fp 1;21 “Onde está, ó morte, o teu aguilhão? Onde está, ó inferno, a tua vitória?” I Cor 15;55

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Brasil; sob o Juízo Divino

“...O seu pão comerão com receio, e água beberão com susto, pois, sua terra será despojada da abundância, por causa da violência de todos os que nela habitam.” Ez 12;19

O juízo da crise econômica por causa da crise moral, da violência que assolou a Terra de Israel, então. Cheia está a Palavra de Deus de exemplos assim, quando o desleixo para com O Santo foi punido da mesma forma.

Por Isaías disse. “A terra está contaminada por causa dos seus moradores; porquanto têm transgredido as leis, mudado os estatutos, quebrado a aliança eterna. Por isso a maldição consome a terra...” Is 24;5 e 6

No tempo de Ageu: “Esperastes muito, mas, eis que veio a ser pouco; esse pouco, quando o trouxestes para casa, eu dissipei com um sopro. Por que causa? disse o Senhor dos Exércitos. Por causa da minha casa, que está deserta... Por isso retém os céus sobre vós o orvalho, a terra detém os frutos. Mandei vir seca sobre a terra, sobre os montes, o trigo, o mosto, o azeite, e o que a terra produz; como também sobre os homens, o gado, e todo o trabalho das mãos.” Ag 1;9 a 11

Exemplos práticos de maldição atingindo agricultura e pecuária de então. Não sem motivo, pois, Paulo discursando aos gentios associou a produtividade normal da Terra com testemunhos do amor de Deus, disse: “Contudo, não deixou a si mesmo sem testemunho, beneficiando-vos lá do céu, dando-vos chuvas e tempos frutíferos, enchendo de mantimento e de alegria os vossos corações.” Atos 14;17

Entretanto, a economia moderna, embora deva muito à produção primária, tem desdobramentos que, então, não tinha. Construção civil, comércio, e outros ramos da indústria que geram fontes de renda para tantos, podem sofrer seus “estios” em tempo de fartas chuvas, o desemprego.

Segundo as estatísticas oficiais chegamos à astronômica monta de 14 milhões de pessoas sem emprego, atualmente. Será isso mera contingência econômica, ou, deriva do Juízo Divino contra nosso País, por estar O Senhor descontente com ele?

Abstraindo o ranço ideológico, esquerda e direita, vejamos fatos, diretrizes governamentais tomadas nos últimos anos, pelo prisma da Lei de Deus, buscando pistas de eventual descontentamento, caso, existam.

Antes que algum apressadinho apresente frutos dos falsários disfarçados de cristãos, e há tantos, Deus tratará com cada um deles, estou olhando no aspecto governamental. Falsas igrejas são causas de maldição também; mas, como laboram pretensamente em causas espirituais, é a desertificação nessa área, geralmente, seu juízo temporal; no final, o mesmo inferno dos corruptos.

Mas, as questões legais e econômicas derivam de iniciativas governamentais, por isso, as raízes espirituais da crise devem estar nesse solo.

Pois bem, o Governo do PT, entre outras bandeiras empunhou as seguintes: “Desconstrução do padrão hetero-normativo da família”, noutras palavras: Destruição do modelo familiar desejado por Deus.

Promoção do ensino do homossexualismo no colégio, o famigerado kit gay; e a cereja nessa torta, a ideologia de gênero;

no aspecto da vida, empunhou abertamente a bandeira do aborto; dos bons costumes, liberação das drogas; no da justiça se empenhou sempre em potencializar direitos de criminosos, recusando a redução da maioridade penal, e chamando de promoção dos direitos humanos, a condescendência do Estado com bandidos. Enfim, total inversão de valores, se, tivermos a Palavra de Deus como fonte de valores dos quais devemos beber.

Dou uma banana para mantras “politicamente corretos” que se apressarão a me rotular de homofóbico, radical, fundamentalista e o escambau, dane-se! Tolerar é uma coisa fácil, eu tolero; violência a lei já coíbe contra qualquer cidadão, seja gay ou não; não carecemos leis específicas para isso. Agora o Estado promover a supressão moral como algo belo é abjeto.

São minorias; o Estado Democrático deve legislar, sobretudo, para interesse majoritário, pois, é a maioria que escolhe governantes num sistema assim.

Então, antes era corrupto também, embora, em escala menor, depois do PT segue sendo no mesmo calibre, até porque foram os petistas que elegeram quem está lá. Negam de pés juntos, mas, lhe deram 54 milhões de votos.

Em suma, passamos de uma nação que era meio indiferente a Deus e Sua Lei, para outra que resolveu combatê-lo, banir Seus valores. Como dizia Estobeu: “Termina com má fama quem quer duelar com o mais forte.”

O Brasil é um país sob o Juízo Divino; está colhendo os frutos das afrontas que semeou; e o pior ainda virá, sobretudo, para os semeadores. 

Antes que surja um babaca desses com cérebro alugado dizendo que religião e política são excludentes, ouçamos da Palavra: “Ele (Deus) muda os tempos e as estações; ele remove os reis e estabelece os reis; ele dá sabedoria aos sábios e conhecimento aos entendidos.” Dn 2;21

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

As pérolas e os porcos

“Não fales ao ouvido do tolo, porque desprezará a sabedoria das tuas palavras.” Prov 23;9

Notemos que o silêncio do sábio é receitado não por que seu ouvinte não o careça ouvir; antes, porque mesmo carecendo se recusaria. Pior, desprezaria os conselhos.

Mas, por que alguém abriria mão tão naturalmente de algo que precisa? Dois males costumam patrocinar atitudes assim; orgulho e presunção. Aquele prefere privar-se de um bem para não “dar o braço a torcer”, “ficar devendo favores” a outrem; nessa, mesmo sendo um ignorante de carteirinha, o sujeito presume-se sabedor das coisas; quem discordar dele, ou, tentar acrescentar mais luz, só pode estar errado. O “sábio aos próprios olhos”.

Primeiro o pensador desaconselha que tomemos esse caminho, dando às nossas parcas percepções, o status de sabedoria, de aferidoras de medida. Antes, evoca a Sabedoria Absoluta, Deus, como Alvo para saúde psíquica e intelectual. “Não sejas sábio aos teus próprios olhos; teme ao Senhor, aparta-te do mal. Isto será saúde para o teu âmago e medula para os teus ossos.” Prov 3;7 e 8

Ora se temo ao Senhor, no mínimo concordo com Seus conceitos sobre bem e mal, e, escolho obedecê-lo, dado que, a isso impulsiona o devido temor.

Num segundo momento aquilata o dito “sábio”: “Tens visto o homem que é sábio aos seus próprios olhos? Pode-se esperar mais do tolo do que dele.” Prov 26;12 O sujeito ocupa um inglório lugar no pódio das luzes, pois, está abaixo dos tolos.

Ora, essa ironia que lhe rotula sábio, noutra parte é dissecada em seu vero ser, e resulta em falta de noção: “Há uma geração que é pura aos seus próprios olhos, mas, nunca foi lavada da sua imundícia. Há uma geração cujos olhos são altivos, suas pálpebras são sempre levantadas.” Prov 30;12 e 13

Aquilo que lhes parece puro, saudável, ao escrutino do Espírito não passa de imundícia. Todavia, seus hospedeiros desfilam airosos e orgulhos, olhos altivos como se estivessem em relevância, quando, se sua cegueira voluntária fosse curada se veriam apenas imundos.

Embora, ajam obtusos no intelecto, sua doença é filha da vontade rebelde. No fundo sabem onde o galo canta, como se diz, mas, escolhem “não saber” dado que o saber a virtude responsabiliza, requer praticá-la; e preferem acariciar o vício tão barato, ao esforço por essa que demanda renúncia, submissão, cruz.

Assim, no afã de salvarem seus comodismos eventuais, pervertem valores, mudam o mal em bem, ousam contra conceitos do Eterno chamando-os de preconceito; em seu porre de “liberdade” inconsequente, pensando romper as grades, robustecem-nas, tão somente condenam-se; “E, a condenação é esta: A luz veio ao mundo, os homens amaram mais as trevas que a luz, porque suas obras eram más. Porque todo aquele que faz o mal odeia a luz; não vem para a luz, para que suas obras não sejam reprovadas.” Jo 3;19 e 20

Notemos que O Senhor não os acusou de não poderem ver a Luz; antes, de não poderem amá-la, dado que, escolheram amar seu lado oposto, as trevas. Isso corrobora o argumento que o mal dos tais não é lapso de entendimento, antes, de vontade. Um tolo, simplesmente, alguém que não sabe ainda pode ser iluminado, ensinado; enquanto, esses presunçosos recusam, redarguem, por isso, “Há mais esperança para um tolo que para eles.”

Muitos animais bem treinados, mediante certas recompensas são capazes de fazer coisas bem “inteligentes”, como nos circos se pode ver. Contudo, esses, indômitos, mesmo que se lhes ofereça o Céu como recompensa, e a Vida Eterna de lambuja, seguem não domesticáveis, rudes, intratáveis.

Salomão mesmo em suas reflexões sobre o homem em si, divorciado do Criador o nivelara aos animais: “Disse eu no meu coração, quanto a condição dos filhos dos homens, que Deus os provaria, para que assim pudessem ver que são em si mesmos como os animais.” Ecl 3;18

Se, o homem em si, cotejado com os animais dá um inglório zero a zero, esses, parecem fora de si, abaixo da linha de pobreza moral, como que, inoculados com um tanto do ódio que o canhoto tem do Eterno.

Por isso, palavras sábias, condutoras de luz, se lhes soam como ameaça, dado que, fizeram das trevas seu dileto habitat.

Todavia, fomos criados “Imagem e Semelhança” do Criador; os que se deixam encontrar quando Ele Busca, recebem de novo vida espiritual; deixam de ser o reles homem em si, para sê-lo de novo, em Deus. Ensina-nos a pensar como Ele, a “Mente de Cristo”, e paulatinamente capacita, mediante O Espírito Santo que nos é dado, a agirmos de modo que lhe é agradável.

A Palavra de Deus diz quem Ele é;nossa reação a ela, quem somos; sejamos sábios, pois.

sábado, 12 de agosto de 2017

Ciúme, zelo, emulação...

“... o amor é forte como a morte, duro como sepultura o ciúme; suas brasas são brasas de fogo, com veementes labaredas.” Ct 8;6

Ciúme, ou, zelo é inevitável, como a ira. Mas, torna-se mau quando fora do lugar. Paulo testificou que os judeus contemporâneos seus eram assim. “Porque lhes dou testemunho de que têm zelo de Deus, mas, não com entendimento. Porquanto, não conhecendo a justiça de Deus, procurando estabelecer sua própria, não se sujeitaram à justiça de Deus.” Rom 10;2 e 3

Assim, o ciúme está a serviço das obras da carne. Uma das derivações dele é a emulação. Uma espécie de rivalização, de competição, que em seu aspecto negativo recai para a inveja, desfeita; por outro lado, pode ser estímulo a buscar o mesmo; ser igual a outrem do qual nos sentimos emulados.

Paulo disse que investia em seu ministério entre gentios, esperando com isso, que alguns judeus também fossem salvos. “Para ver se de alguma maneira posso incitar à emulação os da minha carne e salvar alguns deles.” Rom 11;14

Denunciou os judaizantes que transtornaram a graça do Evangelho entre os gálatas; tinham ciúmes, pois, os consideravam ovelhas suas. Não andarem as ovelhas de Cristo, como se, deles, lhes incomodava; perdiam a sensação de guias. “Eles têm zelo por vós, não como convém; mas, querem excluir-vos, para que tenhais zelo por eles. É bom ser zeloso, mas, sempre do bem; não somente quando estou presente convosco.” Gál 4;17 e 18

Essa concessão ao zelo, ou, ciúme, pois, está condicionada ao bem; o que conceituaríamos como tal, senão, a Vontade de Deus. Aliás, foi exatamente o não discernir a Santa Vontade, das coisas mundanas, que Tiago referiu como motivo de ciúmes do Espírito. “Adúlteros e adúlteras, não sabeis que amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus. Ou cuidais que em vão diz a Escritura: O Espírito que em nós habita tem ciúmes?” Tg 4;4 e 5

Ciúmes a ponto de ensejar inimizades, como dissera Salomão. “...suas brasas são brasas de fogo, com veementes labaredas...”

Qual sentimento movera O Eterno a chover fogo sobre o sacrifício no Desafio de Elias, senão, o Santo Zelo pelo Seu Majestoso Nome que estava indignamente suplantado por fantoches de humana feitura; imagens de Baal? Por Isaías disse: “Eu sou o Senhor; este é meu nome; minha glória, pois, a outrem não darei, nem, meu louvor às imagens de escultura.” Is 42;8

Nos dias de Ezequiel a apostasia assumira proporção tal, que colocaram imagens de escultura no átrio do Templo do Senhor. Aquilo O irritava tanto que, se afastava do lugar de culto que Ele mesmo escolhera. “...levantei meus olhos para o caminho do norte, e, ao norte da porta do altar, estava esta imagem de ciúmes na entrada. Disse-me: Filho do homem, vês o que eles estão fazendo? As grandes abominações que a casa de Israel faz aqui, para que me afaste do meu santuário?...” Ez 8;5 e 6

Usamos dizer: O incomodado que se mude. Pois, bem, O Eterno incomoda-se profundamente com a idolatria, não só culto às imagens como simplificam alguns. Avareza é equacionada com idolatria; adoração, bajulação de ministérios, pregadores e cantores também; tudo mais do mesmo; onde arde essa febre, O Espírito Santo se afasta, por zelo Ao Majestoso Nome de Deus.

Pois, se o homem foi projetado para a comunhão com O Santo, amando a justiça, a verdade, a retidão, dominando sobre a criação, mas, em submissão, respeitando certo limite posto, o homem assim, digo, era “Imagem e semelhança de Deus;” o que resultou após a queda, egoísta, enxerido, independente, insubmisso, infelizmente se fez a imagem e semelhança de outro, que lhe dissera: “Vós sereis como Deus; e sabereis o bem e o mal.”

Em suma, por detrás dos ídolos, de qualquer espécie, O Eterno vê a imagem do canhoto em relação promíscua com aqueles que Ele Ama; isso lhe desperta ciúmes. Por isso requer santidade dos Seus servos; Isso significa consagração, separação dos valores perversos do mundo, pela adoção dos Divinos.

“Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; que sociedade tem justiça com injustiça? Que comunhão, luz com trevas? Que concórdia entre Cristo e Belial? Que parte o fiel com o infiel? Que consenso, o templo de Deus com ídolos? Vós sois templo do Deus Vivo como Deus disse: Neles habitarei, entre eles andarei; serei seu Deus e eles, meu povo. Por isso saí do meio deles, apartai-vos, diz o Senhor; não toqueis nada imundo, Eu vos receberei; serei para vós Pai, vós sereis para mim filhos e filhas, Diz o Senhor Todo-Poderoso.” II Cor 6;14 a 18

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Adoção ou perdição

“Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome;” Jo 1;12

Temos certo contraste entre duas situações no que tange à relação do homem com Deus. O inimigo dissera: “Comam do fruto proibido, desobedeçam, sereis como Deus.” Porém, mediante João temos: “Recebam ao Senhor e Salvador; sereis, de novo, filhos de Deus”.

Não dá para negar que o último convite é bem mais módico que o primeiro; ser como Deus seria muito maior que ser filho. A diferença entre ambos, contudo, é que um é mentira. Aqueles que aceitaram a pretensão maligna de ser como Deus, na verdade, tornaram-se como o diabo, caídos, propensos ao mal, destituídos da Glória de Deus. E as consequências da escolha incidiram sobre toda a humanidade.

O inimigo usa projetar seus anseios desorientados sobre inocentes úteis, incautos manipulados por ele. Ora, no que era possível os humanos serem como Deus, Seus atributos comunicáveis, já o eram; “Façamos o homem à nossa imagem e semelhança”, fora o projeto. O fato novo proposto foi a autonomia, a independência. Não consta que fosse uma carência nos corações do primeiro casal essa prerrogativa. Quem sonhava ser como Deus era o canhoto, que, pela omissão inoculou neles um mal que era estritamente seu.

Desde então, que o egoísmo autônomo entrou em cena, o poder passou a ser pervertido no seu real significado. Deixou de ser uma responsabilidade para ser um privilégio. Se, quero dar a mim mesmo grandezas que desejo, e, posso fazer isso, faço; as únicas consequências que me importam são a minha satisfação, pensaria um egoísta em seu estado “puro”.

Salomão que governou um vasto e portentoso reino não via o poder como algo tão vantajoso assim, disse: “Tudo isto vi quando apliquei meu coração a toda a obra que se faz debaixo do sol; tempo há em que um homem tem domínio sobre outro homem, para desgraça sua.” Ecl 8;9

Pois, pensava ele, tendo autoridade sobre outrem sem tê-la sobre si mesmo, sobre o próprio espírito, o exercício desse poderio seria mal fadado. Antevia, por certo, o momento em que um poder superior faria a chamada, a morte; pois, dissera: “Nenhum homem há que tenha domínio sobre o espírito, para retê-lo; tampouco, tem poder sobre o dia da morte; como também não há licença nesta peleja; nem, a impiedade livrará aos ímpios.” V 8

Nossos políticos são belos exemplos de poder sobre meios, pessoas, e servidão íntima às próprias concupiscências desordenadas. O país sai às ruas em demanda de enxugamento da máquina, moralização, fim de privilégios, ética, etc. e eles, vão de um lado para outro, locomovem-se numa cadeia de conchavos para encenar que nos estão representando, quando, representam apenas o insano anelo de perpetuarem privilégios.

Sua “Reforma Política” basicamente consiste em aumentar verbas de campanha, meio usado para, enganando incautos, manter ladrões disfarçados de representantes; o verniz que os maquia, pois, deve ser pago por nós.

Porém, voltando, ser filho de Deus não é a ordem natural das coisas como devaneiam incautos falando de boca cheia: “Deus é Pai, não é padrasto; também sou filho de Deus”. Não é bem assim. Aos que recebem a Cristo como Senhor, Aquele que Governa, O terão também como Salvador; Aquele que faculta adoção de filhos.

A situação nossa, pecadores, perante Deus, é como a do filho pródigo em seu retorno, depois de desperdiçar tudo. “direi ao meu pai, - pensava – não sou digno de ser chamado teu filho, faz-me como um dos teus servos.” Quem chegar ante O Pai, nesse espírito será recebido como filho; senão, nada feito.

Pois, ser filho requer certo poder que não temos; carecemos auxílio do Espírito Santo para nos comportarmos como tais. Como vimos acima, poder é dever, responsabilidade; O Eterno despertou certos alienados que se Jactavam de qualquer maneira. “O filho honra ao pai, o servo ao seu senhor; se Sou Pai, onde está minha honra? E, se Sou Senhor, onde está o meu temor? diz o Senhor dos Exércitos...” Mal 1;6

Paulo lamentou a sina do pecador pela falta de poder sobre o pecado; “Porque não faço o bem que quero, mas, o mal que não quero faço. Ora, se faço o que não quero já não faço eu, mas, o pecado que habita em mim.” Rom 7;19 e 20
O que podemos estimulados pela Palavra e convencidos pelo Espírito Santo é uma escolha mera entre o salário do pecado que nos mantém “como Deus”; ou, o Dom de Cristo, que adota por filhos. Façam suas escolhas. “Porque o salário do pecado é a morte, mas, o dom gratuito de Deus, vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor.”

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

As varas

"Será que a vara do homem que eu tiver escolhido florescerá; assim farei cessar as murmurações dos filhos de Israel contra mim, com que murmuram contra vós... Torna a pôr a vara de Arão perante o testemunho, para que se guarde por sinal para os filhos rebeldes; assim farás acabar as suas murmurações contra mim e não morrerão.” Núm 17;5 e 10

Algumas coisas chamam atenção nesse incidente de confirmação por parte do Senhor, da escolha de Aarão para o sacerdócio. As murmurações contra os escolhidos pelo Senhor era o mesmo que murmurar contra Ele; disse: “...murmurações dos filhos de Israel contra mim, com que murmuram contra vós...” Isso deve ser entendido em seu contexto; nem de longe patrocina a pretensa “Ungidolatria” de certos safardanas sem frutos, probidade, aos quais, mera crítica doutrinária já os força a se esconder atrás do biombo de intocáveis “ungidos do Senhor”.

Há pessoas idôneas escolhidas e capacitadas para determinados ministérios; mas, não são intocáveis. Elas podem padecer “fome e sede de justiça”, sendo caluniadas, perseguidas; ou, se parecer bem Ao Santo pelejar por honrar Suas Escolhas, será sempre iniciativa Soberana Dele, não, fruto de melindres carnais de gente que anela o aplauso humano.

Contudo, volvendo ao princípio, tivemos um juízo em misericórdia, para evitar outro em ira. Digo; confirmação sobrenatural da Divina Escolha, para que não fosse necessário punir exemplar e cabalmente aos rebeldes; “...assim farás acabar suas murmurações contra mim e não morrerão.”

Então, o primeiro julgamento se ateve a dissipar eventuais brumas entre verdade e mentira; entre vontade humana e Divina. Deus sofreu a desonra humilhante de ter que provar algo. O Fez espetacularmente. Se, ainda assim persistissem murmurando, restaria apenas Sua Ira, a morte dos rebeldes.

A Missão de Cristo, em seu contexto é como o primeiro juízo; uma separação entre luz e trevas, entre verdade e mentira. Sua Vitória sobre a morte confirmada de modo sobrenatural. Como foi então, uma vara morta receber o dom de florescer e frutificar, foi o aponte do Eterno sobre O Caminho da Salvação; Sua Doutrina, as placas que orientam a caminhada.

A reação a Ele não foi das melhores, contudo: João diz: “A luz resplandeceu nas trevas, e as trevas não a compreenderam.” Jo 1;5

Na verdade, o que João atribuiu a um lapso de compreensão em relação à Luz, Cristo, o Próprio, definiu como lapso afetivo, incapacidade de amar; “...a luz veio ao mundo, os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque suas obras eram más. Porque todo aquele que faz o mal odeia a luz; não vem para a luz, para que suas obras não sejam reprovadas. Mas, quem pratica a verdade vem para a luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque são feitas em Deus.” Jo 3;19 a 21

O fato que, pecadores indo ao Senhor, seus feitos deparam com reprovação, tem sido um jugo insuportável para aqueles, cujo amor próprio se tornou um ídolo; patrocinador de uma presunção tal, que torna seus hospedeiros incorrigíveis, fadados à ira por recusarem implicações necessárias pra receber a Misericórdia Divina; arrependimento, confissão, e abandono gradativo do pecado.

Do seu modo são como os murmuradores aqueles, que acusaram Moisés de nepotismo; Deus fez manifesta Sua Vontade, a Vara escolhida floresceu e frutificou, mas, os rebeldes seguem murmurando, dizendo que foi “golpe”, digo, fraude. Conhecemos gente assim, não é? Nem uma muralha de argumentos factuais, lógicos, detém aos indômitos touros das paixões desorientadas.

Pois bem, Dado que É a Vida, O Salvador está mui distante de ser uma vara morta; antes, se apresenta como a Planta Dileta do Pai: “Eu sou a videira verdadeira, meu Pai É o Lavrador.” Jo 15;1 Nós, de certa forma éramos apenas varas mortas, mas, Sua Vida Sobrenatural derramada na cruz em nosso favor, nos permite nascer de novo.

Todavia, alguns estacionam na conversão achando que ela é o fim, o alvo do Lavrador; não. Sua Meta são frutos; nós, as varas enxertadas em Cristo, os meios pelos quais, os mesmos devem ser produzidos. Senão, seremos varas inúteis, descartadas na poda. “Toda a vara em mim, que não dá fruto, tira; limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais ainda.” V 2

Então, cada vez que a Doutrina do Senhor nos ilumina, corrige, vejamos como um juízo eventual, temporário, uma manifestação do Divino cuidado, para nos livrar daquele julgamento que será o final.

Tendo isso em mente, Paulo advertiu aos irmãos sobre a seriedade de sermos ramos na Videira Santa: “Porque, se nós julgássemos nós mesmos, não seríamos julgados. Mas, quando somos julgados, somos repreendidos pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo.” I Cor 11;31 e 32

sábado, 5 de agosto de 2017

O juízo desde já

“Também o Pai a ninguém julga, mas, deu ao Filho todo juízo... Deu-lhe poder de exercer o juízo, porque é O Filho do Homem.” Jo 5;22 e 27
A necessidade da encarnação de Jesus, aos olhos da Divina Justiça, algo que nem sempre foi bem compreendida. Para Deus é necessário que um Homem julgue a humanidade. Assim, o juízo é uma pasta do “Filho do Homem”.

Isso evitaria, talvez, eventual queixa de um condenado que diria: Deus é injusto ao nos condenar, pois, sendo Ele espírito, não sabe o que passamos num corpo de carne inclinado ao mal.

Então, “O Verbo se fez carne e habitou entre nós.” Quanto ao sofrimento, quem rivaliza com Ele? “Porque, na verdade, ele não tomou os anjos, mas, tomou a descendência de Abraão. Pois, convinha que em tudo fosse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote naquilo que é de Deus, para expiar os pecados do povo. Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados.” Heb 2;16 a 18

Assim, além do prisma jurídico, Sua encarnação O colocou no âmbito da empatia; identificação com nossas dores, por tê-las vivido também, em escala superlativa.

Não que seja Homem estritamente, Ele mesmo disse: “Antes que Abraão existisse, Eu Sou”. Porém, funcionalmente se fez como nós, para, reduzido às nossas limitações demonstrar cabalmente que é possível vencer ao pecado; se, não para nós em nossa condição caída, para nossos pais que herdaram ao paraíso, era. Mas, “... pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que recebem abundância da graça, do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo. Pois, assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos para condenação, também, por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida.” Rom 5;17 e 18

Entretanto, graça não equivale a ter carta branca para pecar, antes, nos conduz a um compromisso de fidelidade para com Quem, graciosamente nos resgatou. “Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens, ensinando-nos que, renunciando à impiedade e concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, justa, e piamente.” Tt 2;11 e 12

Se, pensamos em Cristo como, O Juiz, e Ele É, O imaginamos condenando os maus; mas, o ensino Bíblico O mostra salvando os maus arrependidos, pois, o juízo se deu por ocasião da queda, quando, toda espécie se perdeu. “Porque o Filho do homem veio salvar o que se tinha perdido.” Mat 18;11

Cada um ao qual Sua Palavra é apresentada querendo ou não está num tribunal. Ou, apresenta provas de sua inocência, (Quem o pode?) ou, arrepende-se e roga perdão. Pois, se, formalmente o julgamento será “no último dia”, pra efeitos práticos se dá durante nossas vidas, quando ouvimos a mensagem que Salva. “Quem rejeitar a mim, não receber minhas palavras, já tem quem o julgue; a palavra que tenho pregado o há de julgar no último dia.” Jo 12;48

Reitero, o juízo do último dia será apenas a formalização oficial de nosso juízo que, opta pela salvação ou pela perdição quando, como Pilatos recebe Jesus para Julgar. Aquele O recebeu fisicamente; nós, em espírito, pela Sua Palavra. “Quem crer e for batizado será salvo; mas, quem não crer será condenado.” Mc 16;16

Não O julgamos como réu, antes, como digno de crédito, ou não. A opção de não crer equivale à blasfêmia de chamá-lO mentiroso. “Quem crê no Filho de Deus, em si mesmo tem o testemunho; quem a Deus não crê mentiroso o fez, porquanto não creu no testemunho que Deus de seu Filho deu.” I Jo 5;10

Em Suma, no juízo celeste está Ele como Juiz e testemunha; A Palavra; no Terreno, como água que purifica; a mesma Palavra, e Sangue que Redime; Sua vida Imaculada. “Porque três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; estes três são um. Três são os que testificam na terra: o Espírito, a água e o sangue; estes três concordam num.” I Jo 5;7 e 8

Se, Ele se fez Homem, pra se identificar com nossas fraquezas, além do resgate, nos dá O Bendito Espírito Santo, para que nos identifiquemos com Seu caráter; a santificação. A regeneração da “Imagem e Semelhança” perdida na queda. Por isso: “Sede santos porque Eu Sou Santo”.

Não se trata de uma opção dos crentes que quiserem maior intimidade. É a coisa indispensável, se, queremos ser salvos; finalmente, agradecer face a face, Nosso Bendito Salvador. “Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual, ninguém verá o Senhor;” Heb 12;14

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

A corrupção que balança o berço

“... Senhor, não tenho homem algum que, quando a água é agitada, me ponha no tanque; mas, enquanto eu vou, desce outro antes de mim.” Jo 5;7

Sem entrar no mérito se as águas de Betesda eram medicinais, se, havia ali um poder milagroso, ou, era superstição, o que chama atenção desse verso é um mal que assola a humanidade: Competição. “enquanto vou, desce outro antes de mim...”

Diz certo ditado, “Quem chega primeiro bebe água limpa”, nossa meta parece ser essa: Chegar antes. Ora, se nas competições esportivas é um aspecto normal, desejável, uma vez que corroboraria a excelência do trabalho bem feito, do exercício dos dons naturais, numa visão filosófica, espiritual, da vida, é insano.

Anteontem, 02 de agosto de 2017, o treinador Abel Braga que perdera seu filho há menos de uma semana, num acidente doméstico, foi aplaudido de pé por toda a torcida adversária, do Sport Recife, que recebia para enfrentar o seu time, o Fluminense.

Uma forma de dizer: Nas questões esportivas queremos vencer você; tudo faremos dentro das regras do jogo para isso; mas, em assuntos de vida, lhes somos solidários, receba nosso apoio. Foi um gesto emocionante, lindo. Deveríamos aprender algo com ele.

Contudo, o mal fadado egoísmo tem dado as cartas, infelizmente, no doentio jogo da vida. O que é a famigerada corrupção, senão, o meio ilícito mais comum de chegar antes, de uma visão egoísta, perversa, da vida, onde um dever para com todos acaba vencido por um “direito” bastardo de usufruir do Erário em causa própria?

Quantos milhões de vítimas nas intermináveis filas de parco atendimento hospitalar por falta de meios, recursos, poderiam dizer como o aleijado aquele. Há muito espero ser atendido, mas, quando vou, vai outro antes de mim, o corrupto.

Nosso pais mercê desses larápios pluripartidários tornou-se como o deficiente aquele, que, se a letra do seu Hino diz, “Deitado eternamente em berço esplêndido”, a realidade insiste em mostrar deitado mendicante em catre pútrido, pelo grassar do intenso estio de valores que acentua, cada dia, nosso deserto moral.

A cada quatro anos as águas são agitadas; digo, surge a oportunidade de um impulso que levantaria o Gigante; quiçá, ao menos a cabeça, apoiando-se nos cotovelos para olhar de outro plano a dura realidade circunstante. Mas, o bichão segue deitado, pilotado por biltres manipuladores, que se apressam a mergulhar servindo-se, invés, do nobre fim de servir.

Infelizmente a formação de bons valores, desde a base, a família, sistema educacional, entretenimento social, a programação televisiva, sobretudo, tem sido relapso no ensino dos deveres, e pródigo no fomento dos direitos. Aí, quando vemos um Congresso Nacional, Executivo, e Judiciário apodrecidos, salvas, raríssimas exceções, infelizmente, vemos o retrato fiel de nossa sociedade; nós os colocamos lá; tem gente que inda é viúva de defenestrados eventuais, de bandidos de estimação.

Aí vem um grupelho de artistas, também corruptos, pois, querem mamar no Erário pelas tetas fartas da fatídica Lei Rouanet, querendo cooptar a sociedade e exigir novo impeachment, achando que são nossos mentores, estrelas plenas de luz própria capazes de nos dizer o que pensar, vão se catar!

Sua “arte” na imensa maioria não passa de glamurização do vício, normatização da pornografia em horário nobre, portanto ativos agentes deletérios de bons valores, que agora se presumem agentes de uma assepsia na ferida de Brasília? Não têm espelho? Curem-se primeiro de seus egoísmos, depois, ajudem na cura do país, hipócritas.

Sempre foi assim como o crápula do Temer está fazendo; quem tem a caneta e as chaves do cofre compra os venais de plantão com nosso dinheiro. Os que ontem compraram, no Mensalão, Petrolão, no anti impeachment, posam de éticos da vez atacando a vício, não por amor à virtude, mas, por inveja; por desejar alimentar o vício próprio invés de ver outro alimentando o dele. Que nojo dessa gente!

Trocas lá em cima seria o famoso seis por meia dúzia; eleições agora seria contra a lei; o jeito é sofrer um ano ainda; até lá tratarmos nossos neurônios, deixarmos de ser torcedores de quem nos rouba para sermos cidadãos conscientes, empregadores de servidores públicos, não reféns de carismáticos sem caráter.

A parcela minoritária de cidadãos valorosos tipifica aquela punção impotente do deficiente que queria ir buscar cura ao agito das águas, mas, a maioria, os apaixonados por siglas, bandeiras, vai antes, busca seu fomento egoísta e o doente segue esquecido, impotente.

Um dia, espero, chegaremos a um nível de consciência tal, que possamos dizer como O Senhor: “Levanta, toma teu leito e anda.” Por enquanto, não crescemos o bastante; malgrado o gigantismo, inda estamos no “berço”, e o interesse egoísta e amoral tem sido a mão que o balança.