Google+ Badge

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Chapecoense, tragédia na Colômbia

“Tudo tem o seu tempo determinado; há tempo para todo o propósito debaixo do céu... Tempo de chorar...” Ecl 3;1 e 4

Mesmo quem não entende, ou, não gosta de futebol, não ficou, nem poderia ficar, alheio ou indiferente à tragédia que vitimou a delegação da Associação Chapecoense de Futebol, nessa madrugada, na Colômbia. 71 vítimas, tripulação, jogadores, dirigentes, convidados de honra, e, profissionais da imprensa.

Coisas normais no seu labor, disputas, rivalidades, competições, perdem o significado ante o valor infinitamente superior, da vida. Ademais, todos os desportistas do país, certamente tinham à “Chape” como segundo time, sobretudo, nessa hora, em que disputava o maior título de sua história, o primeiro de caráter internacional, de todo o povo catarinense. Era-nos natural torcer para que eles fossem vitoriosos.

Infelizmente, somados acidentes, crimes, doenças, lidamos com um número expressivo de mortes, todos os dias; porém, quando, invés de diluir entre muitos o nefasto peso de sua vinda, a morte resolve concentrar a dor em um grupo assim, uma cidade, uma comunidade de torcedores, anexando ao inesperado trágico a contramão de quem galgava veredas gloriosas antes da dor, nossa consternação vulnera-nos, nossas razões tonteiam, a incompreensão nos toma.

Todos os estádios do mundo, onde houver uma partida oficial nos próximos dias, farão um minuto de silêncio antes de novos jogos, muitos aplaudirão; forma de dizer que a dor deles, é um muito nossa, também. Na verdade, é algo difícil de entender, em nossa natureza, por que, podemos participar com certa facilidade da dor alheia, embora, nem sempre, da alegria. Talvez tenhamos mais jeito pra nos identificarmos em nossas fraquezas, que, em eventuais destaques de dons superiores dados a outrem, não, a nós.

As competições nacionais foram adiadas por uns dias, pois, não faria sentido a alegria de eventuais conquistas, de quem quer que fosse, sobre um cenário de tanta consternação como esse.

Eis uma hora em que as palavras esgotam mui rápido suas parcas possibilidades, ante a imensa lacuna dessa ruptura de sonhos, expectativas... O fim da convivência, dos anseios mais legítimos, se faz de uma eloquência superior, o que põe nossas melhores ideias, nossos melhores discursos, apenas, mudos, ineptos, enfim, nossa impotência ante a gravidade da dor, resulta de uma evidência humilhante.

Nós, que ensinamos coisas espirituais derivadas da Palavra de Deus, não raro, exortamos o que aprendemos do Senhor, sobre a brevidade fugaz da vida, a importância inelutável de estarmos em paz com Deus, para quando nosso tempo findar. Entretanto, nem mesmo nós, que tentamos andar segundo esse modo de ver, cogitamos de um encontro brutal, coletivo, doloroso assim, com a última milha da jornada.

Quem não buscaria no mais fundo de seu relicário, se, houvesse, uma porção inda que pequena de palavras que pudesse de alguma forma, amenizar tamanha dor? Mas, tais não existem. Palavras não ajudam, silêncio não ameniza, empatia, em nada, melhora.

Resta, nos solidarizarmos com os familiares, amigos, torcedores da Chapecoense, e, demais vítimas, o que inexoravelmente não é bondade nossa, antes, identificação, à medida que nos vemos também partícipes da dor, inda que em escala menor, orando para que Deus lhes dê o consolo necessário para suportar uma carga assim, e a força necessária para seguir na senda da vida.

Os gregos, invés da comédia pueril, ou, dos finais felizes artificiais tão comuns em nossa dramaturgia, investiam nas tragédias, nas encenações, cujo clímax, era doloroso, levava a plateia ao choro. Chamavam a isso, catarse, ou seja, purificação. Entendiam, eles, que as almas humanas tendem a ser superficiais, melindrosas de pequenas coisas, e precisam eventualmente, contato com a dura realidade, para que se façam também, mais realistas, ponderadas, sensatas, menos suscetíveis.

Pois, nós que estamos compulsoriamente assistindo a uma tragédia real, de tal magnitude, bem que poderíamos, ao partilharmos um tanto da dor alheia, nos tornarmos um pouco melhores também, pararmos de superdimensionar picuinhas, e nos atermos mais, ao que deveras tem valor, dá sentido à vida.

Seria uma flor entre pedras, se, a eloquência da morte, lograsse, inda que tardiamente, nos guindar de uma existência pueril, a um sentido mais amplo, mais intenso, para o maravilhoso dom, da vida.

Causas serão apontadas, suspeitas levantadas, conclusões apresentadas, mas, nada mudará o fato de que isso será mera formalidade necessária, ações, derivadas da punção de quem fica, inúteis para mudar o que foi.

Nossa sociedade tão ensimesmada, ególatra, a geração selfie, gente que posta suas malcriações jactando-se de não precisar de ninguém para nada, bem poderia, ao aguilhão de tamanha dor, repensar valores, atitudes, escolhas, e se deixar humanizar um pouco mais, em lugar de ser tornar assim, tão máquina.

Eu preciso de tantos... precisaria daqueles 71, vivos, para não estar tão triste. Força Chape!!

domingo, 27 de novembro de 2016

A razão da fé


“... minha doutrina não é minha, mas, daquele que me enviou. Se alguém quiser fazer a vontade dele, pela mesma doutrina conhecerá se é de Deus, ou, se falo de mim mesmo.” Jo 7;16 e 17

Nunca foi propósito do Senhor, que abraçássemos uma fé cega, como nos acusam alguns, antes, que o façamos providos de entendimento, razão. Desse modo, certo ceticismo, questionamento antes de nossos “améns” sempre será salutar, pois, “crer” a despeito de ignorar, abraçar no escuro, enseja fanatismo, coisa jamais desejada pelo Criador.

Por isso, sempre anexa certos desafios práticos à Sua Palavra, tipo: “Provai e vede que O Senhor é bom;” “Achegai-vos a Deus e Ele se achegará a vós”; “Vinde a mim... Eu vos aliviarei”, etc. Sempre um desafio a uma ação, com promessa da reação Divina, na justa medida.

Óbvio que não devemos esperar, em nosso tempo, provas como as oferecidas no Carmelo, quando, estando o povo “coxeando entre dois pensamentos”, Elias desafiou os profetas de Baal, e O Eterno fez descer fogo dos céus. Era uma coisa pontual. Deus ordenara ao profeta que anunciasse o estio como juízo pela apostasia, depois, que aqueles expusessem as qualidades de seu deus, diante de todos. O Senhor tratava com uma nação, não, um indivíduo.

Então, não nos está proposta uma “Chuva de fogo” como prova, antes, refrigério interior, conhecimento de Deus, mediante a prática de Sua Doutrina. “Se, alguém quiser fazer a vontade dele, pela mesma doutrina conhecerá se ela é de Deus...”

Entretanto, “o justo viverá da fé”, propõe A Palavra; e, nada mais eficaz como pano sobre o qual bordarmos a fé, que o tempo. Assim, a fé sadia não é aquela que “ordena, determina” e as coisas saem à luz ao comando do guru da vez que conhece como “funciona”; antes, é uma confiança tão inabalável na Palavra, Integridade, Caráter de Deus, que, como Moisés, nos mantém “firmes como quem vê o invisível”.

Se, a paz interior é patrimônio imediato de quem se arrepende, confessa, se converte, começa a mudar de vida, as consequências exteriores podem muito bem ser adversas, normalmente são, pois, a conversão nos faz andar em novidade de vida, o que, necessariamente ensejará ruptura com situações, pessoas, cujo concurso pretérito não faz mais sentido, para a nova criatura.

A celeridade tecnológica ajuda deturpar as coisas, pois, o domínio disso apressa a chegada de muito que anelamos, de modo que se aconselha que textos na NET sejam breves, pois, as pessoas não têm tempo para algo mais denso.

Ora, conforme o tamanho do peixe que se vai pescar, escolhemos o anzol, nylon; se, o intento for que as pessoas passem em revista suas escolhas espirituais, o destino eterno das almas, será necessário um poder de síntese espetacular para dizer o necessário em poucas palavras.

Suprema ironia seria, alguém perder a eternidade, porque, agora, não dispunha de dez minutos para um texto “pesado” como esse, com mais de setecentas palavras. Uma canção antiga, de Arnaud Rodrigues chamada “Índio do Uruguay” trazia: “A vida é de quem corre menos, em busca de mais.” Talvez, seja o caso de pararmos um pouco para pensar.

Pois, a balela de opositores, de que a fé é cega, a “ciência” racional, passa longe da verdade. A “ciência” que se opõe a Deus é falsa, nociva, pois, avançando sobre áreas que não são seu objeto, produz descaminhos, não conhecimento, como a ciência veraz: “Ó Timóteo, guarda o depósito que te foi confiado, tendo horror aos clamores vãos, profanos, às oposições da falsamente chamada ciência, a qual, professando-a alguns, se desviaram da fé...” I Tim 6;20 e 21

Além disso, a fé não é desafiada a exercitar-se num vácuo, tipo, creio em alguma coisa, em algo superior, como se ouve, antes, somos instados a mudarmos nossos pensamentos pelos de Deus; “Porque assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos; os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos.” Is 55;9 Feito isso, nossa mente renovada fatalmente desafinará dos valores do mundo, mas, se alinhará Ao Criador, essa é a razão da fé.

“Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. Não vos conformeis com este mundo, mas, transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.” Rom 12;1 e 2
Na verdade, a maioria das pessoas que evita a senda da fé não o faz porque seja ilógica, irracional, incompreensível, antes, porque entende que demanda uma cruz, peso que recusa a carregar.

A Fidel o que é de Fidel

“Ao vil nunca mais se chamará liberal; e do avarento nunca mais se dirá que é generoso.” Is 32;5

A dificuldade de chamar às coisas por seus devidos nomes, sobretudo, nos meandros políticos, a falsidade conveniente, comodista, enfim, a hipocrisia, são traços marcantes na marcha do homem caído, divorciado do Criador.

Esses lapsos de moral, verdade, vergonha na cara, ficaram sobremodo evidentes, agora, por ocasião da morte do ditador cubano, Fidel Castro. Com algumas exceções, como Donald Trump, por exemplo, que o definiu como “Um ditador brutal que por quase seis décadas oprimiu seu povo,” a maioria das entrevistas e notas oficiais se esforçaram para colar em Fidel, virtudes que, absolutamente, não possuía. Mesmo Aécio Neves, tratou de dourar a pílula para vergonha de quem, um dia votou nele.

Uma coisa precisa ser clara do ponto de vista cristão: Uma morte é sempre uma morte, e quando se trata de alguém que viveu tão distante dos nossos valores, restam sempre os constrangimentos respeitosos para com a dor de quem, apesar de tudo, tinha laços com o finado, e para com Deus, pois seria contraditório um servo de Deus vibrar com um gol do diabo.

Entretanto, abstraído isso, e visto aquele, pelo que foi em sua vida, morreu tarde, na verdade havia dez anos que estava morto já, não obstante, seu fantasma assombrasse ao povo da ilha ainda, malgrado, a fragilidade pela enfermidade, e os traços da decrepitude.

A Rede Globo esforçou-se para mostrar o “luto” na ilha, esquecendo de considerar que, sempre foi o “braço de ferro”, a imposição da força mediante militares fiéis, a única classe bem assalariada no país, que ele se manteve no poder; assim, como manifestariam seu sentimento assombrados com o temor da repressão brutal que sempre pesou sobre eles? Os cubanos deveras livres, os da Flórida, manifestaram em forma de um carnaval seu “luto”, pois, refugiamos em outro país, estão safos do fantasma tirano, suas garras bélicas e opressoras.

Mesmo sua irmã, Juanita Castro, que vive na América disse que não irá ao seu funeral, tamanha é a mágoa que sente, por ser vítima da opressão também, meramente por divergir politicamente, dele.

Os da linha LGBT que chamam cristãos de homofóbicos, tão somente por discordarem de suas práticas, embora, respeitando seu direito de praticá-las, deveriam estudar melhor os traços pintados por Fidel, e seus comparsas, onde, “el paredón” era a crítica usual contra gente de quem discordavam, fosse, pelas ideias, fosse, pelas práticas, como os gays.

Aquele que um dia pegou em armas pela restauração da democracia, e da liberdade de expressão em seu país, uma vez no poder, nunca mais reconheceu direito à divergência, à vontade legítima de seu povo, tampouco, deu voz a quem ousava discordar dos ideais libertadores de “la revolución”. “Muitos odeiam a tirania apenas para que possam estabelecer a sua.” Platão

Lula lamentou sua morte dizendo que, foi como perder um irmão mais velho. Justiça seja feita, ele está sendo coerente, são mesmo, farinha do mesmo saco. Bem conhecemos esses “socialistas” que tomam a um povo como se fosse seu gado particular, e sentem-se tão protetores, tão indispensáveis, tão deuses, enfim, como se, as migalhas que oferecem como marketing os fazem tão nobres, que confere-lhes o direito de figurar entre os mais ricos do mundo, e continuarem socialistas. Lula rumava pela mesma senda, mas, foi abortado em tempo, então, lamenta com razão a morte de “seu irmão”.

Claro que o fim del “Gran comandante” não basta para que as coisas mudem por lá. Está no poder seu irmão, Raul, com o mesmo aparato ao redor de si, e os mesmos “valores”, que há muito envilecem, oprimem, miserabilizam ao bravo povo cubano. Contudo, pode ser o início do fim da tirania, os alvores de novos tempos surgindo no horizonte da ilha centro-americana.

Lembrei nesse instante de um personagem que era rei, em, “O Pequeno Príncipe” e, que dizia ter direito de exigir obediência de seus súditos, pois, suas ordens eram razoáveis. Disse, por exemplo, que deveria ser desobedecido se ordenasse a alguém que saísse voando como pássaro, pois, estaria pedindo algo contrário às suas possibilidades, à sua natureza.

Pois, bem, esses tiranos de bosta ordenam que, o povo voe, e a maioria se quebra toda tentando, invés de quebrar o trono dos déspotas insanos. “Quando alguém compreende que é contrário à sua dignidade de homem obedecer a leis injustas, nenhuma tirania pode escravizá-lo.” Mahatma Ghandi

Fora os óbvios lamentos de seus alinhados ideológicos, como, Nicolás Maduro, Evo Morales, Rafael Correa, e Lula, no mais, qualquer coisa que visar “melhorar” ao defunto, não passa de tosca hipocrisia. Aqueles alinhados, diga-se, não são hipócritas, são apenas, bostas da mesma latrina.

sábado, 26 de novembro de 2016

Entre a cruz e as pedradas

“Tendo anunciado o evangelho naquela cidade e feito muitos discípulos, voltaram para Listra, Icônio e Antioquia, confirmando os ânimos dos discípulos, exortando-os a permanecer na fé; pois, que por muitas tribulações nos importa entrar no reino de Deus.” Atos 14;21 e 22

“Confirmando os ânimos...” parece que havia razões para operar desânimo nos discípulos gerados por Paulo naquela região, de modo que, contra essas, aconselhava, exortava.

Mas, quais seriam as razões? Ora, o próprio Paulo, que operava pelo Espírito de Deus, grandes sinais, sobrevivera a um apedrejamento recém, de modo que, trazia sobre si as marcas, o que, visto pelos discípulos, poderia ser um “marketing” contraproducente, algo a ensejar medo, a fazer desistir. Mas, Paulo os fazia entender que tais coisas eram necessárias para ingressar em algo tão grandioso como O Reino de Deus.

Na verdade, pouco importava o que ele fizesse em termos de sinais, pois, o ódio que cega e atua mediante fanatismo possuía os corações dos judeus que se lhe opunham, de modo que, matá-lo a pedradas lhes era ideia fixa.

Após uma bem sucedida empresa ministerial em Icônio, o apedrejamento foi desejado por seus desafetos; “E havendo um motim, tanto dos judeus quanto dos gentios, com os seus principais, para os insultarem e apedrejarem”. V5

Cientes disso, Paulo e Barnabé fugiram para Listra e Derbe, onde, Deus usou a Paulo para curar um homem coxo. Os nativos boquiabertos os queriam tratar como deuses, o que, Paulo rejeitou veemente, mas, aí chegaram os das pedras, do ódio, da inveja, e dessa vez, fizeram o que queriam, havia muito. “Sobrevieram, porém, uns judeus de Antioquia e de Icônio que, tendo convencido a multidão, apedrejaram a Paulo, o arrastaram para fora da cidade, cuidando que estava morto.” V 19

O servo de Deus se revelou duro de matar, e mesmo marcado pelas pedradas, seguiu seu trabalho cuidando em amenizar a situação, para que, as chagas de seu corpo não ensejassem outras iguais, nas almas dos que lhe ouviam.

Contudo, deixando esse viés, por ora, outra questão assoma: Por quê, o ódio é tão convincente? Sim, o povo estava prestes a cultuar em louvor a dois “deuses” tal a admiração pelo sinal operado, mas, bastou que chegasse a turma da inveja turbinando o ódio, para que, a mesma multidão se deixasse convencer, e participasse do apedrejamento.

A palavra convencer sugere a ideia de vitória conjunta, vencer, com. Paulo anunciava O Amor de Deus, mediante Cristo, e operava grandes sinais demonstrando isso; era perseguido pelo establishment religioso, cujos traços do Salvador, buscava apagar a todo custo, mesmo que, com sangue, como se viu na tentativa de assassinar ao apóstolo.

Na verdade, o ódio é muito mais fácil de seguir, que o amor. Esse, demanda renúncia, abnegação, empatia, compromisso, verdade; aquele, não tira nada de bom de mim, antes, lança mão de “qualidades” baratas, como inveja, maldade, presunção, fanatismo, de modo que, me faz juiz, em egoísmo doentio, de quem eu discordar; e desse, vítima de minha “justiça”. Não preciso abdicar de nada, antes, ao seu motor posso dar vazão aos meus instintos mais primitivos, mais bárbaros, de modo que, às almas por ele possuídas, chega a ter certa doçura.

Assim, às muitas tribulações externas aventadas por Paulo para ingresso no Reino, estão anexas também essas maldades internas, que são nossas, como primeiro front de luta caso ousemos crer de modo a buscarmos conversão. “Se alguém quiser vir após mim, negue a si mesmo, tome a cada dia sua cruz, e siga-me.” Luc 9;23 é o desafio do Salvador.

Em suma, o chamamento do ódio me instiga a mandar pedradas em coisas que presumo, erros alheios; o do amor, a mortificar na cruz, as coisas que Deus declarar más, e habitam em mim. O ódio, pois, é mais fácil, por enfrentar a outrem com a mentira; o amor, mais duro, pois, careço enfrentar a mim mesmo, com a verdade. Óbvio que dói menos atirar pedras em outrem, que submeter-me à cruz.

Embora o seguimento calvinista insista que Deus faz tudo sozinho quando, salva-nos, nem seríamos arbitrários, apenas, eleitos, na verdade, opera por nos convencer, mediante O Bendito Espírito Santo; naqueles que convence, vence com; salva. “Quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo.” Jo 16;8

Convencido que minhas “qualidades” são pecado diante de Deus; que, a justiça Dele se cumpre em Cristo, e que, não me abrigando à Sua sombra serei réu, sou, pelo Mesmo Espírito, encorajado e capacitado a corresponder ao Amor de Deus.

A ação do Espírito, não me adestra para pedradas, antes, arrependimento. O fogo do ódio, do fanatismo, arde apenas por calor, destruição; o do Espírito Santo, por luz, edificação.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Refinados gatunos

O Site, “O Antagonista” definiu ao o PMDB como sendo “O PT com mesóclise”. Sem dúvida, é um maravilhoso poder de síntese.

Mesóclise é um jeito de escrever, falar, usando palavras compostas pelo radical, um pronome oblíquo e desinência, um tanto em desuso, atualmente, mas, que requer certa cultura, algum domínio do idioma. 

Por exemplo: Instruir-te-ei, esperar-vos-ei, dar-vos-á, separar-se-ão, etc. Assim, o que disseram eles, foi, que o PMDB tem mais cultura que o PT, e, o mesmo caráter, o mesmo grau de corrupção. Isso, absolutamente, não basta para fazer as viúvas do “golpe” terem razão.

Não obstante, ter havido o impeachment, nem de perto houve uma guinada à direita, um assalto ao poder pelas “elites” pela “burguesia”, como quiseram fazer parecer alguns canhotos. Temer era o vice do PT, então, se eles se aliaram, das duas uma: Ou, o PT era tão ávido pelo poder que não se importava em “dormir com o inimigo”, ou, é mesmo, tudo, farinha do mesmo saco. Os fatos indicam a alternativa B.

O incidente em que Geddel Vieira Lima teria pressionado ao Ministro da Cultura, Alexandre Calero, não obstante ter culminado na saída de ambos, por escrúpulos de Calero, e conveniências circunstanciais de Geddel Lima, diga-se, é pequena amostra do pano, do tipo de “estadistas” de homens públicos que nos governam.

Claro que, nada consegue ser mais ruim que a esquerda, representada pelo PT, pois, além da incompetência, da corrupção, inda são falsos democratas, pois, só reconhecem a democracia com eles no poder, o resto, é falso, é “golpe”.

Assim, instrumentalizaram empresas estatais, escolas, manipularam a educação de forma tal, que as “ocupações” contra a “PEC 241” mostraram ainda raízes do câncer comunista que foi plantado em nosso sistema educacional. 

Um monte de imbecis, úteis, fizeram, do discurso hipócrita de “defender a educação” uma imposição de minorias, com fins rasos, politiqueiros, o que, agora, para recuperar o tempo perdido, está comprometendo às férias dos professores, e da maioria de alunos que era contrária às invasões, e terá que pagar juntamente, pelo desregramento dos “esclarecidos políticos” aqueles. 

Desse modo, a imposição do anelo de minorias truculentas, à maioria, nunca é do jogo democrático, pois, as regras desse jogo normalmente contam votos, para estabelecimento da vontade majoritária no poder, não, o contrário.

Pior, alguns, sem a mínima decência, vergonha na cara, invés de reconhecer o fruto de seus treze anos de poder, acusam adversários pela crise, a que, sua corrupção e incompetência arrastou o país.

Sabemos que a corrupção é um mal que grassa entre todos os partidos, o que, dificulta que tenhamos um, que seja nosso favorito ao poder, na eleição vindoura. Muitos eleitores manifestam seu descontentamento com a classe elegendo “não políticos”; João Dória, ou, Donald Trump, como fizeram, eleitores paulistanos e americanos, respectivamente.

Entretanto, não existem não políticos, todos o somos, em determinado grau. O que existe, são pessoas que, não tendo ainda atuado diretamente na política, por alguma razão decidem faze-lo, o que não é, absolutamente, sinal que as coisas mudarão, da água pro vinho, como sonham alguns; as virgens deixam de ser, um dia, e a vida segue. Podem casar, seguir solteiras, virarem prostitutas...

Do meu mirante, constato a falência moral, espiritual do ser humano; é bem mais profundo que sistemas, ideologias, partidos, esse, ou, aquele. Onde a “matéria-prima” for o homem, com os valores atuais, haverá decepções, corrupção, mentira, falsidade... Dizem que o tempo logra verter carvão em diamante, mas, isso levaria tanto tempo, que é mais uma crença que, uma constatação científica. Nossos carvões seguirão sujando.

Projetos de lei que visam reajustar aos próprios salários, os políticos aprovam de supetão, numa sessão apenas, geralmente, a toque de caixa, às vésperas de um feriadão, para evadir-se, tanto quanto, possível, às críticas da opinião pública. Porém, se a coisa visa tolher à corrupção, como as famosas “dez medidas”, aí, uma lesma vira Usain Bolt, comparada à celeridade com que a coisa anda. Em suma, não anda.

Assim, os apaixonados políticos que saem agarrados com unhas e dentes a certas bandeiras, e, defendem determinadas vertentes, ou, de “tais águas” bebem alguma, ou, não passam de gado marcado, gente acrítica, imbecis úteis usados por manipuladores, traidores de si mesmos.


Infelizmente, a imensa maioria de nossos congressistas parece viver num lupanar disfarçados de vestais. Sempre tem um pedido de vistas, uma emenda, uma falta de quórum, de modo que, aquela casa de tolerância está mais às voltas com a própria sobrevivência, que, ocupada, como deveria, em melhor legislar pelo bem da nação. 

Oposição, só se o povo sai às ruas, no mais, cumplicidade. Cultura sem caráter não melhora o homem, antes, piora. Pelo menos, diplomas dão direito a prisão especial.

domingo, 20 de novembro de 2016

Visível vida escondida

“Porque, se em vós houver, abundarem estas coisas, não sereis ociosos nem estéreis no conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo.” II Ped 1;8

Depois de alistar certas virtudes necessárias aos cristãos, Pedro concluiu que, sem elas ficariam ociosos, estéreis no conhecimento de Jesus.

Logo, esse conhecimento, além de dar trabalho enseja a geração de filhos para Deus. Não basta que leiamos Sua história, simpatizemos com Seus ensinos, falemos bem Dele, até; se requer de quem O segue que seja imitador dos Seus passos. “Aquele que diz que está nele, deve andar como ele andou.” I Jo 2;6

Não que devamos exibir poder semelhante ao Seu, mas, integridade, empatia atuante para com o sofrimento alheio, comunhão com o Pai... O “motor” que nos impulsionaria, segundo Pedro, seria certo constrangimento amoroso, ao lembrarmos nossas maldades pretéritas purificadas pelo Salvador. Isso ensejaria gratidão, que, por sua vez, instigaria à prática das Suas Palavras. “Pois, aquele em quem não há estas coisas é cego, nada vendo ao longe, havendo-se esquecido da purificação dos seus antigos pecados.” V;9 Assim, cegueira espiritual atinge a memória, não, as retinas.

Se, uma vez perdoados nossos pecados, deles, Deus não mais se lembra, isto é, não nos imputa mais suas penalidades, nós os lembrarmos realça a grandeza do Amor Divino, que, mesmo nos vendo dignos de morte, chamou para a vida mediante Jesus Cristo.

A Função da Lei era precisamente essa: colocar nossas maldades no pódio, para que o destaque mensurasse devidamente, quanto carecemos do Salvador. “Veio, porém, a lei para que a ofensa abundasse; mas, onde o pecado abundou, superabundou a graça;” Rom 5;20

Por não ter uma função salvadora, antes, condenatória, Paulo a chamou de “Ministério da Condenação”; porém, O Amor de Deus, invés de usar a Lei para punir, propôs, em Cristo, nova relação. “De maneira que a lei nos serviu de aio, para nos conduzir a Cristo, para que pela fé fôssemos justificados.” Gál 3;24

Então, voltando, que qualidades são essas, às quais o apóstolo se referia? Vejamos: “Vós também, pondo nisto mesmo toda diligência, acrescentai à vossa fé, virtude, à virtude, ciência, à ciência, temperança, à temperança, paciência, à paciência, piedade, à piedade, amor fraternal, e ao amor fraternal, caridade.” Vs 5 a 7

Logo, se, por um lado a negligência levaria ao esquecimento da grande misericórdia recebida, por outro, a diligência na prática das Virtudes de Cristo, ensejaria à ampliação do “caminho estreito” pelo qual entramos na conversão. “Porque assim vos será amplamente concedida a entrada no reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.” V 11

Entretanto, virtudes como, amor fraternal, caridade, vão de encontro aos “valores” de uma geração egoísta, onde o indivíduo é o centro; busca seus próprios anseios a ponto de que, ser famoso, rico, parece o objetivo comum. É ensinada em muitas “igrejas” essa doença autofágica como alvo do cristianismo.

Tais pregadores lançam mão das sagas de Abraão, Isaque, Jacó, José... homens que foram prósperos, como “parâmetros” aos incautos que lhes dão ouvidos. Ora, o contexto de então, era a conquista da Terra Prometida; no Novo Testamento somos chamados ao Reino dos Céus. Tanto que, o jovem rico que se aproximou do Mestre cheio de justiça próprio ouviu que lhe faltava algo ainda; “Um tesouro no céu.”

Esse “Tesouro” se adquire na prática das virtudes aquelas, alistadas por Pedro, não, no triunfo de anseios egoístas, materiais. Nosso parâmetro é distinto: “Nada façais por contenda ou por vanglória, mas, por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo. Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas, cada qual também para o que é dos outros. De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus.” Fp 2;3 a 5

Se, amor fraterno e caridade são traços de nossa preocupação com o próximo, nosso cristianismo prático, devemos ter diligência no aprendizado também, para não sermos ociosos no conhecimento teórico, pois, como poderemos praticar a Vontade de Deus, se, a desconhecemos? 

Por isso, Deus constituiu ministros, “Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; até que todos cheguemos à unidade da fé, ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo.” Ef 4;12 e 13

Ele, se contentou com bem pouco na Terra, o suficiente para Ser Perfeito no Céu. “Pensai nas coisas que são de cima, não nas que são da Terra; porque já estais mortos, e vossa vida, escondida com Cristo em Deus.” Col 3;2 e 3 

Se, nossa vida está escondida com Cristo, o inimigo não acha, tampouco, acharão, os ensinos torpes de seus agentes transfigurados em ministros de justiça.

sábado, 19 de novembro de 2016

Sofrimento cristão tem limite?

“Então sua mulher lhe disse: Ainda reténs tua sinceridade? Amaldiçoa a Deus, e morre.” Jó 2;9

Para a esposa de Jó, a sinceridade do servo deveria ser mantida dentro de certo limite; se, Deus ousasse testá-lo além, já era. À perda dos bens e filhos, suportou, mas, da saúde também, aí já era demais.

Uma coisa que ela, nem os mercadores espirituais atuais lograram entender, é que não existe integridade parcial, condicional. Integridade, como a palavra sugere, deriva de algo inteiro, total, cabal.

Assim, quem consegue “amar a Deus de toda sua alma, coração, entendimento”, mesmo ao aguilhão de duras circunstâncias, não “desama”. Embora, não entenda os desígnios do Criador, entende que Ele é confiável, tanto quando nos abençoa, quanto, quando nos permite sofrer. Isaías versou sobre isso: “Quem há entre vós que tema ao Senhor, ouça a voz do seu servo? Quando andar em trevas, não tiver luz nenhuma, confie no nome do Senhor, firme-se sobre seu Deus.” Is 50;10

Ademais, “amor” que vige somente quando desfruta prazeres, recompensas, não passa de egoísmo envernizado. Não era dessa estirpe o de Jó, malgrado, fosse, em parte, o da esposa. Adiante, disse: “Ainda que ele me mate, nele esperarei; contudo, meus caminhos defenderei diante dele.” Cap 13;15

Seguro da fidelidade Divina, e, da própria integridade. Abalos, incompreensões, mesmo os íntegros sofrem. Pois, quando O Eterno falou, acusou-o de falar sem conhecimento, não, de falta de caráter; disse: “Quem é este que escurece o conselho com palavras sem conhecimento?” Cap 38;2

Então, nossa mente finita, limitada, não está apta a entender todas as coisas; há mais entre o Céu e a Terra, do que supõe nossa vã filosofia, como disse Shakespeare. Contudo, podemos entender o essencial; Deus nos ama. “Porque Deus amou o mundo de tal maneira...” Jo 3;16; “Deus prova seu amor para conosco, pois, Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.” Rom 5;8

Assim, não permite nenhum sofrimento a nós, que Seu bendito Amor não julgue necessário; seja pela têmpera a incutir, para queimar nossas impurezas na “fornalha da aflição”, quiçá, como colheita de algum plantio indevido, ou, mesmo, tendo em vista a bênção de outros, como no caso de Jó, cujo sofrimento inefável, é, hoje, nosso tribunal de apelação quando pensamos explicar o sofrimento dos justos.

Paro o cristianismo raso atual, o “negue a si mesmo” tem sido equacionado com certas abstinências pontuais, comerciais, em cima das quais, “determinam, decretam, exigem” a realização do “Eu” inda entronizado, disfarçado de morto, contudo, muito vivo.

Paulo também não via limite até onde pudesse preservar seu amor, antes, patenteou: “Segundo minha intensa expectação e esperança, de que em nada serei confundido; antes, com toda confiança, Cristo será, tanto agora, quanto, sempre, engrandecido no meu corpo, seja pela vida, seja pela morte. Porque para mim, viver é Cristo, e, morrer é ganho.” Fp 1;20 e 21

Finalmente, a Epístola aos Hebreus coteja a mesma “linha de chegada” como sofrimento possível, aos que correm a carreira espiritual: “Considerai, pois, aquele que suportou tais contradições dos pecadores contra si mesmo, para que não enfraqueçais, desfalecendo em vossos ânimos. Ainda não resististes até ao sangue, combatendo o pecado.” Cap 12;3 e 4

Em suma, cristianismo vero é alistamento militar, para pelejar em terra estranha. Isso requer entrega tal, que quase nos faz indiferentes às coisas da vida prática, se, temos chamada ministerial, sobretudo; “Ninguém que milita se embaraça com negócios desta vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a guerra.” II Tim 2;4

Contudo, invés da têmpera que vence olhando adiante pela fé, vemos frouxidão moral engajada. Gente que não quer deixar suas comichões devassas e sujas, pleiteando a “desconstrução dos valores judaico-cristãos” em prol da “Teologia inclusiva” onde os pecados passariam a ser definidos pelos seus gostos, não, pela “radical, ultrapassada” Palavra de Deus.

Que Deus sofra a relativização da Sua Palavra, mas, os “cristãos” não se dispõem à cruz, de maneira nenhuma. Ora, se precisamos reescrever ditos Daquele que afirmou: “Minhas Palavras não hão de passar”, de duas uma: Ou, O achamos ignorante, imperfeito, ou mentiroso. Eis, uma geração seguindo à risca o conselho da mulher de Jó: “Amaldiçoa Deus, e morre.”

Por fim, muitos que dizem que, creem na Palavra como é, sem alterações, se fizeram tais, que invés de clamarem por arrependimento, justiça, laboram por números, pelejam por lã. Se, eventualmente mencionam à saga de Jó, é para enfatizar que Deus lhe deu em dobro o que perdera, não, que se dispôs a perder a vida sem perder a integridade.

Desgraçadamente, pilantras profanos enganam ensinando a fugir de um sofrimento necessário que terá recompensa, e, conduzem a outro, eterno, que será a recompensa, dos maus.

domingo, 13 de novembro de 2016

A marca da heresia

“No qual também vós, tendo ouvido a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa. Não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual fostes selados para o dia da redenção.” Ef 1;13 e 4;30

Estudos adventistas sobre a “Marca da Besta” que estão na NET defendem que, a tal, é a observância do domingo. Seria uma contrafação do inimigo ao “Selo de Deus” que, segundo eles, é o sábado. Citam: “Ata o testemunho, sela a lei entre meus discípulos.” Is 8;16, ou: “Demais lhes dei também meus sábados, para servirem de sinal entre mim e eles; a fim de que soubessem que sou o Senhor que os santifica.” Ez 20;12 etc. Baseados nisso concluem que o sábado é o selo de Deus.

A mudança sacrifical do Velho para o Novo testamento é pacífica, todos entendem. Saímos dos sacrifícios imperfeitos, tipos proféticos, para o Perfeito Cordeiro de Deus. Contudo, a transição da Lei para a Graça ainda segue sob um véu, para muitos.

Não significa, isso, que a graça seja sem lei. Antes, que sendo a Lei, espiritual, como ensinou Paulo, e na era da Graça sendo-nos, dado, O Espírito Santo, podemos transcender à superficialidade e chegar ao seu Espírito.

Os superficiais se contentavam em não matar; o Espírito da Lei tolhe, odiar; os superficiais ensinavam não adulterar, o Espírito requer, nem desejar; etc. Assim, a graça não é sem Lei, é sem legalismo. Quanto ao sábado, O Senhor disse que é lícito fazer o bem, nele. Mal, aliás, é ilícito todos os dias.

O selo de Deus, como mostram os dois versos iniciais, é O Espírito Santo. Paulo O contrapõe à Lei, como sendo, aquela, agente da morte, Esse, da vida. “O qual, também nos capacitou para sermos ministros dum novo pacto, não da letra, mas, do espírito; porque a letra mata, mas, o espírito vivifica.” II Cor 3;6

Invés de alianças, a Lei, “Aio para nos conduzir a Cristo” trazia espada, sua ameaça realçou, sobremodo, nossa carência do Salvador. Ele sela aos que creem, com Seu Bendito Espírito Santo, que, por Sua vez, “Sela a Lei” nos entendimentos dos discípulos, promessa dada a Jeremias, reiterada em Hebreus. “Porque repreendendo-os, diz: Eis que virão dias, diz o Senhor, em que estabelecerei com a casa de Israel e com a casa de Judá um novo pacto. Não segundo o pacto que fiz com seus pais no dia em que os tomei pela mão, para tirar da terra do Egito; pois, não permaneceram naquele pacto, e, para eles não atentei, diz o Senhor. Ora, este é o pacto que farei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o Senhor; porei minhas leis no seu entendimento, em seu coração escreverei; eu serei seu Deus, e eles serão meu povo; não ensinará cada um ao seu concidadão, nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece ao Senhor; porque todos me conhecerão, desde o menor deles até o maior. Porque serei misericordioso para com suas iniquidades, de seus pecados não me lembrarei mais. Dizendo: Novo pacto, tornou antiquado o primeiro. O que se torna antiquado, envelhece, perto está de desaparecer.” Heb 8;8 a 13

Assim, os do Velho Pacto ainda têm dez mandamentos, os do Novo, pelo Espírito, condensam em dois, como ensinou O Mestre: “Respondeu-lhe Jesus: Amarás ao Senhor teu Deus de todo teu coração, toda a tua alma, e todo teu entendimento. Este é o grande e primeiro mandamento. O segundo, semelhante a este, é: Amarás teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas.” Mat 22;37 a 40
Ou, abstraídos os alvos, podemos resumir mais: “O amor não faz mal ao próximo. De modo que, amor, é o cumprimento da lei.” Rom 13;10
Segundo sua hermenêutica, a passagem de Apocalipse onde os anjos são ordenados a deterem os quatro ventos até que sejam selados os servos de Deus, significa que não haverá calamidades naturais antes que os escolhidos guardem o sábado?? O Espírito Santo vem sendo dado desde o pentecostes, e, ventos tem feito estragos concomitantemente. Então, é provável que a interpretação seja outra.

A “Estatura de Cristo” que O Espírito Santo tenta nos dar, entre outras coisas, protege contra “ventos de doutrina”.

Paulo ensinou: “Pois, todos quantos são das obras da lei estão debaixo da maldição; porque escrito está: Maldito todo aquele que não permanece em todas as coisas que estão escritas no livro da lei, para fazê-las.” Gál 3;10
“Mas, agora fomos libertos da lei, havendo morrido para aquilo em que estávamos retidos, para servirmos em novidade de espírito, não, na velhice da letra.” Rom 7;6

sábado, 12 de novembro de 2016

Filhos de Deus, ou, filhos da outra?

“... no lugar onde se dizia: Vós não sois meu povo, se dirá: Vós sois filhos do Deus vivo.” Os 1;10

Justiça Divina junto com Sua misericórdia. Oseias casara com uma prostituta por ordem do Senhor, tivera três filhos; ao terceiro deveria chamar, Lo-Ami, que significa, não meu povo, como sinal profético do juízo, por causa das suas prostituições espirituais. Assim, o que nascera da relação de um justo e uma infiel, levaria o nome da rejeição; O Senhor estava rejeitando aquele estado de coisas, julgando.

Entretanto, olhando para dias mais distantes, prometeu, que, da semente dos, então, rejeitados, faria uma porção incontável de “filhos do Deus vivo”.

A questão da filiação espiritual era insipiente ainda. Em situações de certa paz, obediência, sentiam-se povo de Deus, servos de Deus, não, algo íntimo, como, filhos de Deus.

Parece que, bastava-lhes ser da “semente santa”, “Nosso pai é Abraão. Disse-lhes Jesus: Se sois filhos de Abraão, fazei as obras dele. Mas, agora procurais matar a mim que vos falei a verdade que de Deus ouvi; isso, Abraão não fez.” Jo 8;39,40

Se, suas obras destoavam do modo de agir do ascendente famoso, mesmo assim, não se sentiam como Lo- Ami, filho de uma prostituta, antes, eram “filhos de Deus”. “...Replicaram-lhe: Nós não somos nascidos de prostituição; temos um Pai, que é Deus.” V 41

Aí, Jesus expôs sua incoerência, pois, faltava certa qualidade no DNA espiritual de seus opositores; “Respondeu-lhes Jesus: Se Deus fosse vosso Pai, vós me amaríeis, porque saí e vim de Deus; não vim de mim mesmo, Ele me enviou.” V 42

Em nossos dias não é diferente, todos sentem-se filhos de Deus, malgrado, escolham caminhos opostos à Vontade do Pai. Quantos devassos, dissolutos, adúlteros, ladrões usam dizer: “Deus é Pai, não é padrasto; também sou filho de Deus”.

Contudo, algumas coisas são necessárias se, alguém pretende ter relação de filho, com O Eterno. O Salvador ensinou: “... se, alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus... O que é nascido da carne é carne, o que é nascido do Espírito é espírito.” Jo 3;3 e 6

Como se dá o nascimento, espiritual? “A todos quantos o receberam, aos que creem no seu nome, deu-lhes poder de se tornarem filhos de Deus; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas, de Deus.” Jo 1;12 e 13

Então, a filiação requer que recebamos Jesus, o amemos, condição necessária aos pretensos filhos de Deus; e, amor, é muito mais intenso que, mero sentimento, como devaneiam alguns, envolve entrega, comprometimento, obediência. “Se, me amais, guardai meus mandamentos.”

Ou, na pior das hipóteses, ao termos falhado na obediência, que, pelo menos, sejamos maleáveis, não, refratários ante à disciplina do Senhor. “Já vos esquecestes da exortação que vos admoesta como filhos: Filho meu, não desprezes a correção do Senhor, nem desanimes quando por ele és repreendido; pois, o Senhor corrige ao que ama, açoita a todo que recebe por filho. É para disciplina que sofreis; Deus vos trata como filhos; pois, qual é o filho a quem o pai não corrija? Mas, se estais sem disciplina, da qual todos se têm tornado participantes, sois então, bastardos, não filhos.” He 12;5 a 8

Vivemos numa geração devassa, imoral, mentirosa e sem noção. O Senhor mandou às favas o “politicamente correto” e colocou o dedo na ferida dos seus oponentes: “Vós tendes por pai o Diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai; ele é homicida desde o princípio, nunca se firmou na verdade, porque nele não há verdade; quando profere mentira, fala do que lhe é próprio; porque é mentiroso, pai da mentira. Mas, porque digo a verdade, não me credes.”vs 44 e 45

O DNA espiritual não tem a ver com ácidos das células, e demais coisas, do físico, antes, orbita em torno de nosso apreço, ou, desapreço, pela verdade. Assim como O Eterno deixa patente sua rejeição aos que se dão à prostituição espiritual, também propaga Seu anelo de gerar “Filhos do Deus Vivo” mediante O Salvador.

Como filhos naturais exibem traços físicos dos pais, os renascidos hão de ter uma “fisionomia” espiritual que lembre Seu “irmão mais velho”, Jesus Cristo, a Face visível do Pai. “...que todos cheguemos à unidade da fé e pleno conhecimento do Filho de Deus, ao estado de homem feito, à medida da estatura da plenitude de Cristo;” Ef 4;13

Se O Eterno disser: “Vós não sois meu povo” nada valerá teimarmos como a turma do “não vai ter golpe”, gritos não mudam os fatos. Mas, o arrependimento, entrega, mudam o ser, o pensar, a relação, por fim, a eternidade.

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Trump, o continente está "endireitando"?

Mas, a sabedoria que vem do alto é, primeiramente, pura, depois, pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade, e sem hipocrisia.” Tg 3;17

Dentre as muitas qualidades da “Sabedoria do Alto”, me ponho a pensar sobre as duas últimas do rol; “Sem parcialidade, sem hipocrisia”. Todos os defeitos são danosos, mas, esses dois, em especial. Ora, nos muitos aspectos que abrangem a vida humana, em nenhum, as pessoas são mais parciais do que o são, na política.

Afinal, essa é feita de partidos, que, como o nome sugere, são apenas partes do todo, fragmentos pequenos, ou, em caso de bipartidarismo, como nos Estados Unidos, aproximadamente a metade do bolo. 

Vemos no, atuar dos políticos, invariavelmente, eles, pondo em relevo suas pretensas qualidades, bem como, realçando os defeitos imputados aos adversários. Notem que tanto defeitos quanto, virtudes, carecem condicionais como, pretensa, e imputados, pois, no altar da política a primeira vítima imolada é sempre a verdade, de ambos os lados. Assim, é justo a infecção da parcialidade que pede ajuda para sua irmã gêmea, a hipocrisia.

Os que veem na eleição de Trump para a Casa Branca, um acidente pontual, um tiro no pé, dado pelo eleitorado, americano, esquecem de considerar que, não foi só o presidente que venceu, mas, os republicanos fizeram ampla maioria para o Senado e para a Câmara, de modo que, explicações simplistas, nada explicam.

Os democratas, sabemos, estão no poder há oito anos, e, se após isso, receberam tal “crítica” dos cidadãos de lá, quanto mais defeitos alistarem no vasto cartel de Trump, mais incisivos ficam os erros cometidos pelos partidários de Obama, pois, preferiram aquele a esse, e sua indicada, malgrado os muitos lapsos do vencedor. Para fazer uma análise imparcial, pois, os democratas devem ter feito péssimo trabalho, o que os levou a perderem assim, para alguém, tão ruim.

Ao terem que escolher entre um machista e uma abortista, talvez, as pessoas tenham pensado no mal menor. Entre o gayzismo e o conservadorismo, uma sociedade conservadora tende a marcar sua posição, malgrado a avalanche midiática que tentou empurrar goela abaixo, a candidata mais liberal.

A mim não interessa colar em Trump virtudes que ele não possui; tampouco, defeitos em Hillary. Estou tentando, vendo de fora, fazer a análise mais imparcial possível, do que teria levado os americanos a escolher dessa forma.

Ninguém trai a si mesmo conscientemente, pode se enganar na avaliação, mas, escolhe sempre o que lhe parece melhor. Se, as “favas contadas” do “IBOPE” de lá deram outra conta, possivelmente, esses vícios da parcialidade e hipocrisia atingiram institutos de pesquisas também.

Acho estranho os que acusam Trump de racista concluírem que seu potencial eleitoral adveio de “brancos, ignorantes, acima de 45 anos, de áreas rurais”. Ora, isso reduz seu “curral eleitoral” a menos de 5%, nem no subdesenvolvido, Brasil, chagariam a tanto, e ele fez mais de 50%, portanto, nessa análise, mais traços da parcialidade e da hipocrisia. Explicações alicerçadas em preconceitos, para explicarem a vitória do preconceituoso, aí, não dá.

O fato continental é que, depois de uma guinada à esquerda da América Latina, e do Norte, pois, os democratas são a esquerda possível, por lá, depois disso, digo, a Argentina mudou, o Brasil deu mostras disso na última eleição municipal, Venezuela também, de modo que o continente vai gradativamente “endireitando” de novo, numa espécie de dialética hegeliana, onde cada período é uma “tese” social, sucedido de sua antítese.

Se, a esquerda teve sua vez e deixou a peteca cair, certamente não foi por nenhum “golpe” como bradam certos jumentos de cá, antes, porque se revelaram incompetentes, melhores de marketing, que, de trabalho. Cidadãos satisfeitos são eleitores fiéis.

No Brasil, temos o legado de 12 milhões de desempregados, e uma dívida de 170 Bilhões, fraudes e mais fraudes nos programas sociais, corrupção no superlativo. Na Venezuela o povo causa tumultos nas ruas, pois, há fome e escassez de alimentos.

Agora, malgrado a manipulação da imprensa e institutos de pesquisas, os americanos deram um sonoro basta, aos democratas. Alguém disse que sentimos nas mudanças, certo alívio, ainda que, estejamos mudando para pior; pode ser o caso nos States. Mas, o desejo de mudar, não deriva da satisfação com o “status quo”, antes, do descontentamento.


Assim, quanto mais boçal fazem o Trump parecer, mais vergonhosa a derrota dos seus adversários. Pois, uma coisa seria Grêmio, ou, Inter perderem um Grenal, derrota para adversário de grandeza similar; outra, ser derrotado por um timeco qualquer, da terceira divisão. Urge, pois, que os democratas reconheçam algum defeito em seu legado, quiçá, qualidade no adversário, ou, concluam que, não obstante sua estirpe puro sangue, foram humilhados por um pangaré.

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Falsa liberdade

“Se, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.” Jo 8;36

Quando O Senhor enfatiza, “verdadeiramente”, está aludindo à falsa sensação de liberdade, que, no contexto, referia-se a ser escravo do pecado. Dissera: “...todo aquele que comete pecado é escravo do pecado.” V 34 Contudo, seus ouvintes presumiam-se, livres. “Somos descendentes de Abraão, nunca fomos escravos de ninguém...”

Eis, a primeira vítima do escravo do pecado, a honestidade. A descendência de Abraão fora presa quatrocentos anos, no Egito, pontualmente, viveram cativeiros sob assírios, midianitas, mais tarde, setenta anos, submeteram-se ao domínio babilônico-medo-persa, e, naquele momento que altercavam com o Senhor, estavam debaixo do jugo romano, entretanto, diziam, “nunca fomos escravos de ninguém.”
Sendo a constituição humana, tal qual, é, corpo, alma e espírito, o verdadeiramente livre, há de sê-lo, em todos os aspectos do ser. A rigor, os corpos são livres, relativamente, enquanto, almas estão presas em suas dependências; o espírito, sem o novo nascimento, está morto.

Nicodemos, o príncipe, foi ter de noite com Jesus, porque era prisioneiro dos constrangimentos religiosos; o jovem rico voltou as costas, quando tocado seu “Tendão de Aquiles” o amor ao dinheiro. Antes, O Salvador manifestara as algemas da hipocrisia dos que queriam apedrejar à mulher adúltera estando cheios de pecados também. Enfim, nossas prisões são multifacetadas, embora, se possa, como fez O Senhor, sintetizar em poucas palavras: “Escravos do pecado”.

O problema que acentua a dificuldade de libertar tais, é que eles gostam da sua servidão; o pecado dá prazer nos dias do seu viço. Seus praticantes são cegados de modo a crer que seus deleites eventuais são frutos, quando, na verdade, são ilusões durante uma época de semeadura.

“Porque, quando éreis servos do pecado, estáveis livres em relação à justiça. Que fruto tínheis então, das coisas de que agora vos envergonhais? Pois, o fim delas é a morte. Mas, agora, libertos do pecado, feitos servos de Deus, tendes vosso fruto para santificação, por fim, vida eterna. Porque o salário do pecado é a morte, mas, o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor.” Rom 6;20 a 23

Vemos que ele não cogitou de frutos eventuais, durante o “plantio”, mas, acentuou seu fim, morte. Noutra parte ampliou: “Não vos enganeis; Deus não se deixa escarnecer; tudo que o homem semear, também ceifará. Porque, quem semeia na sua carne, da carne ceifará corrupção; mas, quem semeia no Espírito, do Espírito ceifará vida eterna.” Gál 6;7 e 8

O risco é o engano; o prazer imediato alienado de Deus, equivale a semear na carne, cujo fim, é a corrupção, a perdição; andar segundo Deus e Sua Palavra iguala-se a andar em Espírito, o “sine qua non” para desfrute da vida eterna. Por isso, O Salvador equacionou a verdadeira liberdade à permanência em Sua Palavra, à obediência, disse: “...Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sois meus discípulos; conhecereis a verdade, a verdade vos libertará.” J 8;31 e 32

Isaías, antevendo o ministério do Senhor, descreveu da seguinte forma: “O Espírito do Senhor Deus está sobre mim, porque o Senhor me ungiu para pregar boas-novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, proclamar liberdade aos cativos, e abertura de prisão aos presos;” Is 61;1

Dois tipos de detentos como alvo; presos, e cativos. Sabemos que, os primeiros são restringidos da liberdade dentro de determinado espaço onde são relativamente, livres, as celas, o pátio; os cativos, são presos dentro da prisão, como Paulo e Silas, em Filipos.

Assim somos, os pecadores. Uns, apenas presos ao pecado acostumados, afeitos às práticas que, mesmo dando eventual prazer, são feitoras da morte eterna; outros, cativos, presos dentro da prisão, dependentes de vícios, que já não podem sair sem ajuda de outrem, tal o estreitamento e limitação de movimentos, na “solitária” onde foram jogados pelo carcereiro mor, o príncipe desse mundo.

Se, os judeus, com todo seu histórico de cativeiros “podiam” dizer, “Nunca fomos escravos de ninguém”, natural que, os pecadores também acreditem-se livres, capazes de se conduzirem bem com seus próprios meios. Outro dia, a jornalista aquela que assumiu ser lésbica, disse: “Sou lésbica sim, mas, Deus está comigo.” Não é mais a Palavra de Deus que diz o que Ele aprova, antes, cada um, segundo suas conveniências.

Contudo, segundo O Senhor, os verdadeiramente livres permanecem na Sua Palavra. Essa, abona tudo o que está escrito, na Lei, nos Salmos e nos Profetas, não deixa espaço para inserções, omissões, e mais, promete Seu Espírito apenas, aos que, “Crerem em mim, como dizem as Escrituras.” 

As almas livres, tomam, por amor, o jugo de Jesus, e se fazem, Dele, servas. As demais, ainda são escravas do pecado, mesmo que tenham asas.

domingo, 6 de novembro de 2016

O "Poder" da oração

“Rogo-vos, irmãos, por nosso Senhor Jesus Cristo e pelo amor do Espírito, que combatais comigo nas vossas orações por mim a Deus; para que seja livre dos rebeldes da Judéia, e que minha administração, que em Jerusalém faço, seja bem aceita pelos santos; para que, pela vontade de Deus, chegue a vós com alegria, possa recrear-me convosco.” Rom 15;30 a 32

Muito pode ser dito sobre esse fragmento da carta de Paulo, porém, quero deter-me sobre um aspecto: “Combatais comigo nas vossas orações... pela Vontade de Deus.” Uma pergunta é necessária em virtude disso: Se, Deus é Todo Poderoso, tem uma vontade formada sobre as coisas, por que devo, ainda, orar pedindo isso?

Ocorrem-me, três razões; a) sedimentar minha dependência Dele; b) exercitar minha confiança no Amor Divino; c) identificar-me com Seu Santo propósito, aprendendo amar o que O Eterno ama. Sendo seres arbitrários, quais, somos, que outra forma melhor de firmarmos nossas escolhas, que, orando?

Amiúde, escolher a Vontade de Deus requer negação da minha, natural, pelo menos. Sem isso, minhas orações, por fervorosas que pareçam, não passam de manifestações egoístas, carnais; têm tudo para dar em nada. O mesmo Paulo ensinou: “Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis vossos corpos em sacrifício vivo, santo, agradável a Deus, que é vosso culto racional. Não vos conformeis com este mundo, mas, transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual, a boa, agradável, perfeita vontade de Deus.” Rom 12;1 e 2

A “Razão” do Espírito, pois, requer sacrifício da natureza caída, o que enseja um andar desalinhado aos valores do mundo, possível, apenas, à aquisição de nova mentalidade, renovado propósito, consorciado ao querer Divino.

Quando, mediante Isaías, Deus propõe para conversão, uma nova mentalidade, enfatiza Sua Grandeza em perdoar, pois, nosso antigo modo de pensar, é pecaminoso, requer arrependimento, perdão. “Deixe o ímpio seu caminho, o homem maligno seus pensamentos, se converta ao Senhor, que se compadecerá dele; torne para o nosso Deus, porque grandioso é em perdoar.” Is 55;7

Desse modo, diverso do que muitos “mestres” fazem parecer, invés de lutarmos em oração até que Deus nos dê o que querermos, devemos orar, para que, sejamos livres de nossas tendências pecaminosas, que ofuscam-nos de ver, que o que Deus Quer para nós, é melhor; muito acima das nossas mais “profundas” orações. “Porque assim como os céus são mais altos que a terra, são os meus caminhos mais altos do que os vossos, e, meus pensamentos mais altos que os vossos.” Is 55;9

Assim, nosso “livre arbítrio” não é tão amplo como gostaria a natureza pós queda. Restringe-se a escolher “andar em Espírito”, segundo Deus, ou, na carne, associados ao maligno que conhece e tripudia das suas fraquezas. Não existe “terceira via”; como na eleição americana; pode-se votar na Hillary, ou, no Trump apenas. Quem decidir alienar-se do processo, será governado por um, ou, outro, necessariamente. “Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou, do pecado para a morte, ou, da obediência para justiça?” Rom 6;16

A maioria das nossas orações, requer como resposta um não! de Deus, são momentos em que se cala, e, somos incentivados pelo Espírito Santo, a repensar nossos alvos. Fé hígida, invés de supor-se uma força que instigará Deus a fazer o que quer, é, antes, confiança inabalável na Sabedoria e Bondade Divinas, de modo que, sei, que, mesmo não recebendo nada do que desejo, estarei recebendo exatamente o que preciso, pois, Deus me ama, cuida de mim.

Enfim, é vital que conheçamos a Vontade Divina expressa em Sua Palavra, para que, de acordo com ela, façamos nossas orações. Independência espiritual foi um comício da oposição; falso, pois, ao instigar o homem a quebrar sua dependência de Deus, o inimigo o colocou sob dependência sua; ser, desprovido de qualquer virtude, que desconhece a misericórdia.

Sem essa de idolatrar ao “poder da oração”; Elias fez parar de chover por três anos e meio, pois, sabia ser o Propósito Divino; Deus estava julgando um reino apóstata e idólatra. Noutro contexto, não seria ouvido. Assim, a “oração feita por um justo pode muito nos seus efeitos”, porque, os “justos” se deixam transformar segundo a “Mente de Cristo” para conhecerem o Coração do Pai. Tampouco, “poder da fé”; essa, é, antes, um laço afetivo que nos faz agradáveis a Quem possui todo poder. “Sem fé é impossível agradar a Deus...” Heb 11;6

Quando a longanimidade Divina se gasta e Ele decide julgar, oração nenhuma, pode mudar isso. “Tu, pois, não ores por este povo, nem levantes por ele clamor ou oração, nem me supliques, porque eu não te ouvirei.” Jr 7;16

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Escudos humanos

Coro de vergonha alheia quando vejo pessoas que deveriam ter neurônios, elogiando embasbacadas à “visão política” da petralhinha títere, por nome de Ana Júlia, que falou um monte de besteiras na Assembleia Legislativa do Paraná.

Vou pinçar as mais estúpidas. Disse: “Temos o direito de ocupar, porque a escola é nossa.” Nossa, de quem? Dos alunos? Quais? Os dez por cento, truculentos, que ocupam usando a educação como pretexto para seu “Fora Temer”?

Escola é um bem público, portanto, de todos. Dos demais alunos, contrários ao sequestro, dos seus pais, e, de todos os cidadãos pagadores de impostos, mais que, dos estudantes que usufruem algo pelo qual, nada pagaram ainda, sua vida de pagadores de impostos ainda nem começou, deveras.

Segundo a “filósofa” da alfafa, os demais devem acatar as decisões do “coletivo”, no caso, a horda minoritária de truculentos que se impõe aos demais. Totalitarismo intelectual; os canhotos “pensam” os demais, obedecem, essa é a “democracia” que conhecem.

Defendeu ainda partidos na escola, sem os quais, faltaria senso crítico, segundo ela. Ora, para eles, os canhotos, é ético usar um espaço de todos, para promoção de interesses peculiares de poucos, pois, ou o sujeito é de esquerda, ou, não tem senso crítico, uma faceta mais, do totalitarismo ideológico que ruminam.

Uma vez discuti com uma besta dessas, e ao me posicionar contra a esquerda o imbecil começou a recitar “O Analfabeto Político” de Bertholt Brecht; para ele, pois, ou o sujeito é canhoto, ou, analfabeto; seu “alfabetismo” porém, era apenas vomitar ideias alheias e genéricas, que podem servir a qualquer viés ideológico, mas, o analfabeto era eu, claro!

Pelo que foi soprado, através da adolescente, fantoche, é essa a ideia deles, de senso crítico; se opor a tudo e a todos que não rezem por suas idiossincrasias.

Ora, Crítica, segundo entendidos deriva do grego Kritikos, e significa capacidade para fazer julgamentos, do verbo Krinei, separar, decidir, julgar. O que a esquerdalha faz nos colégios é lavagem cerebral, nada mais.

Formar cidadãos com senso crítico, demanda ensinar todas as alternativas políticas, sua origem, história, e deixar que cada um decida livremente, segundo sua consciência. Entretanto, para eles, ou, estão no poder, ou, estão boicotando-o.

Sua ideia de oposição não é um pensar diferente e lutar democraticamente por isso; antes, impedir ao diferente de governar. Suportamos treze anos de PT no poder, com Mensalão e tudo, eles não suportam três meses de Temer, que era seu vice.

Pergunte esses ases do “senso crítico” em que consiste a PEC 241, e 90% sequer sabe do que se trata. Uma coisa tão óbvia, que sequer careceria de ser lei para ser seguida, a restrição de que se gaste mais que se arrecada. Tivesse o governo do PT seguido isso, e não teria caído.

Por fim, disse que os deputados estaduais estavam “com as mãos sujas de sangue,” porque um jovem dos “ocupantes” foi morto por outro num ambiente onde o “coletivo” não permitia a entrada de ninguém, exceto, políticos identificados com eles, na verdade, os ventríloquos das ideias “dos estudantes.”

Mesmo, a corrupção superlativa que patrocinaram no país, sendo causa de milhares de mortes, graças à deficiência na saúde, conservação de estradas, etc. nenhum deles tem mãos sujas de sangue; aliás, Che Guevara homem de milhares de fuzilamentos de opositores, por razões meramente políticas, também tem as “mãos limpas”, afinal, é de esquerda. 

Esse é o “senso crítico” dessa escória moral; só os diferentes derramam sangue, mesmo não tendo nada a ver, como se deu em Curitiba; eles, no máximo, lutam por um mundo melhor, mesmo que, para isso, fuzilem inocentes. Que nojo tenho da desonestidade intelectual!

Pobre menina, todo um futuro, e todo um cérebro, ambos intocados ainda, mas, está sendo induzida a sacrificar ambos, pior, admirada e aplaudida por muitos, quando, infelizmente, é digna de pena.

Cansei de gritar que a coisa não é ideológica, mas, criminal; safados, corruptos, lobotomizam inocentes úteis e usam como escudos humanos para valhacouto de ladrões. 

Gente que nada sabe do que, realmente interessa, ainda, incapazes para uma redação decente de vinte linhas, já quer ser protagonista de um novo país; tiveram treze anos para mostrar o que sabem, e deu nisso.

Um esquerdista da gema que respeito, Pepe Mujica disse: “Política não é lugar para ficar rico; quem o deseja, entre para o comércio, a indústria, não é pecado; política, é para servir o povo.” Entrou e saiu pobre do governo do Uruguay.

Olhem as fortunas do Dirceu, Palocci, Lula e família, e vejam se são mesmo “socialistas” ou, apenas safados manipuladores de incautos para proveito próprio. 

“A estupidez tem de terrível o poder assemelhar-se à mais profunda das sabedorias.” Valéry Larbaud