Google+ Badge

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

A volta dos que não foram, obedientes

“Tu, Esdras, conforme a sabedoria do teu Deus, que possuis, nomeia magistrados, juízes, que julguem o povo que está dalém do rio; todos, que saibam as leis do teu Deus; ao que não as sabe, ensinarás.” Ed 7;25

O fim do cativeiro hebreu. Artaxerxes, rei da Pérsia, enviava ao sacerdote Esdras de volta a Jerusalém, com ouro, os utensílios do Templo restituídos, e o concurso de todos hebreus, que, junto decidiram voltar.

A ordem era para que nomeasse juízes dentre os que sabiam a Lei de Deus, ou, dos que se dispusessem a aprendê-la. Tal consideração pela Lei, vinda de um rei gentio, quando, os próprios judeus amargaram setenta anos de cativeiro por não cumpri-la, dá o que pensar. Chega a ser irônico.

Quantas vezes vivemos, ou, vivenciamos, crentes dando maus passos e sendo corrigidos por ímpios? Mesmo aqueles que não querem a Luz de Deus para si, conhecem parte do seu fulgor.

Assemelha-se a certos presídios onde, os presos podem aprender uma profissão, e, ao saírem, fazer uso do aprendido para a devida ressocialização, para que não sejam presos novamente. Noutras palavras, se foram cativos pelo descaso com a Lei, aprendessem, enfim, que servir a Deus em Seus termos é muito mais brando e agradável que servir aos homens em terra estranha. Lá, sequer cantar louvores apetecia, como testificaram: “Aqueles que nos levaram cativos nos pediam uma canção; os que nos destruíram, que os alegrássemos, dizendo: Cantai-nos uma das canções de Sião. Como cantaremos a canção do Senhor em terra estranha? Sal 137;3 e 4

Assim, além de reconstruir o templo e restaurar o culto, todas as leis nacionais deveriam derivar da Lei do Senhor. A vasta tarefa de Esdras.

Líderes devem viver segundo Divinos preceitos, antes de ensinarem ao povo. Isaías apresentou nuances de catástrofes globais, depois de denunciar que, os governantes eram de “calibre” inferior. “A terra pranteia e murcha; o mundo enfraquece e murcha; enfraquecem os mais altos do povo da terra. Na verdade a terra está contaminada por causa dos seus moradores; porquanto têm transgredido as leis, mudado os estatutos, e quebrado a aliança eterna. Por isso a maldição consome a terra; os que habitam nela são desolados; são queimados os moradores da terra, poucos homens restam.” Is 24;4 a 6

A prescrição de zelo com a Lei, certamente, era inspiração Divina, dado que, oriunda de um rei gentio. Tal providência encaixa perfeitamente com o Preceito legado mediante Malaquias: “Porque os lábios do sacerdote devem guardar o conhecimento, da sua boca devem os homens buscar a lei porque ele é mensageiro do Senhor dos Exércitos.” Ml 2;7

Então, se até gente periférica ao povo de Deus reconhece a excelência da Lei, como pretendem alguns, “teólogos” liberais flexibilizar ao que é Absoluto? Ora, “modernizar” doutrinariamente à igreja para não colidir com o mundo, pode até fomentar certo inchaço eventual, que, incautos confundem com crescimento, mas, no fundo, é apenas guardar créditos para novo cativeiro, agora, eterno.

O “segundo Êxodo” foi cantado num hino, comparado a um duro plantio, cuja ceifa, trouxe alegria, vejamos: “Quando o Senhor trouxe do cativeiro os que voltaram a Sião, estávamos como os que sonham. Então, nossa boca se encheu de riso e nossa língua, de cântico; então se dizia entre os gentios: Grandes coisas fez o Senhor a estes. Grandes coisas fez o Senhor por nós, pelas quais estamos alegres. Traze-nos outra vez, ó Senhor, do cativeiro, como as correntes do sul. Os que semeiam em lágrimas segarão com alegria. Aquele que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará, sem dúvida, com alegria, trazendo consigo seus molhos.” Sal 126

Os mesmos que recusaram a cantar “Cânticos do Senhor em terra estranha”, agora, sua boca se encheu de riso, a língua de cântico.

A alegria espiritual de quem estava, outra vez, próximo a Deus. No êxodo do Egito receberam a Lei do Senhor na base do Sinai. Nela não perseveraram e foram entregues a nova opressão. Agora, devidamente disciplinados pela dor, retornavam, com a missão de reencontrarem a Lei do Altíssimo, e nela embasarem o seu modo de vida.


Assim, ninguém está apto para ensinar a Lei do Senhor a outrem, antes de aplica-la a si. Esdras foi escolhido por Deus, e reconhecido até por estranhos, porque levava isso a sério em sua vida. “Porque Esdras tinha preparado o seu coração para buscar a lei do Senhor, para cumpri-la e para ensinar em Israel os seus estatutos e os seus juízos.” Ed 7;10 

terça-feira, 30 de agosto de 2016

"Lei da Palmada", espiritual

“Não retires a disciplina da criança; pois, se a fustigares com vara, nem por isso morrerá. Tu a fustigarás e livrarás sua alma do inferno.” Prov 23;13 e 14

Para Deus esse protecionismo excessivo, estilo “Lei da Palmada”, onde os pais são proibidos de corrigirem como lhes apraz aos seus filhos, não vinga. Antes, ordena a disciplina, para que, o bem maior, a vida, seja preservado. 

As leis humanas são, muitas vezes, casuísticas, genéricas, nivelando coisas que não estão, absolutamente, em nível. Por exemplo, um pai ou mãe totalmente desnaturados que cometem barbáries contra filhos indefesos, existe isso, infelizmente, invés de dar azo a que se puna devidamente aos tais, seus tristes exemplos são usados para criar essas leis que vetam qualquer sorte de punição física, mesmo de pais centrados que, só o fazem quando absolutamente necessário, e inda assim, sem exageros.

Então, o pai cioso, disciplinador, é nivelado ao desequilibrado, bestial. Esse carece a tutela do Estado, aquele, não. Antes de mais nada cabe considerar que, o Estado é produto da sociedade, que, por sua vez, o é, das famílias. Ele deriva das famílias, não, as famílias do Estado.

A disciplina nunca é bem vista, pois, essa desmancha prazeres se opõe às inclinações naturais, e, aqueles que sentem-se deuses não toleram muito bem a oposição. “Porque a inclinação da carne é morte; mas, a inclinação do Espírito é vida e paz. Porquanto a inclinação da carne é inimizade contra Deus, não é sujeita à Sua Lei, nem, em verdade, pode ser.” Rom 8;6 e 7

Sendo a inclinação natural à morte, toda disciplina que visa livrar disso, é um gesto de amor, uma imposição pela preservação da vida. Quem é filho de Deus, uma ínfima minoria, infelizmente, sabe, que, Ele disciplina. “Porque o Senhor corrige o que ama, açoita a qualquer que recebe por filho... tivemos nossos pais segundo a carne, para nos corrigirem, e os reverenciamos; não nos sujeitaremos muito mais, ao Pai dos espíritos, para vivermos?” Heb 12;6 e 9

Sabe, quem passou pela disciplina, que, mesmo Deus Sendo Espírito, muitas vezes toca no físico, quando anela nos corrigir. Sempre nos chama ao Seu Conselho; se, isso não bastar para moldar nossa caminhada, apela ao “cabresto”. “Instruir-te-ei, ensinar-te-ei o caminho que deves seguir; guiar-te-ei com meus olhos. Não sejais como o cavalo, nem a mula, que não têm entendimento, cuja boca precisa de cabresto e freio para que não se cheguem a ti.” Sal 32;8 e 9

A Cruz de Cristo, no fundo, é auto disciplina que nos aplicamos, ajudados pelo Espírito Santo, para que, nossa má inclinação não prevaleça. Ela, devidamente vivida é chamada de “andar em espírito”, única forma, aliás, de escaparmos da condenação. “Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas, segundo o Espírito. Porque a lei do Espírito de vida em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte.” Rom 8;1 e 2

O homem prudente, pois, disciplina-se, para não precisar ser disciplinado. “Porque, se nós julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados.” I Cor 11;31 Um pouco antes, Paulo dissera como a coisa se dava com ele: “Todo aquele que luta de tudo se abstém; eles fazem para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, uma incorruptível. Pois, eu assim corro, não como a coisa incerta; combato, não, como batendo no ar. Antes, subjugo o meu corpo, o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado.” Cap 9;25 a 27

Nesses tempos difíceis, onde as pessoas querem ser agradadas invés de corrigidas, mensageiros que ainda forem fiéis à Palavra de Deus como ela é, tendem a ter cada vez menos ouvintes. E, os que julgam o sucesso pelo volume invés da qualidade, a amontoarem-se sob esses “doutores” que se fazem animadores de mortos, invés de mensageiros da ressurreição. “Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas. Mas, tu, sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério.” II Tim 4;3 a 5

Paulo propõe sobriedade como antídoto aos tais, o que, implicitamente os põe como embriagados. E, como corrigir a um bêbado? “Como o espinho que entra na mão do bêbado, assim é o provérbio na boca dos tolos.” Prov 26;9


Resulta inútil a disciplina aos tolos, por isso, Salomão propõe que se mire outros alvos. “Não repreendas o escarnecedor, para que não te odeie; repreende o sábio, e ele te amará.” Prov 9;8

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

O "Racismo" Divino

Não semearás a tua vinha com diferentes espécies de semente, para que não se degenere o fruto da semente que semeares, a novidade da vinha” Dt 22;9

Embora a “semente” da vinha seja, usualmente, uma rama, da qual se faz  nova muda, o que temos acima é a prescrição da pureza, da não miscigenação de espécies para preservação dos frutos.

Se, no aspecto humano, a mistura racial é positiva, amalgamando culturas, gostos, na igualdade dos diversos, nas coisas da natureza a mescla foi vetada por Deus, sob pena da degeneração. 

Porém, objetaria alguém, os Hebreus eram racistas também, uma vez que, deveriam casar seus filhos apenas entre irmãos de sangue, não com gentios. Talvez.

Qualquer intérprete honesto que ler as Escrituras verá que a coisa não era bem assim. O veto tinha um cuidado espiritual, não, racial. “Nem te aparentarás com elas; não darás tuas filhas a seus filhos, não tomarás suas filhas para teus filhos; Pois, fariam desviar teus filhos de mim, para que servissem a outros deuses; a ira do Senhor se acenderia contra vós, depressa vos consumiria.” Dt 7;3 e 4

Então, o “racismo” hebraico visava a preservação da relação com O Todo Poderoso, evitando a influência espiritual de povos que tinham seus cultos a deuses alternativos de sua própria feitura. Tanto é assim, que, estrangeiros como, Raabe, Rute, Urias, etc. mesclaram-se ao povo judeu sem problema algum. Um exemplo negativo da mescla, porém, foi Jezabel, que, trouxe consigo o culto a Baal, quando casou-se com o pusilânime, Acabe. Era isso que O Eterno vetava.

Ademais, nunca O Altíssimo se apresentou como “propriedade” exclusiva dos hebreus, antes, desejou que eles fossem um povo diferente, para servir de testemunhas a todos os povos, sobre o Caráter Santíssimo do Eterno. “Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, então, sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos, porque toda a terra é minha. Vós me sereis um reino sacerdotal e povo santo...” Êx 19;5 e 6

Ora, sacerdotes servem de mediadores entre Deus e homens; se, Israel fora vocacionado a ser Reino Sacerdotal, tencionava, O Eterno, que fosse um meio de reconciliar consigo todos os povos, não se tratava de um deus tribal, como acusam alguns. Aliás, quando da chamada de Abrão, patenteou Seu cuidado universal. “Abençoarei os que te abençoarem, amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; em ti serão benditas todas as famílias da terra.” Gên 12;3

Entretanto, a “vinha” que deveria ter preservado sua pureza ao longo da história passou mui longe disso. “Trouxeste uma vinha do Egito; lançaste fora os gentios, e a plantaste. Preparaste-lhe lugar, e fizeste com que ela deitasse raízes, e encheu a terra.” Sal 80;8 e 9 “Agora, pois, ó moradores de Jerusalém, homens de Judá, julgai, vos peço, entre mim e a minha vinha. Que mais se podia fazer à minha vinha, que eu lhe não tenha feito? Por que, esperando eu que desse uvas boas, veio a dar uvas bravas?” Is 5;3 e 4

Eis as consequências de não se ter dado ouvidos a Deus! A degeneração, a produção de “uvas bravas”. Não precisamos pensar muito para sabermos que não se trata de uvas, estritamente, mas, de uma alegoria para os frutos espirituais, produzidos pelo povo escolhido. Isaías interpreta sua alegoria: “Porque a vinha do Senhor dos Exércitos é a casa de Israel, os homens de Judá são a planta das suas delícias; esperou que exercesse juízo, eis aqui opressão; justiça, eis aqui, clamor.” Is 5;7

Assim, a vinha, outrora pura, tornou-se degenerada, incapaz de produzir os frutos ansiados por Deus, falsa. O povo que deveria introduzir Deus entre outros povos, tornou-se tal, que, para Deus, feito homem, caminhar entre eles enviou diante de si um precursor para “limpar” um pouco, dizendo: “Preparai o caminho do Senhor.”

A falha da primeira videira não significou o fracasso de Deus, antes, o absoluto fracasso humano, pois, mesmo O Eterno se dispondo a andar conosco, somos rebeldes, desobedientes, falhos. Videira se planta na Terra, e não havia “muda” que não fosse degenerada, falsa; o Plantador proveu do Céu, uma, impoluta, Jesus Cristo: “Eu sou a videira verdadeira, meu Pai é o lavrador.” Jo 15;1

Embora muitos tentem “enxertar” em Cristo filosofias humanas, doutrinas espúrias, para O “Lavrador”, somente a Pureza de Cristo é aceitável, o demais, não passa de ramo sem frutos que arderá no fogo.


Enfim, misturem-se humanos de todas as raças, mas, nenhuma doutrina humana, à pureza da Bendita Palavra de Deus. “Toda a Palavra de Deus é pura; escudo é para os que confiam nele. Nada acrescentes às suas palavras, para que não te repreenda, sejas achado mentiroso.” Prov 30;5 e 6

domingo, 28 de agosto de 2016

"Contradições" de Jesus

“Jesus, conhecendo que a virtude de si mesmo saíra, voltou-se para a multidão, e disse: Quem tocou minhas vestes?” Mc 5;30
“Não permitiu que alguém o seguisse, a não ser, Pedro, Tiago, e João, irmão de Tiago... Entrando, disse-lhes: Por que vos alvoroçais e chorais? A menina não está morta, mas, dorme. Riam-se dele...” Mc 5;37, 39 e 40

Temos partes de dois eventos “contraditórios” de Jesus. O primeiro, a cura em oculto da mulher que padecia fluxo de sangue, e O tocou furtivamente, sarando imediatamente. O Senhor poderia ter deixado assim, poupado a mulher de constrangimentos, mas, fez com que se revelasse. “Quem me tocou?” Depois que ela assumiu o feito e a causa, despediu-a, em paz.

Entretanto, no evento seguinte, a ressurreição da filha de Jairo, não se importou de parecer ridículo, para que, Seu milagre ficasse oculto. Primeiro, selecionou três testemunhas além dos pais: Pedro, Tiago e João; aos demais, disse que ficassem distante. Depois, disse à turba que pranteava que seu pranto não fazia sentido, afinal, a menina estava apenas dormindo. A galera vendo que Ele “não sabia de nada”, escarneceu, rindo do Senhor.

Depois de operar maravilhosamente, foi categórico na ordem para que se mantivesse sigilo: “Mandou-lhes expressamente que ninguém soubesse; e disse que lhe dessem de comer.” V 43

Como não revelou a causa dessa diferença de atitudes, nos resta especularmos; quem sabe, algum texto paralelo nos ajude a entender Seus motivos. Quem se importa de sofrer eventual constrangimento, se, em troca for liberto de uma prisão de mais de uma década? A mulher curada saiu de ante O Salvador, feliz, agradecida, invés de, envergonhada.

Quantos milhares de sermões sua bênção revelada propiciou? Quiçá, serviu de alento a muitos enfermos também. Se a coisa tivesse se mantido oculta, tudo isso se perderia. O Senhor, parcimonioso, que ordenou que se recolhesse sobras para que nada se perdesse quando multiplicou pães e peixes, não seria perdulário com algo de maior monta.

Entretanto, por esse mesmo raciocínio, um milagre mais expressivo que a cura, a ressurreição, seria ainda muito mais impactante; quais os motivos do Senhor para esconder isso? 

Os marqueteiros da vez, que dão microfones para testemunhos de “curas” de dores nas costas com a “Oração Poderosa” do Missionário tal, não perderiam uma chance dessas, para mostrar que “a mão de Deus está aqui”, como diria aqueloutro. O Mestre, porém, “rasgou dinheiro”, ordenou sigilo.

Uma coisa que as Escrituras mostram claramente é que O Senhor é mui cioso do tempo. Avisa d’antemão, apraza eventos e cumpre, rigorosamente, como no extraordinário “calendário” das setenta semanas, dado a Daniel. Paulo disse: “Vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho...” Gál 4;4 Mais de uma vez O Salvador disse: “Ainda não é chegada a hora”, ciente que Seus atos tinham uma “agenda” profética que se importava em cumprir.

Contudo, o que tem a publicidade de um grande milagre do Senhor, com o tempo? Boa pergunta. Acontece que, Ele tinha forte oposição do “establishment” religioso, que, milagres de menor relevância tolerava; eventual exorcismo atribuíam a Belzebu, mas, a ressurreição, aí, seria demais.

Quando chegou o Seu tempo, o Senhor não se importou mais com sigilo, antes, “escancarou.” Não foi ao leito “despertar” uma menina, antes, esperou quatro dias quando chamado a socorrer Lázaro.

Orando ante o túmulo do falecido agradeceu a Deus por tê-lo ouvido; classificou a morte do amigo como resposta às suas orações, pois, queria que todos vissem quem Era. “Bem sei que sempre me ouves, mas, eu disse isto por causa da multidão que está em redor, para que creiam que tu me enviaste... - ressuscitado o morto - Muitos, pois, dentre os judeus que tinham vindo a Maria, que tinham visto o que Jesus fizera, creram nele.” Jo 11; 42 e 45

Aí, a consequência que Ele sabia “necessária” presto, surgiu: “Caifás, um deles, que era sumo sacerdote naquele ano, lhes disse: Vós nada sabeis... convém que um homem morra pelo povo, que não pereça toda a nação. Desde aquele dia, pois, consultavam-se para o matarem.” Vs 49, 50 e 53

Assim, quando O Senhor nos diz para que não façamos algo, par mais lógico e producente que pareça, ouçamos. “Porque os meus pensamentos não são os vossos, nem, vossos caminhos, os meus, diz o Senhor.” Is 55;8 Mesmo um homem “reto, temente a Deus que se desvia do mal,” como foi Jó, se ousar questionar as ações Divinas, no fim, será apenas um que, “encobre o conselho com palavras sem entendimento.”


Esse raciocínio sadio acaba com qualquer “liberalidade teológica” que ousa contra A Palavra de Deus. Veta acréscimos e omissões, e já agendou o dia que recompensará quem ousar fazer isso. 

sábado, 27 de agosto de 2016

Tempo não é dinheiro

“Até a cegonha no céu conhece seus tempos determinados; a rola, o grou e a andorinha observam o tempo da sua arribação; mas, o meu povo não conhece o juízo do Senhor.” Jr 8;7

Humilhante cenário pinta o profeta, onde, os animais são postos como conhecedores do tempo, e, os humanos, ignorantes. Enquanto dispunham de tempo estribaram-se na falsidade, nos ensinos de gente que se opunha a Deus: “Como, pois, dizeis: Nós somos sábios, a lei do Senhor está conosco? Eis que em vão tem trabalhado a falsa pena dos escribas. Os sábios são envergonhados, espantados e presos; rejeitaram a palavra do Senhor; que sabedoria, pois, têm eles?” vs 8 e 9

Interessante que, a maldade expressa naqueles dias se repete. “O Senhor está conosco,” diziam, contudo, rejeitavam Sua Palavra. Quantos, em nossos dias bradam: “Também sou filho de Deus”, contudo, tente-se corrigir aos tais com base nas Escrituras, presto ouviremos coisas do tipo: “Não julgues”, “não apontes ninguém”, “devagar que esse fanatismo de basear tudo na Bíblia deixa louco,” etc. O Senhor está com eles, dizem, porém, como aqueloutros, também rejeitam Sua Palavra.

Ora, a Bíblia é já o Julgamento de Deus, não haverá sentenças surpreendentes, apenas, surpresas pelo fim do logro da aparência, daqueles que parecem ser uma coisa e são outra. O Salvador ensinou: “Quem me rejeitar, não receber minhas palavras, já tem quem o julgue; a palavra que tenho pregado, essa o há de julgar no último dia. Porque eu não tenho falado de mim mesmo; mas, o Pai, que me enviou me deu mandamento sobre o que hei de dizer, sobre o que hei de falar. Sei que o seu mandamento é a vida eterna. Portanto, o que eu falo, falo-o como o Pai me tem dito.” Jo 12;48 a 50

Então, embora o labor principal da Palavra de Deus seja para que se restabeleça uma relação do homem pecador com O Eterno, tem também relação com o tempo, coisa com a qual o ser humano lida muito mal. No mesmo contexto Jeremias lamenta a perda de vidas de gente que perdeu o tempo devido, para o arrependimento, disse: “Passou a sega, findou o verão, e nós não estamos salvos.” V 20

Salomão em suas reflexões propôs um limite temporal a todas as coisas criadas, disse: “Tudo tem seu tempo determinado; há tempo para todo o propósito debaixo do céu.” Ecl 3;1 Que as pessoas lidam mal com o tempo elas mesmo testificam. Por exemplo, quando dizem: “Eu era feliz e não sabia.” Sua pressa a alvos distantes fez desconhecer bênçãos presentes. Desejar algo, furiosa, violentamente, cega para o demais, já diziam os pré-socráticos.

Embora o tempo passe igual para todos, há um componente moral que permite entender o porvir, ou, sequer fazermos a boa leitura do presente. O mesmo Jeremias disse mais adiante, da cegueira ímpia: “Será como a tamargueira no deserto, não verá quando vem o bem; antes, morará nos lugares secos do deserto, na terra salgada e inabitável.” Cap 17;6 Por outro lado, voltando a Salomão, “Quem guardar o mandamento não experimentará nenhum mal; o coração do sábio discernirá o tempo e o juízo.” Ecl 8;5

Desconhecermos o tempo pode ser fatal, quando nesse lapso deixamos escorrer entre os dedos, oportunidades de valor eterno, como se deu com os que rejeitaram ao Senhor. Quando chorava por Jerusalém Ele disse que eles não conheceram seu tempo. “Porque dias virão sobre ti, em que os teus inimigos te cercarão de trincheiras, te sitiarão, estreitarão de todos os lados; te derrubarão, a ti e aos teus filhos que dentro de ti estiverem; não deixarão em ti pedra sobre pedra, pois, não conheceste o tempo da tua visitação.” Luc 19;43 e 44

Para muitos, porém, a vida eterna é uma coisa que os salvos ganharão depois da morte triunfando ao tempo. Não. É mais que isso; algo que abraçamos agora, inda em vida; por amor a Deus, ajudados pelo Seu Espírito triunfamos ao pecado; sendo, antes, um modo de vida, que um tempo de vida. “Milita a boa milícia da fé, toma posse da vida eterna...” I Tim 6;12


Pepe Mujica, ex presidente uruguaio disse, com acerto, que não compramos coisas com dinheiro, mas, com o tempo de vida que gastamos para ganhar dinheiro. Assim, tempo não é dinheiro, é vida. Dinheiro avalia, transforma e conserva o fruto do que fizemos com nosso tempo. 

Quem mata o tempo, disse Millôr Fernandes, não é assassino, é suicida. Sobretudo, digo eu, um tempo que poderia ser usado para, finalmente, dar ouvidos à Voz de Deus. “Portanto, como diz o Espírito Santo: Se ouvirdes hoje a sua voz, não endureçais vossos corações...” Heb 3;7 e 8

domingo, 21 de agosto de 2016

Noturnas reflexões

“Porque a sua ira dura só um momento; no seu favor está a vida. O choro pode durar uma noite, mas, a alegria vem pela manhã.” Sal 30;5

Quantas vezes ouvimos, ou, citamos esse texto quando nos parece oportuno, sem, contudo, refletirmos um pouco sobre ele. Primeiro, menciona dois estados emocionais Divinos; ira e favor. Depois, duas reações humanas; choro e alegria.

Não carecemos muita perspicácia para notarmos que se trata de um relacionamento de Deus com Seus filhos, ainda que, eventualmente, rebeldes. “Porque o Senhor corrige o que ama, açoita a qualquer que recebe por filho.” Heb 12;6 e, “Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, arrepende-te.” Apoc 3;19

Não significa, isso, que a maldade de outros que ainda não são filhos de Deus não entre em conta. Acontece que, Deus não é Deus de mortos, e essa é, infelizmente, a situação daqueles que O ignoram, ou, mesmo mencionando-O, eventualmente, não ousam se comprometer com o conhecimento e obediência da Sua Vontade.

Paulo fez distinção entre dois tipos de tristeza; um, pelo fato de ter falhado em alcançar o padrão Divino em nosso modo de viver, que definiu como, tristeza segundo Deus; outro, pela mera frustração de anseios naturais, a tristeza segundo o mundo. “Agora folgo, não porque fostes contristados, mas, porque fostes contristados para arrependimento; pois, fostes contristados segundo Deus; de maneira que por nós não padecestes dano em coisa alguma. Porque a tristeza segundo Deus opera arrependimento para a salvação, da qual, ninguém se arrepende; mas, a tristeza do mundo opera a morte.” II Cor 7;9 e 10

Assim, os arrependidos que passam pela “noite” entristecidos, são os que, à Face Bendita do Favor Divino encontrarão a alegria ao amanhecer. 

A noite, entretanto, não se refere estritamente a um período entre dois dias, como conhecemos, antes, é uma noite espiritual, que dura o tempo necessário para que reconheçamos nossas culpas, delas nos arrependamos, e venhamos a confessá-las em busca do perdão. Só então, O Senhor fará “resplandecer Seu rosto” sobre nós, e veremos as nuances áureas da Sua graça.

Isso se dá muitas vezes, não é algo que acontece de uma vez por todas, antes, é um gradativo processo de abandono do pecado, que chamamos, santificação. A noite dos ímpios, indiferentes, é sem aurora, a dos “justos” vislumbra a esperança. “O caminho dos ímpios é como a escuridão; nem sabem em que tropeçam... Mas, a vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito.” Prov 4;19 e 18

Nem todos as noites, contudo, derivam de consequências de pecado. Há permissões Divinas que nos colocam à prova para nos infundir têmpera espiritual, edificar nossa fé, como se deu com Jó, por exemplo, cujos sofrimentos advieram mediante inveja caluniosa do inimigo, não, desvios de caráter dele. Para esses casos, de escuridão total, O Nome do Senhor, Seu Caráter, integridade, são a “Luz” que nos permite andar, mesmo no escuro. “Quem há entre vós que tema ao Senhor e ouça a voz do seu servo? Quando andar em trevas, não tiver luz nenhuma, confie no nome do Senhor, firme-se sobre o seu Deus.” Is 50;10

Abraão não tinha, então, 1% da Revelação de Deus temos, os que conhecem Sua Palavra, entretanto, em seu momento de angústia temendo pela vida do sobrinho que viu ameaçada, “apostou todas as fichas” no Caráter de Deus: “Não faria justiça o Juiz de toda a Terra?” Gn 18;25

Assim, sendo O Eterno de Caráter Santíssimo, e, “grandioso em perdoar” como disse Isaías, mesmo estando na noite, os servos fiéis estão sendo abençoados, ainda que, só percebem isso depois. Porém, quando a “noite” deriva de más escolhas, rebelião, desobediência, o Espírito Santo, posto que, entristecido, ainda habita em nós, nos fará entender o motivo da tristeza.

Esses cultos rasos onde toda noite trazem as “revelações de Deus” não passam de fogo estranho, faíscas humanas acendidas por gente que inda não conhece ao Santo. Isaías aponta um fim desastroso a esses incendiários espúrios. “Eis que todos vós, que acendeis fogo, vos cingis com faíscas, andai entre as labaredas do vosso fogo, entre as faíscas que acendestes. Isto vos sobrevirá da minha mão, e em tormentos jazereis.” Is 50;11


Enfim, qualquer que seja a causa da noite, ela não pode ser abreviada com artifícios humanos; mas, Aquele que ordenou a separação entre a luz e as trevas e foi obedecido, a Ele cabe chamar a aurora sobre nossas vidas.

Você que está no meio da noite, pois, tire o melhor que puder da tristeza, como uma fruta verde tira das seivas da Terra, para produzir, em tempo, a doçura da maturidade.

sábado, 20 de agosto de 2016

A indiferença de Deus

“Ele estava na popa, dormindo sobre uma almofada, despertaram-no, dizendo-lhe: Mestre, não te importas que pereçamos?” Mc 4;38

Sem me ater ao incidente, dele extrairei uma ideia apenas, como pano de fundo pra uma reflexão que vejo oportuna, a “indiferença” de Deus ante o sofrimento humano. Pois, se, então, pareceu aos discípulos que O senhor não se importava, atualmente, tenho lido muitas acusações semelhantes.

Se O Eterno não se importasse deveras, facilitaria bastante as coisas para Ele. Julgaria cada um segundo suas obras, entregaria ao castigo devido, e fim de papo. Contudo, a Bíblia diz que, “Deus amou o mundo de tal maneira, que deu seu Filho Unigênito, para que, todo aquele que nele crê não pereça, mas, tenha Vida Eterna”. Jo 3;16

Aqui, o Senhor pontua a grandeza do amor pelo valor da dádiva; noutra parte, Paulo vislumbra o mesmo, a partir da indignidade dos recebedores. “Porque apenas alguém morreria por um justo; pode ser que pelo bom alguém ouse morrer. Mas, Deus prova seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.” Rom 5;7 e 8

Assim, como O acusam ainda de indiferença? Contudo, diria alguém, quem o faz? Muitos. Por ocasião do devastador terremoto na Indonésia foi manchete de capa no jornal Zero Hora: “Onde estava Deus?” Ou seja: A culpa é Dele. Quando o menino Aylan morreu na fuga dos refugiados norte africanos e meso-orientais, e sua foto morto na areia da praia correu o mundo, ouvimos coisas semelhantes.

Agora, propagou-se como um vírus, outra foto de um menino sobre uma cadeira coberto de pó, a face esquerda de sangue, retirado de um bombardeio na Síria, e muitos postam suas indignações com frases tipo: “Como Deus permite algo assim com uma criança?” Ou, “Ele não se importa?”

Para início de conversa, nosso humanitarismo é pontual, seletivo, hipócrita. Primeiro, achamos que inocentes são apenas as crianças, pelo menos, quando os decapitadores de cristãos fazem seu “trabalho” há um estrondoso silêncio dos, agora, humanitários. Segundo, tal indignação sazonal subsome nas areias movediças do interesse tão logo, um fato “mais importante” como uma medalha olímpica, por exemplo, chame atenção.

Muitos cretinos tripudiam de coisas assim, realçando idiossincrasias políticas. Tarso Genro escreveu vasto artigo dizendo que Aylan fora vítima do “colonialismo europeu” subentendendo que o “socialismo” que defende é, sim, humanitário. 

Contudo, os petistas lutaram com afinco pela aprovação do aborto, e ainda o fazem. Para tais, uma criança morta na praia é uma tragédia digna de diatribes contra os culpados. Milhões de inocentes mortos pela promiscuidade irresponsável é um direito social.

Acaso perguntam “onde está Deus” antes de atentarem contra vidas indefesas? Afinal, para O Senhor, todos têm o mesmo valor, independe de raça, cultura, idade; mesmo, os adultos são desafiados a se fazerem como crianças pra herdarem a salvação, e, invés de Altíssimo, Todo Poderoso, Santíssimo, etc. somos instados a orar chamando a Deus de Pai. Que coisa mais infantil! Pois é.

Na verdade, todos desejam o que Deus propõe; igualdade, fraternidade, liberdade, paz. Contudo, rejeitam as condições. O Eterno se importa sim, e declara expressamente: “Vivo eu, diz o Senhor Deus, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas, em que o ímpio se converta do seu caminho, e viva. Convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois, por que razão morrereis...” Ez 33;11

Acontece que O Criador nos fadou à liberdade, capazes de optar, e além de nós, ama também à justiça. Assim, faculta as escolhas e determina as consequências. Quem conhece as Escrituras sabe que, foi justo, o excesso de violência que ensejou o juízo Divino do dilúvio. Só um completo imbecil, pois, olharia para violência contra inocentes achando que, isso não incomoda ao Santo.

Contudo, Sua “interferência” se dá mediante o ensino de Sua palavra, a qual, ordenou que se pregasse a todos. Esse “humanitarismo” fácil, cujo custo é mero exercício blasfemo da língua, nem de longe mostra quem Deus É; antes, qual índole do que, em palavras ocas presume se importar mais que Aquele que É amor.

O mestre foi categórico: “Ninguém tem maior amor que este: Dar sua vida pelos seus amigos.” Jo 15;13

Por fim, até as catástrofes “naturais” A Bíblia põe na nossa conta, por causa de nossa rebelião contra O Senhor. “...Na verdade a terra está contaminada por causa dos seus moradores; porquanto têm transgredido as leis, mudado os estatutos, e quebrado a aliança eterna. Por isso, a maldição tem consumido a terra...” Is 24;5 e 6


Ele seria indiferente se nos permitisse pintar e bordar, sem nenhuma consequência, mas, não será assim. “Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo que o homem semear, isso também ceifará.” Gál 6;7

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Reis falidos

“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Dizimais hortelã, endro, cominho, e desprezais o mais importante da lei, juízo, misericórdia e fé; deveis, porém, fazer estas coisas, e não omitir aquelas.” Mat 23;23

Parece que nossos antepassados Fariseus faziam de bom grado as coisas fáceis, sem, contudo, se importarem em praticar o que era mais importante para Deus: “O juízo, a misericórdia e a fé.” O fato de algo ser prioritário, porém, não exclui a prática de outras coisas necessárias. O Senhor disse: Continuem fazendo essas coisas menores ainda, mas, pratiquem também as que são de maior relevância.

Com outras palavras o Mestre denunciou que eles coavam um mosquito e engoliam um camelo. O quê nos leva a sermos criteriosos com coisas pequenas, e relapsos com as principais? Provavelmente, o fato de que nosso “critério” não deriva de zelo de Deus, antes, não passa de uma selfie “espiritual” onde buscamos nosso melhor ângulo para nos expormos à torcida.

O homem espiritual sabe que está numa luta renhida, onde, nada menos que a verdade, aprendida, vivida e ensinada, o faz probo ante O Senhor. O hipócrita se satisfaz com um verniz dourado que o faça parecer áureo ante os olhos humanos, mesmo que, esteja desnudo diante de Deus. O danoso desse cristianismo “para inglês ver” é que, se mantido, nos fará herdeiros de uma “salvação” do mesmo calibre.

No fundo somos imediatistas demais para esperarmos viçarem os demorados frutos da fé. Assim, “recompensas” agora, prezamos mais que o galardão porvir. Por outro lado, a certeza que as consequências das más ações são demoradas também, nos dá “segurança” para seguirmos no escuro, imaginando que, um dia, oportunamente, sairemos à luz. Salomão ensinou: “Porquanto não se executa logo o juízo sobre a má obra, o coração dos filhos dos homens está inteiramente disposto para fazer o mal.” Ecl 8;11

Sabemos que pensamentos geram ações, ações forjam caracteres, e esses, colhem um destino. Enquanto não cambiarmos nosso jeito de pensar, seguiremos agindo apenas para a humana plateia, como que, cegos para a perdição que espera-nos, do outro lado do rio da vida.

Por isso, a conversão nunca começa no escopo das obras, antes, na mudança de mente, de coração, pois, feito isso, as coisas exteriores cambiarão também, tendo cambiado sua fonte, vejamos: “Sobre tudo o que se deve guardar, guarda teu coração, porque dele procedem as fontes da vida.” Prov 4;23 “Deixe o ímpio seu caminho, o homem maligno seus pensamentos, e se converta ao Senhor...” Is 55;7 “Não vos conformeis com este mundo, mas, transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.” Rom 12;2 etc.

Cada um é rei no vasto império da vontade, e nossas escolhas pretéritas são as crônicas dos “decretos” que selamos desde nosso trono. Cristo, como a Herodes, soa uma ameaça à coroa que tanto prezamos.  Como aquele, hipocritamente queremos “adorar” o Novo Rei, embora, no fundo, obramos para que morra.

O que levou o Sinédrio a impor a Pilatos a morte do Messias, senão, o medo de perderem seu lugar? Pois, esse é o “problema” do Salvador: Ele quer o meu lugar. Disse: “Se alguém quer vir após mim, negue a si mesmo, tome cada dia sua cruz, e siga-me.” Luc 9;23

Desse modo, a conversão é absolutamente impossível à natureza caída, pois, teria que trair à própria inclinação que se opõe a Deus. “Porque a inclinação da carne é morte; mas, a inclinação do Espírito, vida e paz. Porquanto a inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois, não é sujeita à lei de Deus, nem, em verdade, pode ser.” Rom 8;6 e 7

Esse é o papel da cruz. Matar um inimigo de Deus, e, em seu lugar, trazer à luz um filho adotivo mediante Jesus Cristo. Em quem aceitar tal renúncia, O Eterno se dispõe a fazer um transplante de órgãos, para possibilitar a obediência, antes, impossível. “Vos darei um coração novo, porei dentro de vós um espírito novo; tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne. E porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis os meus juízos, e os observeis.” Ez 36;26 e 27


Feita essa mudança vital, nosso próprio agir há de ser uma mensagem ante quem vê, e nosso anseio pueril de exibir virtudes sumirá paulatinamente, pois, a atuação do Espírito Santo, “Sangue” do novo coração, pulsará para que se veja Cristo em nós. 

É só um presunçoso invés de convertido todo “cristão” quem inda não pode falar como João Batista, o amigo do Noivo: “Convém que ele cresça e eu diminua.” 

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

A César o que não é de César

“Mas eles bradaram: Tira, tira, crucifica-o. Disse-lhes Pilatos: Hei de crucificar o vosso Rei? Responderam os principais dos sacerdotes: Não temos rei, senão César.” Jo 19;15

César, imperador romano era cabeça de um reino que oprimia e dominava Israel, cobrando pesados tributos, a ponto de, um judeu trabalhar para o império cobrando impostos de seus compatriotas ser considerado grave pecado, daí, o desprezo que sofriam os publicanos.

Contudo, no julgamento de Jesus disseram eles que preferiam o domínio de César. O que havia no Senhor que o fazia tão detestável a ponto de os líderes judeus preferirem a tirania de Roma?

Segundo vaticinara Isaías, parece que o lapso era estético: “...não tinha beleza nem formosura, olhando nós para ele, não havia boa aparência nele, para que o desejássemos.” Is 53;2 Embora não haja maiores referências físicas sobre O Salvador, exceto que, “crescia em estatura e em graça perante Deus e os homens”, a simples omissão de lapsos físicos demonstra que era Ele um homem normal. A falta de atrativos derivava de Seus ensinos, não, de atributos físicos, até porque, a esses ( os ensinos ) o profeta mencionara, antes, da “feiura” do Messias. “Quem deu crédito à nossa pregação...?”

Assim, a doutrina do Mestre soava sem atrativos aos judeus, não, Sua aparência. Porém, tão desprezível a ponto de preferirem César? Por quê?

Se atentarmos para Isaías uma vez mais, veremos que não pretendeu narrar a “coisa em si” como diriam os filósofos, mas, a coisa para si. Noutras palavras: Não, quem, de fato, era, O Senhor, mas, como seria aquilatado por seus ouvintes. Afinal, algo pode ser reputado mau, por ser, deveras, mau, ou, pela inépcia do avaliador.

O mesmo Senhor aludiu à importância da percepção apurada, para usufruto da luz espiritual. “A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo teu corpo terá luz; se, porém, teus olhos forem maus,  teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes serão tais trevas!” Mat 6;22 e 23

Acho que começamos a entender porque César assustava menos que O Salvador. João introduz sua narrativa colocando Jesus como opositor diametral dos seus ouvintes, diz: “A luz resplandeceu nas trevas, e as trevas não a compreenderam.” Jo 1;5

Com o Império Romano a coisa tinha certa harmonia. Malgrado os extorsivos tributos, havia concessões, como liberdade de culto segundo a crença judaica. O Senhor, por Sua vez, denunciou a hipocrisia de uma religião puramente formal, aparente, sem nenhuma essência, incapaz de agradar a Deus. Além disso, operou grandes sinais, que corroboravam Sua autoridade espiritual para contradizer doutrinariamente aos que se diziam doutores e mestres em Israel.

César não era ameaça ao “status quo”, pois, apesar dele, as coisas “iam bem”. Na verdade, desde que a humanidade passou a decidir por si mesma o bem e o mal, por sugestão de satanás, o bem passou a ser o comodismo, conforto, mesmo que conduza à perdição; o mal, correção, disciplina, não obstante, aja em prol da salvação.

Basta refletirmos uns segundos para vermos a massacrante vantagem numérica dos que preferem “César” aos ensinos do Salvador, mesmo, hoje.

Apesar dos pesados tributos de uma consciência culpada, as pessoas preferem a servidão no reino falido do pecado, uma liberdade condicional eventual, que é mera preliminar da prisão eterna, à cruz de Cristo que, mesmo tolhendo facilidades circunstanciais, reconcilia com Deus, silencia a consciência em paz, e permite a contemplação do Senhor como, de fato É, não, como parece aos maus olhos. “Dai ao Senhor a glória devida ao seu nome, adorai o Senhor na beleza da santidade.” Sal 29;2

O mais grave dessa perversão é que as pessoas dão a César o que não é dele; digo, ao escolherem as conveniências egoístas, carnais, não é isso estritamente, que escolhem. Antes, o domínio do “rei” alternativo que sugeriu independência humana invés da submissão a Deus. No fundo, ele é que está por trás de “César”, tipo de toda escolha comodista, indiferente ao Amor Divino.

O verniz hipócrita que compartilha nas redes sociais palavras bonitas e alugadas, não basta para disfarçar vidas feias, nem diante de homens com certo discernimento, quiçá, diante de Deus. Na verdade, podemos ser inimigos da Cruz de Cristo fazendo poesias e os mais belos encômios sobre ela.


Pilatos, então, representante de César lavou suas mãos hipocritamente enquanto fazia a escolha mais fácil ante Jesus. Quem avalia a aprovação humana como mais importante que a Divina, facilmente empresta seus lábios para “glorificar” a Jesus, enquanto seu coração clama por César. Quem não consegue ver feiura no pecado nunca verá a Beleza do Salvador; luz e trevas não coabitam.

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

O Gigante a vencer

“Disse Jessé a Davi, seu filho: Toma para teus irmãos um efa de grão tostado e dez pães, corre  levá-los ao arraial, a teus irmãos. Porém, estes dez queijos, leva ao capitão de mil; visitarás a teus irmãos, para ver se vão bem; e tomarás o seu penhor.” I Sam 17;17 e 18

Um pouco antes do célebre combate entre Davi e Golias, temos seu pai, Jessé enviando-o ao campo de batalha como mero supridor de logística e repórter, nada tendo a ver com o combate iminente.

Desse modo, sua inserção no exército, mais, seu protagonismo foi totalmente anormal, inesperado, surpreendente. Acontece que, a mente humana lida com a lógica, e essa, com circunstâncias, aparências, possibilidades naturais dos que a concebem.

Na verdade, mesmo os que pretendem conhecer e servir a Deus, traçam suas concepções “lógicas” como se, O Todo Poderoso fosse previsível às nossas mentes frágeis, ignorantes, limitadas. Paulo ensina: “( Deus ) ... é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos...” Ef 3;20, assim, “...As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam.” I Cor 2;9

Desse modo, tanto pode pegar mero anônimo que escolher para, mediante ele fazer grandes coisas, como fez com Davi; quanto, destronar um famoso, revelando as falsidades que esse oculta, como muito ocorre, infelizmente. Mediante Ezequiel acenou com algo semelhante: “Assim saberão todas as árvores do campo que eu, o Senhor, abati a árvore alta e elevei a árvore baixa, sequei a árvore verde e fiz reverdecer a árvore seca; eu, o Senhor, o disse, e fiz.” Ez 17;24

O Eterno não tem compromisso com nossas concepções lógicas, ademais, podendo ver corações, motivações, invés de meras aparências ou, ações, aquilo que nos é surpreendente, nada mais é, que o normal, para Ele. Esse é o papel da fé, pela qual o justo viverá. Ela supre os lapsos da nossa ignorância preenchendo as lacunas com a confiança irrestrita em Deus. “Quem há entre vós que tema ao Senhor e ouça a voz do seu servo? Quando andar em trevas, não tiver luz nenhuma, confie no nome do Senhor, firme-se sobre o seu Deus.” Is 50;10

Mesmo o silêncio Divino tem lá sua eloquência para quem tem ouvidos espirituais. Pois, se “a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não veem.” Heb 11; 1 também consegue, depois de conhecer a Deus, “ouvir” entrelinhas do silêncio providencial de um Deus amoroso e sábio. O silêncio de Deus não é necessariamente Sua aprovação, antes, concessão de liberdade para que tomemos nossas decisões à luz do que sabemos ser Sua vontade. Um convite à maturidade espiritual.

Contra um que equacionara silêncio com anuência, aprovação, O Eterno denunciou: “Assentas-te a falar contra teu irmão; falas contra o filho de tua mãe. Estas coisas tens feito, eu me calei; pensavas que era tal como tu, mas eu te arguirei, as porei por ordem diante dos teus olhos.” Sal 50;20 e 21

Na verdade, os que buscam grandezas para si são réprobos aos olhos Divinos. Então, geralmente Deus recicla rejeitos sociais para fazer grandes coisas; os que se satisfazem com sortes módicas, às vezes são escolhidos para feitos notórios. “Mas, Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes; escolheu as coisas vis deste mundo, as desprezíveis, as que não são, para aniquilar as que são; para que nenhuma carne se glorie perante ele.” I Cor 1;27 a 29

“A grandeza foge de quem a persegue, e persegue a quem foge dela”. (sabedoria judaica)

Assim, se há um gigante contra o qual temos que lutar inevitavelmente, esse, é o ego, que, malgrado a miserável sina de pecadores, insta mediante a natureza para que usurpemos o lugar de Deus, ansiando coisas que não nos cabem. Nessa peleja não estamos numa situação periférica, como fora inicialmente, a de Davi, antes, o protagonismo é nosso.


Seria injusto, Deus, que sonda corações requerer pureza de nós, quando nossas impurezas nos fossem ocultas; assim, nos ilumina mediante Sua Palavra, e capacita Pelo Espírito Santo, para que andemos na luz.

A mortificação do “Eu” só é possível na cruz, e nessa peleja a maioria estremece como estava o exército de Saul ante as ameaças de Golias. Contudo, os que recebem O Espírito e Nele andam, fazem das adversidades grandes vitórias, e dessas, encorajamento a outros que temiam uma igual luta. O mesmo gigante que amedronta quando vivo, se torna motivação para a luta, quando derrotado. 

domingo, 7 de agosto de 2016

Índice Olímpico

“Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas, um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis.” I Cor 9;24

Nada poderia ser mais “Olímpico” que a alegoria de Paulo escrevendo aos irmãos coríntios. Fez uma pergunta retórica; “Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas, um só leva o prêmio?” Perguntas desse tipo não demandam resposta, pois, presumem lançar mão de algo pacífico, de domínio comum, coisa que se usa como reforço argumentativo, não, inquisição.

A prática de esportes era já bem difundida, graças às olimpíadas gregas, e precisamente, em Corinto, aos Jogos Ístmicos. Mais de uma vez o apóstolo usou isso como pano de fundo sobre o qual pintava em vívidas cores, traços da Doutrina de Cristo. Usou como símile a rigorosa disciplina dos atletas que tudo faziam por glórias efêmeras, depois, a figura de um boxeador treinando golpes contra inimigo imaginário: “Todo aquele que luta de tudo se abstém; eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, uma incorruptível. Pois, eu, assim corro, não, como a coisa incerta; assim combato, não, como batendo no ar.” Vs 25 e 26

Contudo, se todos correm, e, apenas um vence, estaria o apóstolo tencionando ensinar a competição entre os cristãos? Se fosse assim, sua lógica poderia ser frontalmente contestada, pois, noutra parte de seus ensinos teria sido amplamente “contraditório”, disse: “Porque, assim como o corpo é um, e tem muitos membros, todos os membros, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também... Para que não haja divisão no corpo, antes, tenham os membros igual cuidado uns dos outros. De maneira que, se um membro padece, todos padecem com ele; se um é honrado, todos se regozijam com ele.” Cap 12; 12, 25 e 26

Escrevendo aos Efésios ensinou que nossa luta não é contra carne e sangue, antes, contra inimigos espirituais. Seria nessa “arena” que deveriam os cristãos serem “atletas”? Se observarmos amiúde, a armadura, bem como os ataques do inimigo, veremos muito mais um valente defendendo um tesouro, que um atleta competindo por vitória.

O apóstolo mirava a disciplina rigorosa como estímulo aos cristãos, não mais. Se, num estádio correm muitos, e, apenas um vence, nas “pistas” particulares de cada servo, correm dois. Um, para o derrotar; a natureza pecaminosa, a carne; outro, para fazê-lo vencedor; o homem espiritual, renascido “treinado” pelo Espírito Santo. 

Assim, sem desmerecer à utilidade dos treinos físicos, enfatizou como superior o exercício espiritual, pois, conduz à conquista de uma “medalha” eterna. “Porque o exercício corporal para pouco aproveita, mas, a piedade para tudo é proveitosa, tendo a promessa da vida presente e da que há de vir.” I Tim 4;8

Por isso, falou de si mesmo como atleta cioso da competição, capaz de renunciar muitas coisas, em prol de um alvo maior. “... subjugo o meu corpo, o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado.” V 27

O problema é que a maioria dos crentes atuais acha que o ponto de partida é igual à linha de chegada. Eu creio! Afirmam, tenho fé, e nisso se acomodam. Devaneiam que a “fé” se resume a compartilhar ideias piedosas, ou, desejar coisas boas aos outros nas redes sociais, enquanto vivem suas vidas, cada qual, do seu jeito.

A fé é apenas “índice olímpico” que nos permite competir. Somos instados a uma série de conquistas após ela, para atingir o alvo. Pedro ensina: “...acrescentai à vossa fé, virtude, à virtude, ciência, à ciência, temperança, à temperança, paciência, à paciência, piedade, à piedade, amor fraternal, e ao amor fraternal, caridade. Porque, se em vós houver e abundarem estas coisas, não vos deixarão ociosos nem estéreis no conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo.” II Ped 1;5 a 8

Sem isso somos ociosos espirituais, estéreis, invés de vencedores. A epístola aos Hebreus denunciou aos de então, como lactantes velhos, que, de preguiça recusavam crescer. “Porque, devendo já ser mestres pelo tempo, ainda necessitais de que se vos torne a ensinar os primeiros rudimentos das palavras de Deus; vos haveis feito tais, que necessitais de leite, não, de sólido mantimento.” Heb 5;12

Com que olhos nos veriam os heróis da fé de Hebreus 11, gente que pagou por crer, com suas vidas, se, para nós, mera incompreensão de um irmão, ou, calúnia de ímpios é uma “cruz” insuportável?


Um só leva o prêmio da vida, o homem espiritual. Quando insta a que corramos de modo a alcançar, exorta-nos a andar em espírito, pois, “a inclinação da carne é morte; mas, a do Espírito, vida e paz.” Rom 8;6