Google+ Badge

domingo, 31 de julho de 2016

Incertas trombetas

Então o Espírito do Senhor revestiu a Gideão, o qual tocou a buzina, e os abiezritas se ajuntaram após ele.” Jz 6;34

Havia entre as tribos de Israel três modos de tocar trombetas; um, para levantar acampamento; outro, para reunir-se na “Tenda da Congregação”; por último, o toque marcial, que convocava soldados à peleja. Paulo ensinando a disciplina no uso do dom de línguas lançou mão disso como alegoria: “Se a trombeta der sonido incerto, quem se preparará para a batalha?”  Preparar-se para a batalha ordenada por Deus, estava em jogo na convocação de Gideão.

Sem me aprofundar nisso, por ora, veremos outra nuance da questão: Se, foi o Espírito do Senhor que motivou Gideão ao feito, vamos pensar nas ações que empreendemos após a habitação Dele, em nós.

No Velho Testamento, Sua atuação sobre o homem era eventual, nas vidas de profetas, reis, sacerdotes, não, uma permanência contínua, como se dá aos filhos do “Novo Nascimento”.

Quando Samuel foi ungir Saul como rei, apontou alguns sinais horizontais que pautariam a marcha daquele, depois, o essencial: “O Espírito do Senhor se apoderará de ti, profetizarás com eles, tornar-te-ás um outro homem. E quando estes sinais te vierem, faze o que achar a tua mão, porque Deus é contigo.” I Sam 10;6 e 7

Esse, “faze o que achar a tua mão” não significa que O Espírito de Deus nos dá carta branca, antes, porque Deus é conosco, os pleitos Dele passam a ser nossos. Somos convocados, e convocamos outros ao Combate do Senhor.

Quem se pretende cheio do Espírito Santo, e, ainda é egoísta, mesquinho, raso, terreno, materialista, das duas uma: Ou, é uma fraude factual, o Espírito não o habita de fato, mas, o espírito do mundo inda o domina, ou, é um falido moral, no qual O Espírito Santo até habita, mas, entristecido, lutando com um fardo pesado.

Lembrei uma frase antiga: “Quando você aponta uma estrela para um imbecil, ele olha para a ponta do seu dedo.” Assim, o Espírito Santo aponta para o Alto, novos valores, perspectivas, vida eterna, riquezas que não se corrompem, mas, seu hospedeiro parvo, devaneia com as delícias da carne, corruptível.

Claro que, o convertido não cria asas e deixa o existenciário pretérito estando acima das tentações; antes, passa a ter dupla natureza, carnal e espiritual. A primeira é acossada pelos instintos animais, a segunda, alimenta-se da Palavra de Deus, e mostra sua “saúde” no silêncio de uma boa consciência, de quem anda, conforme a luz que possui.

Paulo ilustra os conflitos dessa dupla natureza: “Porque o que faço não aprovo; pois, o que quero, não faço, mas, o que aborreço isso faço. Se faço o que não quero, consinto com a lei, que é boa. De maneira que agora já não sou eu que faço isto, mas, o pecado que habita em mim.” Rom 7;15 a 17 A vontade perversa induz a certas coisas, que a consciência incorruptível reprova. Esse é o gládio de todo o convertido; uma luta interior para escolher a própria vontade, ou, a Divina.

Um pouco antes, Paulo ensinara a esses duplos arbitrários: “Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis; do pecado para a morte, ou, da obediência para a justiça?” Cap 6;16

Depois, uma promessa radiante aos que, movidos pelo Espírito Santo, encaram a cruz, e tomam para si a Vontade Divina: “Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas, segundo o Espírito. Porque a lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte.” Cap 8;1 e 2

Então, quando ouvimos certos trombeteiros dizendo que chamam à Peleja do Senhor, mas, invés do pecado, das tentações, da corrupção carnal, a “luta” proposta é pela fama, dinheiro, prosperidade, e vaidades afins, com um mínimo de discernimento podemos ver, que o “Gideão” em questão usa Deus como pretexto aos seus interesses rasos, invés de ser usado pelo Espírito Santo nos pleitos do Altíssimo.

Ouso dizer que as pessoas que seguem aos maus líderes, raramente o fazem enganadas; antes, seguem-nos porque se identificam com a doença do “pastor”, “bispo”, “apóstolo”, ou, “missionário” em questão. “Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências;” II Tim 4;3

Um ministro movido pelo Espírito Santo convoca à Peleja do Eterno; essa, é contra o pecado, o mundo, o maligno. Suas armas e inimigos são espirituais, as recompensas, idem. Aqui sol e chuva abençoam justos e injustos; lá, sem as vestes nupciais, ninguém entra

quinta-feira, 28 de julho de 2016

O último vinho

“Todo o homem põe primeiro o vinho bom, quando já têm bebido bem, então o inferior; mas, tu guardaste até agora o bom vinho.” Jo 2;10

Interessante confissão do jeito humano de ser, por ocasião do milagre de Jesus, transformando água em vinho. Todo homem põe primeiro o bom vinho, depois que a galera está meio “alta”, o inferior.

Claro que esse “todo” é uma hipérbole, cujo alvo é realçar o jeito comum de ser da maioria, não pretende ser uma verdade absoluta, um escrutínio exaustivo do “modus vivendi” humano.

Entretanto, essa faceta nossa vai muito além do vinho; digo, em geral as pessoas mostram primeiro, ou, somente, o que acreditam ser suas melhores qualidades, ocultando, tanto quanto podem, seus defeitos. Por isso costumamos dizer que os outros sempre nos decepcionam. Claro que, formamos nossas expectativas a partir das primeiras impressões que nos passam, e, como fazem tudo para nos causarem as melhores, nossas expectativas também são altas.

Pense um instante, você que está lendo, quantas pessoas já te surpreenderam para cima, e quantas, para baixo. Digo, quantas, depois da primeira impressão se revelaram melhores do que pareceram, e quantas, piores.

Na verdade, nossa capacidade para o engano vai muito além, da de enganar aos outros; conseguimos “melhor” que isso, enganamos a nós mesmos. Alguém disse, não recordo quem, que, “O melhor negócio da terra seria comprar os homens pelo que valem, e revendê-los pelo que pensam que valem.”

Nosso “bom vinho”, pois, não raro, é fermentado nos arcaicos tonéis da presunção, e, o simples fato de precisarmos ser seletivos em nossa exposição, é já uma implicação de apurada autocrítica; de nos reconhecermos, ao menos em parte, feios, seja no âmbito moral, espiritual, estético... Como nas fotos da moda as pessoas buscam seus melhores ângulos, fazem caras e bocas pra exporem suas selfies, também as almas, buscam seus trejeitos psíquicos para saírem “bem na foto” da encenação social.

Infelizmente, nossas faculdades foram atingidas de tal modo, por ocasião do pecado, que, mesmo a noção de nossa maldade carece perspicácia, profundidade; assim, ao mero fato de vislumbrarmos outros cujo agir os faz parecer piores que nós, ante esse cotejo circunstancial, já nos presumimos, “bons”.

A Palavra de Deus não foi dada para massagear nosso ego pecaminoso, antes, denunciá-lo. Por isso diz: “Não há um justo sequer”; “Não um que seja bom, senão, Deus.” Sei que escrever algo radical assim fere certos orgulhos, mas, a simples existência desses, constata que a afirmação é verdadeira.

Deus, Onisciente como É, não alimenta ilusões a respeito de nossos caracteres. Mediante Isaías, nos desnuda: “Mas todos nós somos como o imundo, todas as nossas justiças como trapo da imundícia; todos nós murchamos como a folha, as nossas iniquidades como um vento nos arrebatam.” Is 64;6

Não combina, pois, com a Excelsa Sabedoria Divina esperar o “bom vinho” de nossas uvas mirradas. Denunciou certa vez que Seu povo escolhido o decepcionara, no tocante a isso; “Que mais se podia fazer à minha vinha, que eu lhe não tenha feito? Por que, esperando eu que desse uvas boas, veio a dar uvas bravas?” Is 5; 4

Na verdade, quando O Salvador pediu de beber no auge da agonia, nossos representantes deram a “mostra do pano”: “Afrontas me quebrantaram o coração, estou fraquíssimo; esperei por alguém que tivesse compaixão, mas, não houve nenhum; por consoladores, mas, não os achei. Deram-me fel por mantimento, e na minha sede me deram a beber vinagre.” Sal 69;20 e 21

Sabendo o que podemos produzir, O Senhor requer que reconheçamos a ruindade de nosso vinho, primeiro, ( arrependimento, confissão ) para que, o bom vinho da regeneração no Espírito Santo, o novo nascimento, possa, enfim, ser milagrosamente produzido em nós, se, tão somente nos esvaziarmos de nossas pretensões, e deixarmos Ele nos encher com a Bendita Água da Vida.

Depois da queda, nenhum homem, por melhor que tenha sido, logrou ser outra vez, “imagem e Semelhança”, como fora o primeiro. As melhores videiras ainda davam frutos degenerados, uvas bravas. Por isso, Jesus Cristo, o “Segundo Adão”, pautou a diferença entre si, homem sem pecados, e os demais, dizendo: “Eu sou a videira verdadeira, meu Pai é o lavrador.” Jo 15;1

Diverso dos homens, Deus deixa o melhor para o fim, por isso, desafia à renúncia, entrega, obediência; a cruz. Aos que forem aprovados na sala de testes da vida terrena, propõe bem aventurança eterna, festa nos Céus, as Bodas do Cordeiro.


Assim, O Santo nos ordena que semeemos com lágrimas, e garante que ceifaremos com alegria. O homem dissimula defeitos com máscaras de qualidades, Deus corrige-os podando seus ramos, para que, as virtudes que ensina e fomenta frutifiquem inda mais.

quarta-feira, 27 de julho de 2016

A entrega errada

“Pela fé entendemos que os mundos pela palavra de Deus foram criados; de maneira que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente.” Heb 11;3

Não obstante alguns dizerem que a fé é cega, temos ela aqui em consórcio com o entendimento, que é produto da razão.

O entendimento sempre é uma reação racional em face a determinada informação, uma vez que, não podemos entender o que ignoramos. Se, eventualmente algum “insight” nos vem sobre coisas que desconhecemos, isso deve ser tributado à intuição espiritual, não, ao entendimento, que poderá advir depois, quando os fatos corroborarem a intuição.

E, o Evangelho é o conjunto de informações básico que deve ouvir todo o que almeja ingressar no Reino de Deus. O Velho testamento, com suas profecias, tipos proféticos, história, livros sapienciais, enfim, é um segundo escalão na gama de informações que deve ter todo aquele que, além de ser salvo anseia conhecer Deus, Sua relação com o homem. Não estou aquilatando valores sobre partes da Bíblia, apenas, traçando uma rota lógica dada nossa situação no tempo, se, desejamos salvação, e anexo, conhecimento do Senhor.

O Evangelho é, antes de tudo, um desafio à fé; depois, via discipulado, edificação, vão se encaixando peças no imenso “Lego” Divino, e construindo uma ponte entre o espiritual e o racional. Primeiro a fé atrai à cruz, que enseja uma separação do jeito de ser do mundo, para imitar Cristo; essa separação induz o entendimento a tornar-se alinhado com Deus, mediante o conhecimento de Sua Vontade. Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. Não vos conformeis com este mundo, mas, transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.” Rom 12; 1 e 2

Entretanto, todos parecem entender de futebol, medicina, e Deus. Nesses assuntos todos dão pitacos, nem sempre, com o necessário entendimento. Se, no futebol, arbitram as paixões, na medicina caseira, um chá que não faz bem, geralmente, não faz mal, nas coisas de Deus não é tão simples assim.
Há mais de setecentas mil palavras na Bíblia, onde, além de falar de nós, Deus fala de si. Desse modo, temos amplo material para exercitarmos nossa fé e entendimento.

Todo dia deparo com textos religiosos onde alguém “entrega” seu dia, sua semana, seu emprego, seus familiares, a direção de um culto, nas mãos de Deus, para que Ele cuide. Não é certo fazer isso? Bem, suponhamos que você leitor, trabalhe com entrega de remédios. Seu meio de transporte está cheio dos tais. Como reagiria se, outrem pedisse que lhe entregasse laticínios, carnes ou, outra coisa qualquer, fora de seu ramo? Por certo dirias que não podes entregar o que não possuis.

Que somos arbitrários é pacífico; somos senhores de nossas vontades; isso foi feito por Deus. Posso desejar que O Eterno abençoe, proteja aqueles que me são caros, mas, eles não estão em meu domínio para que, eu abdique disso, comissionando ao Senhor em meu lugar, o que O faria meu servo, invés de, ser eu, servo Dele, como convém.

O meu caminho, minhas escolhas pessoais estão em meu poder, para que eu aja conforme as inclinações do meu coração. São esses, caminho, ( escolhas ) e coração, ( sentimentos ) que devo entregar, se, deveras, pretendo ser servo de Deus. O mais, não passa de arrogância blasfema, ainda que, religiosa. “Entrega teu caminho ao Senhor; confia nele, o mais, ele fará.” Sal 37;5 “Dá-me, filho meu, o teu coração, os teus olhos observem os meus caminhos.” Prov 23; 26 Notemos que, entregar meu caminho ao Senhor é um pouco mais que renunciá-lo; é escolher para mim os caminhos Dele.

Alguns compartilhas suas “Orações poderosas.” Desculpem a franqueza, mas, não existem orações poderosas. Apenas, orações que o Todo Poderoso aceita, e responde favoravelmente.


Os “sábios” conselheiros de Jó estavam “fora da casinha”, Deus os censurou e mandou que pedissem oração ao leproso Jó, pois, esse era aceitável ante Ele. “...oferecei holocaustos por vós, o meu servo Jó orará por vós; porque deveras a ele aceitarei...” Jó 42;8 Tiago também aludiu ao tema, oração, e derivou sua eficácia de um caráter justo de quem ora, pois, um assim é aceitável ante O Altíssimo. “Confessai as vossas culpas uns aos outros, orai uns pelos outros, para que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos.” Tg 5;16 Notemos que o “justo” em questão tem culpas a confessar. Pois, Deus não chama aos perfeitos, antes aos arrependidos que se deixam aperfeiçoar. Aos tais, O Senhor Justiça Nossa, justifica.

domingo, 24 de julho de 2016

Sinais nos céus, na terra

Assim diz o Senhor: Não aprendais o caminho dos gentios, nem vos espanteis dos sinais dos céus; porque com eles se atemorizam as nações.” Jr 10;2

Se, no prisma econômico, cultural, civilizatório, a chamada globalização é um processo irreversível, no âmbito moral, espiritual, aqueles que temem ao Senhor não devem ser tão “globalizados” assim. Pois, as nações, os então, gentios, têm seus próprios caminhos alienados de Deus.

No contexto, observavam certos “sinais” dos céus, e em virtude disso esculpiam deuses  conforme suas doentias inclinações. “São como a palmeira, obra torneada, porém não podem falar; certamente são levados, porquanto não podem andar. Não tenhais receio deles, pois, não podem fazer mal, tampouco têm poder de fazer bem.” V 5

Historiadores dizem que algo semelhante a um meteoro teria caído nas proximidades de Éfeso, o que deu origem à imagem da deusa Diana, cujos seguidores tanto atrapalharam ao apóstolo Paulo. Não há referências que esses sinais sejam causados por deuses falsos buscando adoração, mas, que os tais sumirão no pó, quando O Criador vier a requerer Seus “direitos autorais”. “Os deuses que não fizeram os céus e a terra desaparecerão da terra e de debaixo deste céu. Ele fez a terra com o seu poder; ele estabeleceu o mundo com a sua sabedoria, com a sua inteligência estendeu os céus.” Vs 11 e 12

Quando da criação, O Eterno disse que sol e lua serviriam de sinais, para tempos, estações. Mais, anunciou a vinda do Salvador com uma estrela. Porque a Ele, os astros obedecem, como de resto, os ditos fenômenos naturais; “Fazendo ele soar a sua voz, logo há rumor de águas no céu, faz subir os vapores da extremidade da terra; faz os relâmpagos para a chuva, e dos seus tesouros faz sair o vento.”

Não há imagem que seja melhor, aceitável, chamem-na pelo nome que a chamarem. Seja “Jesus” “Nossa Senhora” “santos” ou, o que for. Meros ídolos, todos detestáveis aos Santos Olhos do Senhor. “Eu sou o Senhor; este é o meu nome; minha glória, pois, a outrem não darei, nem, meu louvor às imagens de escultura.” Is 42;8

Para o inimigo também não há diferença, qualquer imagem serve, bem como, qualquer nome para a mesma. A que fora Diana em Éfeso emprestou seu rosto à “Nossa Senhora”, à “Estátua da Liberdade” em Nova Iorque e finalmente em nosso país figurou como efígie de moedas, dizendo seus mentores, aos incautos, que era uma “Imagem da República”.

Por quê, qualquer imagem serve ao propósito satânico? Porque seu alvo é cegar às pessoas. Isso se pode fazer com venda de qualquer pano. “Mas, se ainda o nosso evangelho está encoberto, para os que se perdem está encoberto. Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus.” II Cor 4;3 e 4

Notemos que, o inimigo cega para que não vejamos a glória, o caráter de Cristo, que é a Imagem de Deus. O homem que foi criado Imagem e semelhança do Eterno, deixou de sê-lo por lapsos morais, espirituais, não físicos; desse modo, a regeneração deve se dar onde degenerou, não, onde permanece como o original. Ademais, um qualquer prostrado ante um bibelô de humana feitura mostra também um lapso intelectual, extrema burrice achar que depende de algo frágil, que depende dele para se “mover”.

Sabemos que a idolatria não se restringe a imagens, há ídolos de carne e osso, sendo endeusados, bem como, o amor ao dinheiro usurpando em muito, o culto do Eterno. Nenhum ídolo é melhor que o outro; todos vãos, espiritualmente mortos. O dinheiro cumpre sua função tríplice de avaliar, transformar e conservar, bens e serviços. O que passar disso é malsão.

Por fim, a globalização caminha célere para unificar moedas e religiões. Isso que, quando atingido será celebrado como o fim dos conflitos, a paz mundial, não passa de moderna Babel, motim planetário contra a Imagem de Deus, Jesus Cristo. “Por quê, se amotinam os gentios, e os povos imaginam coisas vãs? Os reis da terra se levantam e os governos consultam juntamente contra o Senhor e contra o seu ungido, dizendo: Rompamos as suas ataduras, e sacudamos de nós as suas cordas?” Sal 2;1 a 3

Com isso voltamos a Jeremias: “...não aprendais o caminho dos gentios...”

A cultura me permite falar novas línguas, a civilização, conhecer outros povos, costumes; a tecnologia, fazer isso de maneira veloz, contudo, nada, me permite conhecer, ou, reconhecer outro Deus, outro Salvador. Há gritantes sinais na Terra, de que se cumprem rapidamente os vaticínios do Todo Poderoso, que anunciou o fim, desde o princípio.

sábado, 23 de julho de 2016

O egoísmo sadio

“Eis que, como foi tua vida hoje de tanta estima aos meus olhos, assim seja a minha vida de muita estima aos olhos do Senhor, ele me livre de toda a tribulação.” I Sam 26;24

Davi, acabara de poupar a vida de Saul que o perseguia para matar, e disse tais palavras. Mesmo estando em suas mãos ferir ao rei, temeu e não fez; depois, alto e bom som desejou que, assim com tratara seu desafeto fosse tratado pelo Senhor.
Nada mais certo no que tange a orações atendidas, que orarmos segundo a Vontade de Deus. Mais tarde, o mesmo Senhor ensinaria que tal isonomia faz parte do agir Divino para conosco. “Perdoa nossas dívidas assim como perdoamos nossos devedores...” Ou, mesmo nas relações interpessoais; Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lhes também, porque esta é a lei e os profetas.” Mat 7;12

Desse modo, o agir idôneo, a coerência entre atos e palavras é mais que bom exemplo como defendem alguns. É indício de saúde espiritual, consciência silenciada pela mordaça da integridade. Jeito de ser que agrada a Deus, que, uma vez satisfeito com Seu filho, o abençoa.

Pois, se alguém diz as coisas certas, eventualmente, é como um paciente qualquer na medicina da vida que possui a devida receita, contudo, se age em dissenso com o que diz acreditar, assemelha-se a uma criança que recusa tomar o remédio dado seu sabor amargo, quiçá, sua dor, em caso de uma injeção, por exemplo. Seu “conforto” circunstancial acaba sendo avaliado mais importante que a saúde geral. Isso soa insano como se, um cego que vivesse de esmolas recusasse uma cura possível, preferindo sua sina, a ter que trabalhar pra ganhar a vida, uma vez recuperada a visão. Isso é loucura?? Pode ser. Entretanto, precisamos de figuras palpáveis para identificarmos verdades espirituais, como fez O Maior dos Mestres, usando parábolas e metáforas para ensinar.

Quando digo as coisas certas, meu alvo são os outros. Quando faço as coisas certas, mesmo que isso se reflita sobre os outros, me preocupo comigo, com os ditames da consciência, que demanda que eu seja, tal qual, ensino.

A purificação da consciência, aliás, é o “Upgrade” do Velho para o Novo testamento. A “purificação” do sacerdócio Levítico era externa, cerimonial, e uma vez cumpridos os ritos sacrificais pelo pecador, retornava à sua rotina “purificado” mesmo que, seu coração persistisse em sua obstinação egoísta. O Bendito Sangue de Jesus Cristo pretende fazer melhor: Porque, se o sangue dos touros e bodes, a cinza de uma novilha esparzida sobre os imundos, os santifica, quanto à purificação da carne, quanto mais, o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno ofereceu a si mesmo imaculado a Deus, purificará as vossas consciências das obras mortas, para servirdes ao Deus vivo?” Heb 9;13 e 14

Quem conhece a história da queda da humanidade sabe que o problema era sempre externo, no outro. Para Eva fora a serpente, para Adão, fora Eva que o induzira. Assim, o culto hipócrita faz seu “mise em scène” tendo como alvo o outro, que assiste tal encenação. Por essa razão, aliás, O Salvador altercou com os religiosos da época que, mesmo zelosos das aparências, foram comparados a sepulcros caiados, cheios de podridão por dentro.

O home íntegro traz certo “egoísmo” acusatório de modo a procurar pelas falhas primeiro em si, antes de qualquer vislumbre do outro. O clássico remover sua trave primeiro, antes de ver o cisco alheio. Entretanto, um que ensine a Palavra, mesmo que tenha também, eventuais falhas, não é necessariamente um hipócrita, desde que, aplique contra si mesmo, as exortações que apregoa alhures.

Muitos ímpios refratários a Deus e Sua correção rejeitam ensinos porque os mestres não são perfeitos, ignorando que, tais, derivam de Cristo, e Ele é perfeito, sim. Temos um tesouro em vasos de barro, como disse Paulo, e os que padecem a miopia da carnal preferência, veem o vaso apenas, sem identificar o conteúdo valioso. Assim a isonomia aquela, onde Deus nos trata como tratamos aos homens, O fará ver apenas defeitos, malgrado, eventuais virtudes. Por isso, disse: “Ao que tem, mais se lhe dará, e terá abundância; ao que não tem, ( fé obediência ) até o que tem, ser-lhe-á tirado”.

Quem quer lavar-se com água suja, pois, encontrará em abundância. Digo, justificar seus erros ancorado nos alheios; contudo, ante Deus, apenas Água da Vida, Jesus Cristo, como Ele mesmo disse: “...Se eu te não lavar, não tens parte comigo.” Jo 13;8

Ele não lava mais, pessoalmente aos Seus, antes, O Faz mediante Sua Palavra. Para a santificar, ( a igreja ) purificando-a com a lavagem da água, pela palavra” Ef 5;26

sábado, 16 de julho de 2016

Sexo na TV a "conquista" gay

“Chegaram ao pé dele os fariseus, tentando-o, dizendo-lhe: É lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo? Ele, porém, respondendo, disse-lhes: Não tendes lido que aquele que os fez no princípio macho e fêmea os fez? Portanto, deixará o homem pai e mãe, se unirá a sua mulher; serão dois numa só carne? Assim não são mais dois, mas, uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não separe o homem.” Mat 19;3 a 6

O tema  era o divórcio; entretanto, ao patentear que o projeto original era formar “um” da junção de macho e fêmea,  exclui a prática homossexual também, do propósito de Deus. Se, o assunto não foi mencionado aqui, noutras partes foi expresso de modo claro, como abominável aos olhos Divinos. Além disso, se Deus ajuntou macho com fêmea, e vetou que se separasse o que Ele uniu, qualquer relação alternativa é uma forma de separar, portanto, rebelião contra O Criador.

A mídia secular comemora a “conquista” do seguimento LGBT pelo fato de, a Rede Globo ter mostrado uma cena de sexo gay, interpretado pelos atores Caio Blat e Ricardo Pereira. As reações foram as mais diversas, pois, se, para uns significou um avanço na “liberdade de expressão” para outros, não passou de aumento da dissolução, da pouca vergonha, em busca de audiência.

A um telespectador que se manifestou contra as cenas de sexo em canal aberto, mesmo, hetero, a Globo respondeu: “Lamentamos profundamente o ocorrido. Estamos trabalhando para descobrir como uma mensagem escrita em 1964 veio parar aqui.” Para eles, pois, a moralidade é algo biodegradável, de modo que, valores que existiam há 52 anos atrás, não valem mais hoje.

Claro que o processo civilizatório enseja melhorias nas relações sociais, e a conquista da tecnologia, toda sorte de conforto, meios de comunicação velozes, locomoção, etc.

Agora, no que tange a valores morais, espirituais, esses, são absolutos, não sofrem ação do tempo. Honestidade, verdade, sinceridade, decência, probidade, etc. já existiam em 1964; quais desses deixaram de valer? Com a palavra, a Globo.

Liberdade individual, para fazer cada um o que desejar é um bem inalienável, proveniente de Deus, aliás. O Livre arbítrio. Porém, no prisma social é um tanto diferente do individual. Numa sociedade democrática a vontade expressa da maioria se impõe às minorias, ainda que as deva respeitar. Assim, uma coisa é um par ser livre para se relacionar como desejar, outra, é impor essa impudicícia, num veículo que molda comportamentos, forma opiniões, glamuriza e sataniza, conforme difunde sua influência.

Foi uma “conquista” de quê? Do direito de zombar na face dos que prezam por outros valores, e são imensa maioria? A queda da humanidade foi uma “conquista” afinal, não precisavam mais obedecer a Deus, poderiam livremente decidir o bem e o mal. Abdicaram da bem aventurada comunhão com o Altíssimo, pela “conquista” da morte.

Interessante que há muitos, tão “inclusivos” que criam igrejas “evangélicas” gays, para viverem como desejam e ainda assim, “cultuarem” a Deus.

Bem, se Deus ama indistintamente, tanto que, ordenou que se dissesse isso a “toda criatura”, a nenhum, malgrado sua opção sexual, propõe um caminho “natural” onde siga sendo o que é, e passe a cultuar, antes, avisa: “... Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. ... aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne, o que é nascido do Espírito é espírito.” Jo 3;3, 5 e 6  Aí, pergunto: Pode alguém renascer do Espírito Santo com desejo de “conquistas” contrárias à vontade de Deus? Ou, não tendo renascido, será aceito no Reino porque “cultua” do seu jeito? Não nos enganemos, o retorno do homem a Deus será nos termos Dele, ou, nunca se dará.

Dou uma banana ao “politicamente correto” às comichões da moda bem como o aplauso dos mortos! Deus não é “inclusivo”, antes, seletivo, diz: “Os meus olhos estarão sobre os fiéis da terra, para que se assentem comigo; o que anda num caminho reto, esse, me servirá.” Sal 101;6 Isso foi escrito um pouquinho antes de 1964.

Por fim, sexo, mesmo lícito, é assunto para ser decidido entre quatro paredes, não para espetáculo cuja “arte” demanda despudor, invés de talento, criatividade. Não ignoro os rótulos que nos dedicam: “Radicais, fundamentalistas, retrógrados, homofóbicos,” etc.


Isso não nos incomoda, pois a crítica dos errados de espírito é o melhor elogio que nos podem fazer. Falando em rótulos, não fosse sua cegueira apaixonada, iriam um pouco além deles, mediante discernimento, pois, o maior assassino de almas, costuma escrever, “mel”, nos rótulos dos seus frascos de veneno letal.

domingo, 10 de julho de 2016

Dupla identidade

“Aconteceu naqueles dias que, sendo Moisés já homem, saiu a seus irmãos, e atentou para as suas cargas; viu que um egípcio feria um hebreu, homem de seus irmãos. Olhou a um e outro lado, vendo que não havia ninguém, matou ao egípcio, e escondeu-o na areia.” Êx 2;11 e 12

Moisés em sua dupla identidade. Formalmente egípcio, sentimentalmente, hebreu. Passeava entre os escravos, como um supervisor de Faraó, mas, ao ver um dos de seu sangue ferido, a identidade formal sucumbiu ante o laço de sangue, matou ao soldado que era dos “seus”, para defender um dos seus irmãos.

A dupla identidade funciona em filmes de super-heróis, mas, na vida, mais dia, menos dia, o que somos, digo, aquilo que prepondera em nosso ser, assoma, sobretudo, em momentos de crise. Vulgarmente se diz: “A ocasião faz o ladrão”. Isso é falso! A ocasião é a crise que manifesta o ladrão que habita no interior do homem ambíguo, que encena ser honesto, mas, oculta um ladrão. O íntegro não sucumbe a ocasiões favoráveis, antes, mantém sua integridade. Jamais vi a ocasião presa por roubo, sempre é o ladrão o culpado.

Porém, agir de coração como hebreu e seguir com privilégios da Corte egípcia era quase impossível; assim, “olhou a um e outro lado, vendo que não havia ninguém ali, matou ao egípcio, e escondeu-o na areia.” Certificou-se de que não haveria testemunhas, depois, ocultou o cadáver tentando enterrar com ele, seu feito. Acontece que, o próprio irmão que defendera, espalhou a notícia. Tinham um defensor “egípcio”; “E tornou a sair no dia seguinte, eis que dois homens hebreus contendiam; e disse ao injusto: Por que feres a teu próximo? O qual disse: Quem te tem posto a ti por maioral e juiz sobre nós? Pensas matar-me, como mataste o egípcio? Então temeu Moisés, e disse: Certamente este negócio foi descoberto.” Vs 13 e 14

O anseio de ser bem quisto pelos dois povos ao mesmo tempo se revelara impossível, desde então. Como, quem fica sobre o muro acaba levando pedradas de ambos os lados, não ficou nem egípcio, nem hebreu, teve que fugir, acabou no deserto de Midiã. O que O Eterno fez depois, com ele, é outra história; por agora estamos analisando a dupla identidade.

Quantos são “Crentes” acariciando a um ser mundano dentro de si, e, à crise de uma tentação mais incisiva escandalizam a Obra de Deus? Ou, outros que, tendo sido salvos, por uma picuinha qualquer, voltaram as costas pra igreja, não conseguem agir mais como mundanos, levam uma vida dupla, nem ímpio, nem santo, apenas uma confusão que não serve cabalmente ao inimigo, nem, presta pra obra de Deus?

Tiago fez da duplicidade o tema de sua epístola. “Peça-a, ( sabedoria ) porém, com fé, em nada duvidando; porque o que duvida é semelhante à onda do mar, que é levada pelo vento, lançada de uma para outra parte. Não pense, tal homem, que receberá do Senhor alguma coisa. O homem de coração dobre é inconstante em todos os seus caminhos.” 1;6 a 8 O primeiro duplo, crente incrédulo, pede a coisa certa, e duvida. Não vai receber.

“Se alguém é ouvinte da palavra, não cumpridor, é semelhante ao homem que contempla ao espelho o seu rosto natural; porque contempla a si mesmo, vai-se, e logo esquece de como era.” O segundo duplo, o não praticante. A Palavra é boa como teoria, mas, na prática, prefere fazer as coisas do seu jeito mesmo.

Temos ainda o teórico, bom de propaganda e ruim de produto. “Meus irmãos, que aproveita se alguém disser que tem fé, e não tiver as obras? Porventura a fé pode salvá-lo?” 2;14 Nos lábios, amor, nos atos, indiferença.

O duplo de língua. “Com ela bendizemos a Deus Pai, com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus. De uma mesma boca procede bênção e maldição. Meus irmãos, não convém que isto se faça assim.” 3;9 e 10

Enfim, todas essas duplicidades são traços de um, que, como Moisés, ansiava pertencer a dois povos. Naquele caso era fisicamente mesmo. No nosso, a duplicidade possível é espiritual; Tiago resume: “Adúlteros e adúlteras, não sabeis que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.” 4;4

Finalmente, uma tomada de posição: “Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo, ele fugirá de vós. Chegai-vos a Deus, ele se chegará a vós. Alimpai as mãos, pecadores; vós de duplo ânimo, purificai os corações.” Tg 4;7 e 8


Se nossa escolha é a ditosa sina de ovelhas, que nossa dieta não seja de lobos; teríamos que comer a nós mesmos, numa autofagia espiritual.

sábado, 9 de julho de 2016

Obreiros aprovados

“Quando Efraim falava, tremia-se; foi exaltado em Israel; mas ele se fez culpado em Baal, e morreu.” Os 13;1 Sem me ater estritamente à saga de Efraim, o qual, quando falava ensejava temor, mas, foi da exaltação à morte, ao se fazer culpado ante Deus, quero ver esse aspecto, em nossas vidas, pois, o Deus de então É o Mesmo hoje, e, certamente mantém os mesmos valores.

Se, fora a culpa pela idolatria que enfraquecera ao, antes, exaltado Efraim, então, no começo andara em retidão, certa inocência, perante O Senhor.

A autoridade espiritual de um ministro aumenta, diretamente proporcional a sua obediência ao que o comissiona. Muitos acreditam que ser for feito “em nome de Jesus” uma oração, “determinação”, “decreto”, tal, estará turbinado pelo Poder de Deus.

Ora, em Nome de Jesus equivale a dizer: Em submissão a Ele, de acordo com Seus ensinos, Seu Senhorio, Sua Vontade. A Palavra de Deus é veículo que trafega sempre carregado; digo, está umbilicalmente ligada aos fatos, não, meras ideias, encenações, como tanto fazem os barulhentos comboios das palavras vazias.

Desse modo, tomar O Santo Nome nos lábios, requer algo mais que capacidade de articular certos fonemas; Paulo ensina: “Todavia o fundamento de Deus fica firme, tendo este selo: O Senhor conhece os que são seus; qualquer que profere o nome de Cristo aparte-se da iniquidade.” II Tim 2;19

Já, mediante o salmista, Deus depreciara ao que menciona Sua Palavra descompromissado com ela, dissera: “Mas ao ímpio diz Deus: Que fazes tu em recitar os meus estatutos, e em tomar a minha aliança na tua boca?  Visto que odeias a correção, e lanças as minhas palavras para detrás de ti?” Sal 50;16 e 17

E, nos provérbios temos uma verdade mais, rejeitando mesmo a oração de quem não anda em equidade: “O que desvia os seus ouvidos de ouvir a lei, até a sua oração será abominável.” Prov 28;9

Assim, o “poder” de um ministro do Evangelho nada mais é, que um aferidor espiritual de sua comunhão com O Pai, de onde emana todo o Poder. Um desses é convincente, inquietante, desafiador quando fala, pois, fala segundo Deus; e O Eterno quando fala, faz estremecer. Diferente de uns e outros da praça que buscam mascarar o lapso de comunhão com acréscimo de decibéis, e certa teatralidade ensaiada.

Alguns espalhafatosos descompromissados com O Salvador usarão seu espalhafato como argumento, por ocasião do juízo, contudo, esse será segundo o caráter, não, a arte de enganar. “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas, aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade.” Ma 7;21 a 23

Se, o praticar a iniquidade nos dias pretéritos era, sobretudo, o culto a Baal, em nosso tempo, o expoente maior da iniquidade religiosa é o culto ao dinheiro.  A Parábola do Semeador alude às sementes que caíram entre espinhos, figura equacionada ao cuidado com as coisas do mundo e a sedução das riquezas.

Porém, tais ministros não parecem mortos, vistos com uma lupa natural, afinal, ostentam portentosos impérios na Terra, malgrado mencionem O Reino Dos céus. Foi, aliás, a uma igreja que dizia: “Rico sou, e de nada tenho falta” que o Senhor aconselhou que melhorasse a visão. “Aconselho-te que... unjas os teus olhos com colírio, para que vejas.” Apoc 3;18

De Efraim está dito que, depois de ter falado com poder, se fez culpado e morreu; o que Paulo, noutro contexto chamou de começar no Espírito, e tencionar acabar na carne. Gente que alegremente aceitou o convite para O Céu, e desistiu quando emulado por caminhos mais fáceis.

A jornada dos salvos é uma graça para valentes, em meio à qual, os covardes são descartados, como fez Gideão mandado por Deus. E Os valentes do Altíssimo não são os que fazem mais barulho, ou, os templos mais belos, antes, os que aparecem menos, por dar lugar a quem de direito, Jesus Cristo.

Os covardes de então foram para casa enquanto os valentes nas mãos de Deus, pelejavam por eles. Os de hoje cobrem-se de verniz religioso pois, de tão covardes, nem assumir suas fragilidades ousam. Quando pregam, ninguém estremece, são agradáveis, jocosos, fúteis. Ministros de Deus, nesse cenário putrefato necessariamente serão, desmancha-prazeres, mas, Deus fala mediante eles, e quem lhes der ouvidos, achará o caminho.


A “piada” à qual o Céu ri, não tem graça ao homem natural; mas, traz vida eterna.

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Graça, desgraça

“Quebrantando alguém a lei de Moisés morre sem misericórdia, só pela palavra de duas ou três testemunhas. De quanto maior castigo cuidais vós será julgado merecedor aquele que pisar o Filho de Deus, tiver por profano o sangue da aliança com que foi santificado, e fizer agravo ao Espírito da graça?” Heb 10;28 e 29

Às vezes, no intento de diferenciar Lei e Graça, alguns fazem parecer que o Rigor deriva daquela, enquanto, a Graça seria de facilidades, tolerância, desprovida de demandas sérias. Entretanto, como mostra o texto supra, é maior culpado que eventual transgressor da Lei, um que malversa a Graça, o que equivale a profanar o Sangue da Aliança, agravar ao Espírito Santo.

Na introdução dos argumentos o autor faz questão de Situar Moisés e Jesus, devidamente. “Porque ele ( Cristo ) é tido por digno de tanto maior glória que Moisés, quanto maior honra do que a casa tem aquele que a edificou.” Cap 3;3

A Graça é a voluntariedade do Amor Divino fazendo em nosso favor algo que não merecíamos; possibilitando regeneração mediante Cristo. A Lei, o pano de fundo que serve para mostrar de modo cabal, nossa necessidade de Salvação. Não são coisas excludentes, ou, opostas, antes, complementares.

A Lei diz: “Seja santo, senão, morrerás.” A Graça propõe: “Já que estás morto em pecados, creia em Jesus Cristo e O obedeça; serás perdoado, e salvo.” Paulo desenvolveu: “De maneira que a lei nos serviu de aio, para nos conduzir a Cristo, para que pela fé fôssemos justificados.” Gál 3;24 “Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para remir os que estavam debaixo da lei, a fim de recebermos a adoção de filhos.” Gál 4;4 e 5

Havia uma maldição contra quem não perseverasse em toda a Lei. “Maldito aquele que não confirmar as palavras desta lei, não as cumprindo. E todo o povo ‘digitará’: Amém.” Deut 27;26 Aliás, após o pecado original, Deus dissera a Adão: “Maldita é a Terra por tua causa.” O Velho Testamento, pois, onde a Graça de Deus em Cristo não fora manifesta, termina, em Malaquias, justo, com a palavra, maldição. Todavia, o primeiro sermão do Salvador registrado no Novo começa com: “Bem aventurados...”

De novo, é Paulo quem esmiúça o ocorrido: “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro;” Gál 3;13

Assim, a Graça não equivale a uma licença para pecar, tampouco, uma diminuição da Santidade de Deus, onde me é facultado alargar um pouco a porta estreita. Eventualmente lembro de um irmão, cuja mãe ainda desconhecia ao Senhor, contudo, tinha textos decorados e convenientes nos lábios. Um dia, quando ela usou, falando com seu filho, “O Senhor é meu pastor...” ele replicou: “Ele apascenta ovelhas, não, cabritos.” Pode ter sido tosco, deselegante, mas, foi mui verdadeiro.

Acontece que, sermos verdadeiros no tempo atual causa desconforto, o negócio é sermos “legais”, senão, a galera no “curte” nossos textos. Eis a grande desgraça de nossos dias! A superficialidade a futilidade rasa de promessas fáceis, incondicionais, cuja única demanda do “fiel” é que ele digite “amém” para se apossar da “promessa”. Gente ridícula, sem noção, profanando ao Santo Nome do Senhor.

As promessas bíblicas são condicionais, e o “assim seja” de cada um, é cumprir as condições, não, pretender “pegá-las” como se faz com a azeitona usando o palito. “Quem ama Jesus, curte, digita amém”. Ele condiciona: “Se me amais, guardais meus mandamentos”. É esse Amém, que de nós, O Salvador espera.

Ora, as mais retumbantes promessas jogadas sobre quem ainda não abraçou à salvação não passam de cosméticos maquiando mortos. A bênção primeira é a vida, mediante Novo Nascimento, afinal, “Deus não é Deus de mortos”. E quem tem vida espiritual deixa de ser mero caçador de bênçãos, antes, luta contra as más inclinações, às quais deve crucificar todos os dias, se pretende corresponder deveras, ao amor Divino.

Quem não se esforça para conhecer Deus, Sua Palavra, Suas demandas, Seus pleitos, e se satisfaz com um “cristianismo” virtual, de faz de contas, não reclame no final, se herdar uma “salvação” de faz de contas. Essa coisa doentia de agradar aos homens em lugar de Deus, equivale, usando uma metáfora do Senhor, a pedir peixes pra quem só pode dar cobras.


Todos os dias somos instados a “carregarmos a tocha acesa” do trabalho duro em busca da “medalha” da vida honesta, mas, essa vida que tanto valorizamos, é efêmera, com prazo de validade. A que vale para a eternidade nem sempre tratamos com a devida seriedade. E brincar com algo tão sério não graça nenhuma.

domingo, 3 de julho de 2016

A "Graça" do diabo

“A minha alma tem tédio da minha vida; darei livre curso à minha queixa, falarei na amargura da minha alma. Direi a Deus: Não me condenes; faze-me saber por que contendes comigo.” Jó 10;1 e 2 Jó, no auge da angústia, invés de usá-la como pretexto para maus passos, fez dela motivo de oração. Se, decidiu que iria dar curso à sua queixa, o faria a quem poderia resolver, Deus. Primeiro, usaria uma súplica: “Não me condenes”; depois, iria inquirir ao Santo: “Faze-me saber por que contendes comigo”.

O fato é que, as inclinações internas de cada um tendem a impulsioná-lo em momentos de crise. Quem tem por hábito temer, cultuar a Deus, a Ele recorrerá. Quem é propenso aos vícios, dissolução, usará um mau momento como pretexto para mergulhar na lama que gosta, afinal, “me esforcei e não deu certo”, dirá. Ora, esforço se faz, justo, quando as coisas não dão certo, afinal, quando tudo vai bem, todos os ventos conspiram, sequer dele necessitamos para singrar tais águas.

Acontece que, tendemos a absolutizar o ensino de que, cada um colhe o que planta. Isso não é bíblico? É. “Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso, também ceifará.” Gál 6;7 Entretanto, o verso seguinte aponta para o tempo da colheita: “Porque o que semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas, o que semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna.” Assim, tanto a corrupção da carne, quanto, a Vida Eterna, demandam certo tempo, de modo que a ceifa não acontece ao açodo de nossas expectativas imediatistas.

Porém, voltando a Jó, não era exatamente O Criador que contendia com ele. Havia uma contenda entre O Eterno e o inimigo, sobre a fidelidade do servo. Ele, posto que, “Reto temente a Deus, que se desviava do mal”, estava no centro de um pleito milenar. Deus o tinha por fiel em qualquer circunstância; o inimigo alegava que era mero interesseiro, de modo que, se as bênçãos do Senhor fossem removidas, a fidelidade sumiria. Deus permitiu que o inimigo lhe tocasse, para que ficasse demonstrado quem tinha razão.

Desse modo, se é certo que, no devido tempo teremos a colheita fiel, consoante com nossa semeadura, circunstancialmente, temos que conviver com “injustiças” de Deus, e injustiças do inimigo. Como, de Deus? Ora, coloquei essa entre aspas, pois, difere da do inimigo. Se, Deus nos tratasse em justiça estaríamos perdidos. Nos desse apenas o que merecemos sairia de cena Sua Majestosa Graça. “Mas se é por graça, já não é pelas obras; de outra maneira, a graça já não é graça...” Rom 11;6 Assim, Deus não é Justo com os salvos; é mais que isso: Gracioso, benevolente, misericordioso. O Preço pago por Jesus Cristo satisfaz à Sua Justiça, e aos arrependidos e fieis, justifica, mas, segue o fato que, somos pecadores injustos.

Contudo, a carreira dos salvos sofre o concurso da oposição. E, quando, depois de perdoados, justificados, mudam seu jeito de ser, segundo Cristo, entra em cena a “graça” do diabo. Digo, se, por um lado a bondade de Deus nos dá muito mais do que nossos méritos, dado que, injustos, pelo lado oposto, a maldade do traíra nos dá muito mais do que merecem nossas culpas, posto que, perdoados; atribula tanto, quanto pode, para que, ao peso de tais tribulações fraquejemos, e deixemos o caminho. Assim, o sofrimento dos “justos” é a confissão do diabo de que perdeu domínio sobre aqueles; que tais, foram conquistados pelo Salvador.

Ele não omitiu que passaríamos por isso, mas, considerou mera semeadura, cuja colheita viria no Reino dos Céus. “Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus; Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa. Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.” Mat 5;10 a 12

Enfim, nem a colheita se dá no tempo que ansiamos, tampouco, a resposta de Deus aos nossos pleitos, ainda que, legítimos, como fora o de Jó. Invés de responder ao porquê da contenda, O Santo fez uma série de perguntas que fizeram seu servo levar a mão à boca e silenciar.

Porém, satisfeito o propósito Divino, abençoou duplamente ao servo fiel, e respondeu a tudo desde o início; senão, não teríamos a história contada em suas minúcias como a temos.


Concluindo, se a bem aventurança eterna aguarda aos, hoje, fieis, circunstancialmente, as lutas os assolarão, tanto, quanto, mais dedicados ao Senhor se mostrarem. Pois, o astuto inimigo não gasta suas setas contra alvos mortos.