Google+ Badge

sábado, 28 de novembro de 2015

Caráter ou, metamorfose?

“...aquele que jura com dano seu, e contudo não muda.” Sal 15; 4

É certo que o Senhor Jesus desaconselhou que façamos juramentos, coisa usual nos dias antigos. Não que isso signifique a desobrigação de coerência entre fala e atitudes; antes, a integridade a atingir é tal, que dispensaria juramento. Daí, “seja vosso sim, sim; e vosso não, não.”

Alguns já me questionaram sobre a oração, dizendo: “Por que devo fazê-lo, se, Deus sabe o que necessito antes que eu peça”? Ora, além do inalienável arbítrio que me faculta escolher, se, o Eterno me desse tudo o que necessito sem minha participação, mínima que fosse, Ele se tornaria servo e eu, Senhor. E a ideia é o oposto.

O simples chamá-lo de Senhor é algo que falo “com dano” meu; digo, me colocando na condição de servo, cujas escolhas pessoais não podem afrontar à ordem macro, do Reino. Por isso, aliás, antes de dispor as minhas escolhas, na oração modelo o Mestre disse que deveríamos Santificar ao Nome de Deus, pedir a vinda do Seu Reino, a expressão da Sua Vontade.

Meus pedidos pessoais seriam sóbrios: O pão cotidiano, perdão dos pecados de modo isonômico, isto é, da mesma forma que sou capaz de perdoar, e, por fim, livramento nas tentações.

“Lato sensu” Deus dá graças a todos, justos e injustos, propiciando os meios básicos para a vida natural; contudo, o foco aqui é a vida espiritual dos que “nasceram de novo” e pertencem, ou, pelo menos, afirmam pertencer ao Senhor.

Por que eu não deveria mudar de posição mesmo em face a um eventual dano num compromisso assumido? Por duas razões; uma moral, outra, econômica.

Epa! Isso é contraditório! No prisma econômico parece que devo mudar, afinal, o dano... É. Meu presumido interlocutor teria razão superficialmente em sua objeção.

Costumamos filosofar, ante perdas: “Vão-se os anéis, ficam os dedos.” A ideia é que posso perder coisas acessórias, desde que, o principal seja mantido. Simplificando mais: “Danem-se as posses, os bens, desde que, reste a vida.”

Ainda não me convenceste, diria o tal, afinal, trata-se de um compromisso, uma promessa, não um bem que estaria abrindo mão. É. Mudar de posição para não perder algo material parece sensato no prisma econômico, contudo, estamos tratando da economia de Deus.

Nesse aspecto, minha escolha reluta entre preservar a honra, a integridade, coisas que Deus ama, pra agradá-lo, mesmo com dano meu, ou, sacrificar isso e minha relação com o Rei, por mera vantagem temporal.

“Que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro, se, perder sua alma”? Disse o Salvador do pobre rico da parábola. É o caso aqui, agravado pelo fato que está em jogo uma ninharia em oposição à alma, não, o “mundo inteiro” que, ainda assim, deveria ser desprezado.

Posta a razão econômica, resta a moral. Como seria a vida em sociedade se, tudo, e todos, fossem uma “metamorfose ambulante” como cantou o Raul Seixas? Hoje sou uma coisa, amanhã seu oposto; agora falo isso, logo ali, desdigo em prol daquilo...

Se, tal conceito de “liberdade” é um bem, pode espraiar-se por todo nosso modo de vida. Hoje aciono a descarga e ela leva os rejeitos; amanhã repito e ela traz mais; hoje primo a tecla e ela acende a luz; amanhã, queima um eletrodoméstico, me deixa no escuro; engato a primeira e o carro avança, amanhã, retrocede...

Espere, volverá o presumido aquele, esses são exemplos físicos, não se trata de mudar os discursos. São, como de resto são, as Parábolas de Jesus, cujo fito não era outro, senão, ensinar via exemplos palpáveis, os valores e implicações espirituais. A mesma desordem que se daria no mundo físico em face aos exemplos supra, se dá no espiritual, quando a os coisas assumidas não são cumpridas.

Aliás, grande parte da imensa rejeição que pesa sobre o partido de nosso Governo reside precisamente nisso; no fato de ter prometido determinadas ações e feito seu oposto após as eleições.

Reclamamos com razão, da falta de caráter. Falando nele, os signos dos teclados que usamos para escrever são chamados caracteres, que é o plural de caráter. E como ficaria se, de repente, tais, abdicassem do ser? Você tencionaria escrever “Fada”, por exemplo, iria às letras necessárias, e sem mais nem menos, o “a” cansado da rotina decidisse que naquele diria seria “o”? Viram um fragmento dos muitos danos da falta de caráter?

Escrevemos nossos, "tratos com", daí, contratos para que se registre e cumpra o que foi pactuado. Perante Deus, o que falamos está registrado; o que Ele falou, afirmou que não passa, mesmo que passem Céu e Terra; Se, age com integridade assim, pode requerer o mesmo de quem O serve.

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

A barragem vai se romper

Duas vertentes políticas em infindável conflito, Direita e Esquerda. O quê, defendem?
A Direita, no prisma econômico é pela livre iniciativa o empreendedorismo, de um Estado “enxuto”; no aspecto dos valores é conservadora; direito à vida, preservação da família, contra as drogas; mesmo que rasos, a maioria, partidários da existência de Deus.
A Esquerda que seria “dos pobres”, defende um Estado paternalista, assistencialista, interventor. Sua moral é “progressista”, advogando aborto, descriminação das drogas, casamento gay...
Abstraídos méritos, a Direita seria de certa mesmice conservadora; a esquerda, de um progressismo inovador. Avancemos além dos rótulos, pois.
Pelo que foi posto, parece que, “mudança” é o cabo-de-guerra entre ambas. Mas, ela é algo bom ou, ruim? Em si mesma diria que é neutra; depende de onde se sai, e, sobretudo, pra onde se ruma.
Acredito que os dois lados encerram certa contradição. Digo, os conservadores no aspecto moral são progressistas, inovadores, no econômico-político. Os “progressistas” nos valores são jurássicos na organização político-econômica, copiando modelos que faliram nações no leste europeu. Desse modo, mera definição conceitual resultaria num empate, uma vez mais, abstraídos os méritos, cotejando apenas rótulos.
Tentemos mais luz por outro caminho. Quais as razões das mudanças? Não precisamos cérebros geniais para concluirmos que derivam de nossas imperfeições. Deus, que É Perfeito afirma que não muda. Tiago assegura não haver Nele nem sombra de variação. Se, cambia em algo, o faz por amor, flexibilizando em atenção às nossas fraquezas, nunca, buscando uma perfeição ausente, como nós.
Afinal, ninguém muda pensando em piorar, antes, tendo como alvo o que, pensa ser melhor. Assim, a mudança é uma “autocrítica” de alguém que reconhece-se, alienado do melhor.
Contudo, valores como a preservação da vida, da lucidez, da família, combinam perfeitamente com os preceitos de Deus, que não muda; desse modo, não mudar também me parece sensato. Ademais, qualquer mudança aí equivale a desconsiderar a existência de Deus, ou, atribuir falhas a Ele. Gostando ou não, é conclusão necessária.
Na economia, beneficiar à livre iniciativa dá azo à geração de empregos, o que permite ao Estado ser menos paternal; e, emprego dignifica muito mais que uma bolsa qualquer, além de cooperar com o crescimento econômico invés de estagná-lo mediante mera dependência.
Contudo, o Estado Leviatã, o monstro controlador que se verifica entre os “socialistas” empobrece por duas razões: Primeira: desencorajando à livre iniciativa fecha as portas à contribuição que os talentos naturais das pessoas poderia dar. Segunda: Patrocina zangões sociais que nada produzem e são mantidos às expensas do Erário quando isso interessa ao partido dominante. Se alguém pensou no MST, rebuscou-se de ótimo exemplo.
Assim, a Esquerda muda no que não deveria ser mudado; os valores espirituais, morais, que permeiam uma sociedade razoavelmente saudável; e é conservadora de uma estrutura político-social arcaica que já deu assaz provas de ineficiência, por onde passou.
A direita, longe de ser um retiro de santos, pelo menos tem uma visão mais pragmática, menos viciosa de mundo, na minha modesta apreciação.
Mas, e a defesa dos pobres, não é preceito de Deus? Ora, se os “socialistas” fossem os “Robin hoods” que pretendem, seus próceres não se apressariam a enriquecer mediante corrupção, mesmo se dizendo inimigos das elites.
Tais, parecem com líderes Islâmicos que criam os “homens-bomba”, mas, nenhum deles explode para mostrar aos seguidores como se faz. Não passam de manipuladores de incautos, compradores de votos com dinheiro público, populistas sem caráter nenhum.
Quer dizer que sou PSDB? Nem de longe pretendo ser imparcial em minha análise, sempre tomo posição; pretendo apenas, ser intelectualmente honesto.
Contudo, em nome dessa honestidade, não vejo os tucanos como de Direita. São esquerdistas também. O que os difere do PT é que são de um viés democrata, que respeita as instituições, diverso do PT que é totalitário; instrumentaliza e se apropria do Estado pelo partido. Não vejo no País um partido de Direita como gostaria; quando muito, frações.
Mas, é triste ver a América Latina estocando rejeitos da Europa e Ásia, coisas que tanto dano causaram lá, e pessoas esclarecidas defendendo tal lixo.
Felizmente, na Argentina acaba de “estourar a represa”; triste alegoria com a tragédia de Minas Gerais. Que todos os diques da mentira, do engano, da violência disfarçada em democracia, rompam-se, para que, após o inevitável “dano ecológico” a América latina volte a respirar o ar puro do Estado de direito.
Alguém quer ser gay, abortar, usar drogas, que o faça em particular, mas, não com incentivo e custos de imensa maioria que não adota, nem defende tais práticas.
Crescimento econômico deriva do trabalho, é fruto dos cidadãos não do Estado. Que o bicho pare de assalariar vagabundos, e saia da frente, para não atrapalhar a quem faz.

domingo, 22 de novembro de 2015

O que farta e o que falta

“Eu te conheci no deserto, na terra muito seca. Depois eles se fartaram em proporção do seu pasto; estando fartos, ensoberbeceu-se o seu coração, por isso se esqueceram de mim.” Os 13; 5 e 6

Olhando esse texto não fica difícil concluir que, a soberba é um pecado dos que estão fartos. No “deserto” nas provações, não raro, somos humildes e aceitamos a aproximação de qualquer ajuda, até de Deus. Por quê, “até” de Deus? Porque a relação com Ele é responsabilizadora, requer obediência, coisa que assusta à maioria de nós.

Se nos desse o que pedimos pela módica oferenda de um despacho nas esquinas, como fazem certas crenças, seria muito mais fácil. Entretanto, em Seu amor Paternal, O Eterno nos dá o que precisamos, não, o que pedimos.

Isso, de não estar mais no controle assusta à maioria dos que fogem da cruz. Ela equivale à negação do “Eu”, que conduz automaticamente à dependência de Deus, no deserto, ou, na fartura.

Ouso dizer que, no primeiro caso é mais fácil, que no segundo. Por quê? Porque nas privações o alvo é a sobrevivência, qualquer auxílio é bem-vindo com esse fito; na fartura tendemos a nos entediar das bênçãos que possuímos e rumar às aventuras; uma vez que a sobrevivência parece garantida, devaneamos com a sombra dos prazeres.

Foi o caso do Filho Pródigo que, cansado da monotonia abençoada da casa paterna decidiu por novas experiências. Claro que, em princípio, soa muito mais leve a boa vida comparada à sina de um mordomo responsável. Acontece que a boa mordomia preserva a fonte que garante o conforto para viver, enquanto a dissolução dos prazeres apenas a consome, como a peste dos gafanhotos sobre uma seara.

Uma vez dilapidados os bens, e faminto entre os porcos, “no deserto” teve enfim, um “insight” um lampejo de luz sobre a situação. Os empregados de seu pai eram mais felizes que ele.

Aquilo que lhe parecera um tédio, então, havia se tornado uma bênção demasiado alta, pois, cogitou ser apenas empregado, não, retornar à posição de onde saíra.

Não é sábio atrelar nossas vidas às circunstâncias, pois, essas mudam rapidamente. Se, as adversas podem conduzir ao Pai, como vimos, as de fartura podem nos inflar em orgulho e afastar Dele.

O ideal seria que fôssemos como Jó; fiel, tanto na fartura, quanto, na humilhação. Salomão apresenta-as, as variáveis circunstanciais como fontes de experiências derivadas de Deus. “No dia da prosperidade goza do bem, mas, no dia da adversidade considera; porque também Deus fez a este em oposição àquele, para que o homem nada descubra do que há de vir depois dele.” Ecl 7; 14

O Salvador abordou isso também, com outras palavras, disse: “Acautelai-vos da avareza, pois, a vida de qualquer um não consiste na abundância do que possui.” Afinal, se os servos de Deus dependem Dele, são ricos já, embora, ao Pai possa parecer oportuno discipliná-los em meio a certas adversidades visando crescimento em experiência, maturidade.

Mesmo o Senhor foi consagrado mediante as privações; vejamos: “Porque convinha que aquele, para quem são todas as coisas, mediante quem tudo existe, trazendo muitos filhos à glória, consagrasse pelas aflições o príncipe da salvação deles.” Heb 2; 10

Se nosso Mestre e Senhor foi “homem de dores” mesmo inocente, por que, nós, culpados, seríamos prósperos e intocáveis ante as adversidades? Sim, sei o que os da “Prosperidade” pregam; mas, derivo minhas conclusões da Palavra de Deus, não das comichões vis dos mercenários.

Os bens são meros meios; nem tocam na questão essencial, a vida. Num cemitério, por exemplo, vemos desde meras covas, aos mais requintados e decorados jazigos. Mas, o fato comum é que, tanto a pompa quanto a singeleza contêm um morto, o resto é vaidade de quem pode se dar a ela.

O mundo é, após a queda, um imenso cemitério com cadáveres adiados, cada um com o sepulcro que pode; chamamos de casas... Aos tais mortos, que podem ouvir, O Salvador prometeu ressuscitar se, eles quiserem. “Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, não entrará em condenação, mas, passou da morte para a vida. Em verdade, em verdade vos digo que vem a hora, e agora é, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus, os que a ouvirem viverão.” Jo 5; 24 e 25

Talvez, a presunção de estarem vivos seja a “fartura” que tolhe a muitos de receberem a Vida mediante o Salvador. Ele foi categórico quanto a isso: “...Na verdade, na verdade te digo; aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.” Jo 3; 3

domingo, 15 de novembro de 2015

Guerra, o "diálogo" possível

“O homem de grande indignação deve sofrer o dano; porque se tu o livrares ainda terás de tornar a fazê-lo.” Prov 19; 19
Deixar a violência sem consequências equivale a preservá-la. Você livra eventualmente um violento, e terá que fazer outras vezes.
Isso não sai da pauta na sociedade moderna, infelizmente, e quando atos com os dos terroristas do Estado Islâmico em Paris acontecem, a coisa aumenta.
Dilma disse na ONU que se deve dialogar com os tais. Ora, para eles Alá é Deus, quem não o segue é infiel; a violência contra infiéis é lícita, desejável; assim, a única “linguagem” possível é unir-se a eles ou enfrentá-los. Coexistir na diversidade nem pensar.
Infelizmente, por violento que seja, é necessário “dialogar” com eles, antes que novo banho de sangue manche a Europa ou, outro lugar qualquer. Estou defendendo a guerra? Estou sim. Morte aos cortadores de cabeças!
Mas, em guerras sempre morrem inocentes, se apressará algum defensor. O que ocorreu em Paris? Pelo menos, uma guerra declarada não é covarde, subterrânea, como o terrorismo que eclode aleatório, qualquer alvo serve desde que, “infiel”.
Bem conhecemos a sanha dos defensores dos “direitos humanos” que sempre se colocam contra a polícia ao lado de bandidos, como se, policiais não fossem humanos. Esses mesmo, como o imbecil do Jean Willis que diz que um infante é “maduro” para decidir sobre mudar de sexo, mas, “imaturo” aos 17 anos, para responder por seus crimes.
A Bíblia ensina de modo categórico como combater à “violência policial”, diz: “... Queres tu não temer a autoridade? Faze o bem, terás louvor dela. Porque ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus, vingador para castigar o que faz o mal.” Rom 13; 3 e 4
Não que não ocorram casos pontuais de violência policial, mas, quando ocorrerem, sejam tratados como tais, não, como regra.
Infelizmente, não existe como tratar a violência sem o concurso de outra maior. Mas, e Deus, e o perdão? Essa possibilidade de acesso foi conquistada por Cristo mediante o sofrimento de uma violência ímpar, na cruz. Seus seguidores são instados a aceitarem a mesma sorte. A diferença é que O Senhor sofreu na carne, para que nossas almas possam ser tratadas em espírito, a violação que sofremos é muito menor.
Nossos gostos, anseios, pensamentos, a mente, deve ser mortificada para que nos seja implantado um “Chip” com os pensamentos de Deus. “Deixe o ímpio o seu caminho, o homem maligno os seus pensamentos; se converta ao Senhor, que se compadecerá dele; torne para o nosso Deus, porque grandioso é em perdoar. Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor.” Is 55; 7 e 8
Essa mudança, a conversão, nos tira da senda do juízo e coloca na vereda da misericórdia. O Senhor ensina: “Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia;” Mat 5; 7 Promete isonomia de tratamento. Tiago lembra as consequências de ignorar isso; “Porque o juízo será sem misericórdia sobre aquele que não fez misericórdia; a misericórdia triunfa do juízo.” Tiago 2:13
O mesmo Senhor exemplificou isso de um que foi perdoado e não perdoou: “Não devias tu, igualmente, ter compaixão do teu companheiro, como eu também tive misericórdia de ti? Indignado, seu senhor o entregou aos atormentadores, até que pagasse tudo o que devia.” Mat 18; 33 e 34
Uma vez mais, a violência como consequência da falta de misericórdia. Então, por que não pregar o amor aos do Estado Islâmico? Por que para eles a questão espiritual está resolvida; mudariam nossas cabeças de lugar antes que mudássemos um só dos seus pensamentos.
Paulo tinha sua vida espiritual “resolvida” quando ajudou na morte de Estêvão, mas, foi derrubado do cavalo, cegado por três dias até a implantação de novos pensamentos sobre Jesus, e ainda assim, após sua carreira de muitos sofrimentos e relevantíssimos serviços a Cristo, no final, foi assassinado. Sua alma foi salva, seu corpo pagou pela violência pretérita.
Não gosto desse viés doentio que acena com direitos antes dos deveres. Soa lógico como colher antes de plantar.
No deserto Deus fez chover maná, na terra prometida parou; mandou cultivá-la. Nossos “méritos” nos deixam no deserto. Mas, Cristo, o “Pão do Céu” alimenta e conduz à “Terra Prometida” da salvação. Após, somos exortados ao cultivo das sementes que Ele deixou.
Enfim, o aniquilamento bélico do EI poderia “derrubar do cavalo” potenciais seguidores, para, quem sabe, alguns remanescentes ainda descobrirem o caminho do amor de Cristo, e o perdão Divino. Guerra não é um bem, mas, talvez seja, um mal menor.

PT, mentira é o teu nome

Ao se testemunhar é usual fazer juramento sobre a Bíblia de falar somente a verdade. Se, a parte oposta provar que, uma testemunha está mentindo, nada do que disser terá relevância estará desqualificada. À justiça interessa apenas, verdade; quem mente em ocasião solene pode mentir sempre, não merece confiança nenhuma.

Como o PT advoga que tudo o que se diz contra o partido é fruto de mentiras, não deveria ser levado em conta. Contudo, os que lhes acusam afirmam que as defesas do partido é que são mentirosas; ataques ignorando a necessidade de se defender do que pesa contra eles; partem pra cima com o fito de desqualificar acusadores.

Bem, quem for pego com a “boca na botija” da mentira, seja desqualificado em tudo o que disser.

Dizem, por exemplo, que as empresas que “doaram” para a campanha de Dilma o fizeram também para Aécio, o que, é verdade. Entretanto, a acusação não é que tais fizeram doações; o que é lícito. Mas, que servidores PT coagiram empresas a fazê-lo sob pena de perderem suas “facilidades” nas “licitações” de obras da Petrobrás; isso dito por delatores das empresas envolvidas, não, por adversários. Logo, nivelar ambas as situações é mentira.

Outra acusação é que os 27 milhões faturados pelas “palestras” do Lula seriam, na verdade, propina “lavada” com pretexto de pagamento. Houve “palestra” que rendeu 900 mil de uma vez.

Bem, faça-se uma “promoção” ao povo em geral, exceto, petistas, quem, grupo, empresa, associação pagaria dez por cento disso para ouvir ao ilustre palestrante. Não preciso ser guru para prever que ninguém fará; logo, o valor deve ser oriundo de outro “mérito”; a palestra é uma máscara, portanto, mentira.
O mesmo se pode dizer dos “Ronaldinhos” dos negócios, os filhos do homem e suas riquezas meteóricas.

Quando reclamamos da roubalheira geral somos acusados de não aceitarmos o resultado das urnas, como se fosse o caso. O resultado foi aceito, a presidente empossada; se disseram uma coisa e fizeram outra, os pouco menos de 50% que a reprovavam subiram para 80, isso é fruto do estelionato que cometeram, dizendo algo na campanha e fazendo seu oposto no poder. Desse modo, toda a campanha vitoriosa sustentou-se na mentira.

Mais; a presidente, outro dia, disse que interromper rodovias é crime, não seria tolerado, ameaçando aos caminhoneiros com pesadas multas e uso da força; contudo, os vermelhinhos vagabundos do MST o fazem sistematicamente e nunca são punidos, desse modo, o “zelo” de Dilma que usa dois pesos e duas medidas é também, mentira.

Agora, o pior: A mentira coletiva de todos os petistas: Ante a ameaça de impeachment da presidente todos eles, até os infiltrados no STF como Lewandowski dizem que isso seria um golpe na democracia.

Ora, esse instrumento está previsto na constituição, já foi usado contra Collor, com efusivo apoio, eu diria, protagonismo do PT; assim, todos eles são mentirosos. Os da base, os pequenos que os defendem incondicionalmente são, no mínimo, cúmplices de mentira.

Quando digo e reitero, que é impossível ser petista e ser honesto muitos se ofendem. Mas, sejam eles vitimados num negócio particular em que seu contratante use de mentira lhes prejudicando, e presto reclamarão de tal desonestidade, de modo que, podem provar em si mesmos que meu argumento é veraz.

Não dá pra ser mentiroso, ou, cúmplice de mentira e honesto, ao mesmo tempo. São coisas excludentes, uma, ou, outra. Uns falam mal de Aécio, FHC, como se eu os estivesse defendendo. Estou defendendo a verdade. Se alguém de qualquer sigla incorrer na mentira que seja devidamente responsabilizado.

Por que, eventuais “honestos” seguem sendo petistas então, invés de saírem como fizeram Hélio Bicudo, Fernando Gabeira e outros mais? Por que não são mentes livres, antes, reféns de uma paixão.

Por exemplo, minha paixão futebolística é torcer pelo Grêmio, e mesmo num estio de títulos como vivemos atualmente, não consigo torcer por outro time; sigo gremista até que as glórias voltem, ou, mesmo, se elas não voltarem mais.

Mas, a política deveria advir do domínio da razão, não da paixão. Se chegar em meu trabalho alguém pedindo emprego, como muito acontece, mormente nesses dias, alguém, digo, com visíveis traços de embriaguez ou, quiçá drogas, eu sequer perderei meu tempo com o tal, mesmo tendo vaga. Visivelmente o tipo não serve para o papel.

Uma eleição não deveria ser vista como competição entre clubes rivais. Nela sou empregador contratando gerentes para administrarem meu dinheiro, e comprovados mentirosos contumazes não me servem, simples assim.

Mas, todos mentem, dirão. Em certo sentido sim; exageram, devaneiam, viajam na maionese, ou, mentem mesmo; mas, se os demais na corrida da mentira são o lobo mau, o PT é o papa-léguas, bip, bip...

domingo, 8 de novembro de 2015

Coração duro; que dureza!

E, entrando em casa, a ninguém deixou entrar, senão, Pedro, Tiago, João, o pai e a mãe da menina.” Luc 8; 51   

O Senhor estava prestes a fazer algo grandioso; ia ressuscitar à filha de Jairo. Contudo, restringiu bastante o número de testemunhas. Apenas os pais da menina, e três discípulos, Pedro, Tiago e João. 

Seus irmãos carnais chegaram a reclamar certa vez, de Sua falta de jeito para a propaganda; “Se fazes essas coisas, manifesta-te ao mundo.” Disseram. 

Que oportunidade de ouro para chamar às câmeras, documentar tudo e exibir no horário nobre!! Mas, isso combinaria com os “apóstolos” de hoje, não com Ele. Nunca foi espetaculoso, apenas, prático, amoroso, prudente... ante Herodes que queria ver milagres como se fosse plateia e Jesus, um artista, nada fez; não estava a serviço da curiosidade ímpia, antes, da Vontade do Pai.

Erram os que pensam acessar às coisas Divinas mediante o intelecto. Carecemos, antes, fé para entrar; e obediência, fidelidade, para nos tornarmos íntimos do Santo; depois, seremos partícipes de Sua revelação. “O segredo do Senhor é com aqueles que o temem; e ele lhes mostrará a sua aliança.” Sal 25; 14 

Temos as parábolas, com veras razões, como ferramentas didáticas excelentes, uma vez que, lançando mão de trivialidades imanentes, nos facultam conhecer verdades transcendentes. 

Contudo, no contexto em que foram proferidas, serviram mais para “ocultar” verdades aos duros de coração, que pra revelar. O mesmo Salvador disse isso: “E, acercando-se dele os discípulos, disseram-lhe: Por que lhes falas por parábolas? Ele, respondendo, disse-lhes: Porque a vós é dado conhecer os mistérios do reino dos céus, mas a eles não; porque àquele que tem, se dará e terá em abundância; mas àquele que não tem, até aquilo que tem lhe será tirado. Por isso lhes falo por parábolas; porque eles, vendo, não veem; ouvindo, não ouvem nem compreendem. E neles se cumpre a profecia de Isaías, que diz: Ouvindo, ouvireis, mas não compreendereis, E, vendo, vereis, mas não percebereis. Porque o coração deste povo está endurecido, E ouviram de mau grado, fecharam seus olhos para que não vejam, ouvidos para que não ouçam, compreendam com o coração, se convertam e eu os cure.” Mt 13; 10 a 15 

Assim, um coração endurecido ante Deus, não apenas não recebe Dele revelações, como, se torna incapaz de perceber mesmo o que está patente. 

Desse modo, aliás, devemos entender a expressão que “Deus endureceu o coração de Faraó” cada vez que o rei agia insanamente apesar das gritantes evidências de estar numa luta inglória, impossível de vencer. O Criador não o forçava a pecar, apenas, o entregava a si mesmo, que equivale a endurecer o coração. “Tens visto o homem que é sábio a seus próprios olhos? Pode-se esperar mais do tolo do que dele.” Prov 26; 12 

Todos nós possuímos um coração assim, no tocante às coisas de Deus. Sem uma ajuda do alto, nada feito. 

Por isso, é indispensável a ação conjunta do Espírito Santo com a pregação da Palavra. Enquanto Essa é um agente externo de persuasão, Aquele é interno atuando com o fito de amolecer as "defesas" do Pecador. 

É Necessária uma intervenção tão drástica que, mediante Ezequiel Deus ilustrou como se fosse um transplante de órgãos; “Então aspergirei água pura sobre vós, e ficareis purificados; de todas as vossas imundícias e de todos os vossos ídolos vos purificarei. E dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne.” Ez 36; 25 e 26 

Aspersão de água pura, a pregação da Palavra; mudança de coração, a ação, e posterior habitação, do Espírito Santo nos salvos. Após isso somos capacitados a termos intimidade com Deus. 

Paulo ensina: “Porque, qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o espírito do homem, que nele está? Assim também ninguém sabe as coisas de Deus, senão o Espírito de Deus. Não recebemos o espírito do mundo, mas, o Espírito que provém de Deus, para que pudéssemos conhecer o que nos é dado gratuitamente por Deus.” I Cor 2; 11 e 12

Quem se tornou íntimo do Senhor não precisa milagres para crer, ainda que, os presencia sempre; os que têm o coração endurecido, mesmo que vejam duvidam, seus olhos espirituais ainda não foram abertos.

Intimidade demanda acordo, coesão; “Porventura andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?” Am 3; 3 

Quem quer presenciar os feitos grandiosos de Jesus precisa andar com Ele; para isso, propôs um contrato de uma cláusula apenas: “Se alguém quer vir após mim, negue a si mesmo, tome cada dia a sua cruz, e siga-me.” Luc 9; 23

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

O PT e o castelo voador

“Se forem destruídos os fundamentos, que poderá fazer o justo?” Sal 11; 3

O fundamento é a base sustentadora de uma edificação; sem a tal, nada feito. Dizem que psicóticos fazem castelos “no ar”, mas, os saudáveis carecem um apoio sólido.

Assim como a estrutura de vigas, pedras, está para uma casa, edifício, estão os valores morais, espirituais, para a sociedade. Parece que a alusão supra é a esse fundamento, uma vez que, sua destruição deixaria impotente o justo, invés de ruir uma obra qualquer.

Mas, como se pode destruir uma gama de coisas abstratas que está amalgamada ao tecido social? Para usar uma palavra da moda, desconstruindo-as. Isaías já vira algo assim em seus dias, embora, retrate mais fielmente aos nossos. “Ai dos que ao mal chamam bem, ao bem mal; que fazem das trevas luz, da luz trevas; fazem do amargo doce e do doce amargo!” Is 5; 20

Como se portaria eventual justo num cenário assim, onde as palavras padecem anemia de significado; valores aprendidos já não são como antes? Como dirigir, por exemplo, se o espelho retrovisor, invés de retratar fielmente o que há na retaguarda, mostrar obstáculos inexistentes, ou, sonegar outros que há. Fatalmente culminará em acidente.

Infelizmente, dada a “desconstrução” hodierna, muitas palavras foram vertidas em espelhos indignos de confiança. Exemplos? Há tantos. Um internacional; “República” Popular da China; o nome oficial do grande país da Ásia. Mas, o que significa República? Ré, Pública. Ou seja, o povo, o público tem direito de julgá-la como ré num tribunal, se a tal cumpre fielmente os anseios sociais pactuados num regime, necessariamente, democrático.

Entretanto, lá, vigora a ditadura de um partido apenas, que escolhe entre as lideranças quem vai governar; povo não escolhe nada. Há alguns anos estudantes marcharam pedindo democracia e foram trucidados no trágico “Massacre da Paz Celestial.” Assim, a palavra República não significa nada, por lá.

Igualmente, ditaduras sanguinárias como Cuba e Venezuela são defendias pelos canhotos como “democracia”, onde, o povo escolheria livremente seus representantes. Contudo, a Blogueira Yaoni Sanches, cubana, foi perseguida até por aqui, numa súcia de comunistas internacionais por que discorda do regime de seu país; discordar, por lá, é crime. Democracia, mais um “espelho” inútil.

Em nosso escopo, a palavra assassinada é “Golpe”. Cada vez que um canhoto fala, aventando a hipótese do Impeachment de Dilma, fala em “Golpe da oposição.”

Ora, Golpe pressupõe uso indevido da força, ou, de meios ilícitos para chegar ao poder; impeachment é instrumento constitucional, portanto, democrático.

Não acho que a “direita” seja a virtude e a “esquerda” o vício; ambas as correntes têm seus problemas; mas, é notório que os ditos esquerdistas carecem assassinar à verdade pela manutenção do status quo, isso, até um mentecapto perceberia.

As redes sociais possuem muitos deles, a soldo, não de moto espontâneo como fazem os cidadãos indignados; usam “argumentos” falaciosos e ameaças de violência contra quem discorda.

Ontem, em virtude de um comentário discordante que fiz numa dessas páginas alugadas para defender o indefensável fui desafiado a “mostrar minha cara”, uma vez que uso a foto de meu carro amassado, em sinal de gratidão a Deus que me livrou de um acidente que poderia ser fatal.

Respondi ao valentão que dou meu endereço se ele desejar, mas, “minha cara” são meus valores que esposo no que escrevo, pelo menos, para o consumo social. Se as razões forem afetivas, aí espero que minha cara seja apreciada por uma beldade, não por um corrupto júnior, um presidiário em gestação.

Além de matarem palavras, fundamentos, mascaram motivos, manipulam classes ao alvitre de seus interesses. Há dois dias as “feministas” marcharam em Sampa tendo como pauta “secundária” o “Fora Cunha” e a principal, a defesa do aborto.

Até meu cavalo que não é bobo sabe que era a saída do Cunha que ameaça os planos Petralhas o alvo, o resto, fumaça oportunista. Disseram umas entrevistadas que “Toda mulher tem direito de fazer o que quiser com seu corpo”; esqueceram porém, que 50% dos fetos são femininos, e tais mulheres futuras seriam assassinadas, sem direito algum.

Assim, além de matarem palavras, mascararem motivos, assassinam a justiça, vilipendiam à lógica. Não se pode construir uma sociedade decente sem fundamentos sólidos. Um tirada bem humorada circula na Rede dizendo que; “antigamente as fotos de bandidos ofereciam recompensas; hoje, pedem votos.” Irônico, tragicômico, mas, real.

Concluindo, não se trata de golpe da oposição, antes, de uma nação indignada ante a riqueza espúria de “socialistas” do capital alheio, que deveria estar com teias de aranha na Papuda, já, e ainda circulam livremente matando mais fatos, poluindo a verdade. 

A Cara do PT começa a ser mostrada, finalmente. E que cara mais suja!!!!

domingo, 1 de novembro de 2015

Sei, mas, não conheço

“Tornando em si, disse: Quantos jornaleiros de meu pai têm abundância de pão e eu aqui pereço de fome!” Luc 15;17

Vivemos a era da informática, bombardeados por uma gama de novidades tal, que, precisamos ser seletivos armazenando apenas o essencial. O excesso de informações exteriores pode atrofiar algumas interiores mais importantes.

Como assim, informações interiores? Memórias, que, rebuscadas, em determinado momento viram informações; como no exemplo supra, do Filho pródigo. “...tornando em si, disse: Quantos jornaleiros de meu pai têm abundância de pão...” A entrega aos prazeres havia entorpecido sua memória, de modo tal que “saiu da casinha”; precisou “tornar a si” para rebuscar uma informação valiosa. Os empregados de seu pai viviam melhor que ele.

Sem me aprofundar, por ora, na saga do Pródigo, quero tecer considerações sobre isso; o que sabemos, e, como respondemos ao saber.

Claro que saber algo não basta; carecemos vontade de agir, ou, reagir, à luz de tal fato. Um viciado em cigarros, por exemplo, depara com frases expressas nos maços sobre os malefícios do vício; ignora-as e segue fumando. Igualmente, os dependentes de vícios piores conhecem as consequências, contudo, lhes falta força para o exercício de uma vontade hígida, quando não, falta a própria vontade.

Possuir meio não é poder; esse requer algo mais. Ter uma arma não significa ter poder para se suicidar, se, ante à ideia concorrerem motivos maiores como amor à vida, ou, medo da morte. Nesses, a informação seria um meio de libertação, mas, falta força pra exercer o arbítrio livremente, pois, subjazem aos grilhões da dependência química.

Assim, carecem ser tomados pela mão, como prometeu O Criador aos de Israel, certa vez: “Porque eu, o Senhor teu Deus, te tomo pela mão direita; e digo: Não temas, eu te ajudo.” Is 41; 13

Aliás, Evangelho quer dizer, Boa Notícia, informação útil, agradável. Acontece que os viciados no pecado estão também dependentes; mesmo informados não conseguem romper os grilhões sozinhos. Entretanto, quem Crê em Jesus não é desafiado a andar sozinho; primeiro é capacitado a corresponder os anseios Divinos. “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome;” Jo 1;12 Depois é ajudado pela Bendita Presença do Espírito Santo; “...depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa.” Ef 1; 13

Ezequiel ilustra isso: Deus lhe dá uma ordem, Seu Espírito ajuda a cumpri-la, mediante a disposição interior do profeta. “E disse-me: Filho do homem, põe-te em pé, e falarei contigo. Então entrou em mim o Espírito, quando ele falava comigo, me pôs em pé e ouvi o que me falava.” Ez 2; 1 e 2

Assim, O Espírito de Deus nos capacita a cumprir o que Sua Palavra ordena. Junto à informação vem o meio. Não obstante, concorre o arbítrio, a vontade de quem é capacitado segue livre, podendo obedecer ou não.

Aos Seus Jesus desafiou a transformar informações em ações; “Se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as fizerdes.” Jo 13; 17 Aos céticos, a testarem a veracidade das notícias praticando-as. “Jesus lhes respondeu, e disse: A minha doutrina não é minha, mas daquele que me enviou. Se alguém quiser fazer a vontade dele, pela mesma doutrina conhecerá se ela é de Deus, ou se eu falo de mim mesmo.” Jo 7; 16 e 17

Tiago, por sua vez, denunciou aos que, ouvem coisas vitais e tratam como banais, fúteis. “E sede cumpridores da palavra, não somente ouvintes, enganando-vos com falsos discursos. Porque, se alguém é ouvinte da palavra, não cumpridor, é semelhante ao homem que contempla ao espelho o seu rosto natural; porque contempla a si mesmo e vai-se; logo esquece de como era.” Tg 1; 22 a 24

Alguns confundem saber com conhecer; sei que Washington é uma grande cidade americana, mas, não a conheço, nunca estive lá. Assim a maioria sabe sobre O Salvador, Sua Doutrina, mas, não é salva nem livre; isso demanda algo mais; “Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos; conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” Jo 8; 31 e 32 Isso quer dizer, obediência, para conhecer.

Muitos padecem fome espiritual, sabendo onde tem mantimento; seguem moribundos, alheios. Como os filhos de Jacó na grande seca sabiam que havia pão no Egito, e nada. Até que o patriarca bradou: “Até quando ficareis olhando um para o outro? Ide e comprai mantimento, para que não pereçamos de fome”!

Assim você que sabe de Cristo, Sua libertação e Sua paz, até quando ficará entre os porcos como o Pródigo? Volte a si, há fartura na casa do Pai.

Lula; mostre seu jogo

“O lábio da verdade permanece para sempre, mas a língua da falsidade, dura por um só momento.” Prov 12; 19

Desafiemos nossas mentes a dizer de chofre o nome de um que traz falsidade em sua língua, e presto surge o maior de todos, Lula. Nada do que esse sujeitinho fala transmite confiança; desdiz hoje o que falou ontem e vice-versa.

Quando em 2008 o “Standard and Poors” conferiu ao Brasil o “Investiment Grade” ele gabou-se, disse: “Eu nem sei dizê direito a palavra, mas, isso significa que o Brasil foi considerado um país sério...” Agora, que a mesma agência rebaixou o País, dada a desconfiança derivada da irresponsabilidade governamental ele bradou na Argentina: “Quantos países da Europa também estão em crise e eles não rebaixam, isso não significa nada”; Ou seja, ora o Brasil é considerado um país sério, quando, promovido; mas, se rebaixado, os institutos que o fizeram não são sérios. Esse é Lula, o falsário mor da nação.

Mais, desde sempre maldiz uma abstração que ninguém consegue identificar seu alvo, a “zelite”; quem são esses, cara pálida? Os Banqueiros, as grandes empreiteiras, os grandes grupos de mídia que, em troca do jabá oficial fazem um “jornalismo” servil evitando constranger a “Casa Grande”? Todos esses “malditos” andam em plena simbiose com os Petralhas.

Agora que a lama começa a emergir, pois, a Polícia Federal está agitando as águas, ele acusa a oposição de não ter aceitado a derrota nas urnas, e querer o “terceiro turno”; ou, manda o Gilberto Carvalho dar entrevistas dizendo que tudo isso é mera orquestração pra inviabilizar sua candidatura em 2018; enfim, tudo parece girar em torno de eleições, pretéritas, ou, futuras.

Mas, até meu jegue sabe que isso é diversionismo, para evitar encarar os fatos. Primeiro, não temos oposição com saco roxo, apenas uns tíbios infelizes que não nos representam à altura. Quem brada por justiça são movimentos espontâneos como o MBL, o Revoltados Online, o Vem pra Rua, etc. E, não se trata de eleição nenhuma, antes, como nome de certo filme, “Eu sei o que vocês fizeram no verão passado”. Se trata de corrupção generalizada, roubalheira da grossa, e queremos justiça; danem-se as eleições!!

Fala-se em déficit acima dos cem bilhões, e quem vai sentir na pele, aliás, está sentindo já, é a classe mais pobre. Sim, em momentos de crise, os abastados se desfazem de um patrimônio qualquer e mantêm o padrão de vida; os pobres só podem se desfazer do padrão, por não disporem de patrimônio alienável.

Dizem, usando uma ilustração do futebol, que quando um elenco é de ótima qualidade, qualquer treinador serve; coloca quaisquer em campo e eles resolvem, estilo Barcelona ou, Real Madrid.

Pois, voltando, O Lula pegou a economia organizada, inflação controlada, lei de responsabilidade fiscal, e um cenário internacional extremamente favorável, aí, deitou e rolou, por certo tempo. Viajou o mundo, "selou a paz” no Oriente Médio, pleiteou assento no conselho de segurança da ONU, distribuiu benesses aos pobres, etc. Bravateou tanto que quase convenceu. Passou incólume pelo “Mensalão” e ainda indicou a sucessora.

Mas, aos poucos o “Elenco do Barcelona” foi envelhecendo, e demandando a formação de um novo. Aí, a capacidade gestora do PT foi testada, enfim. E o que temos? As “Pedaladas fiscais” burlando a lei e garantindo meios para o estelionato nacional que burlou eleitores.

Concomitante a isso, a Petrobrás foi saqueada do primeiro ao quinto, e parece que só o Eduardo Cunha incomoda, francamente.
Quando digo que não quero a punição dele, como “boi de piranha” alguns falsários menores, aprendizes do falsário mor me acusam de defender um corrupto. Cáspita!!

Quem ama a justiça se indigna contra qualquer lapso da tal; mas, indignação seletiva, conveniente, não é pleito por justiça, antes, máscara de canalhas. Quero a punição exemplar do cunha, porém, “casada” com igual tratamento aos demais corruptos, sobretudo, o chefe, preciso desenhar?

Além de semialfabetizados, nosso últimos quatro governos, a era PT se destaca pela mentira, o blefe, a falta de caráter. Não me venham acusando Aécio, FHC disso ou daquilo, não os represento.

Represento minha indignação apenas. Indignação de quem acreditou quando o PT surgiu como dono da ética, da probidade, e votou em seus representantes. Há fanáticos imbecis que morrerão abraçados a essa choldra, mas, gente decente com Fernando Gabeira e Hélio Bicudo, por exemplo, saíram quando começou a cheirar falso. Também eu.

Concluindo, não se trata de eleição nenhuma, mas, de justiça, verdade. O blefe serve para certos jogos, como o Truco, mas, o truque perde a eficácia quando o oponente paga pra ver. 

Sr. Pixulecão, “estepaiz” cansou de seu blefe ensaiado, enfadonho, e está pagando pra ver, cartas na mesa, pois...