Google+ Badge

sábado, 28 de março de 2015

O prazer e o depósito

Ó Timóteo, guarda o depósito que te foi confiado...” I Tim 6; 20 

A ideia de um depósito a guardar, invés de usufruir, soa difícil demais aos afoitos que veem o sentido da vida no prazer do corpo. Jesus citou um que, diante de farta colheita cogitou abandonar o labor e regalar-se indefinidamente. “Direi a minha alma: Alma; tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e folga.” Luc 12; 19 

Entretanto, ensinou: Se o tal tinha um depósito para muitos anos, faltavam-lhe os anos correspondentes para usufruir. Assim, os bens só fazem sentido com o concurso da vida; sem essa buscam novo dono. “O que tens preparado, para quem será?”  Por essa vereda parece óbvia a conclusão que, a vida é maior que o prazer. 

Então, são mais que razoáveis, antes, sábias, as restrições que têm a preservação da vida saudável como alvo.  

Ademais, o prazer, quando precipitado tende a lançar seus postulantes no abismo oposto; vide o exemplo do filho pródigo. Ele não conseguiu ver em todos os bens dos quais era herdeiro, um depósito a ser guardado, antes, um meio fácil de apressar-se ao desfrute. Em sua busca desceu tanto que, o “monótono” lugar de onde saíra, de repente passou a ser um alvo alto demais. “Faze como um de teus servos” tencionava dizer ao pai. 

Atrevo-me a dizer que a maior fonte de descontentamentos entre os humanos é precisamente, falta de noção. Tanto quanto ao endereço do vero prazer, como, da realidade que as cerca. 

Nosso sistema nos bombardeia a cada dia com “heróis” do talento, posses, não do caráter,  frutos. Aí, precisamente como um dos tais, nossas crianças querem ser quando crescerem.

Faltam referenciais sóbrios; sobejam, cobertos de incenso os motivos febris. “Se a felicidade estivesse nos prazeres do corpo, diríamos felizes os bois, quando encontram ervilhas para comer.” Ensinava Heráclito.  

A falta de acesso aos prazeres superiores, saudáveis faz parecer que, os rasos é que são verdadeiros. Acostumamos ao folclore que cachorro gosta de ossos, pois, era apenas isso que se lhes dava a comer.  Experimentemos lhes dar carne regularmente e veremos se sairão enterrando ossos. 

Assim, diremos que adora funk uma criança que, desde que veio ao mundo só alimentou seus ouvidos com tal pornografia. Tivesse tido acesso à boa música e seus gostos seriam superiores, mas, acostumou-se ao “osso”. 

De igual modo, se cultuássemos  honra, caráter, verdade, ou, honestidade, como se diviniza ao sexo promíscuo, à pornografia, ao “jeitinho” malandro, a safadeza, etc. e estaríamos forjando um depósito que seria um dique contra os maus valores, tantos. 

A omissão no ensino do bem, e, o fomento do mal fatalmente impregnam nos caracteres de nossas crianças e fazem adultos do mesmo calibre. Porventura pode o etíope mudar a sua pele, ou o leopardo as suas manchas? Então podereis vós fazer o bem, sendo ensinados a fazer o mal.” Jr 13; 23 

A coisa é de tal monta que as percepções já estão invertidas, quando não, são redefinidas pela ditadura do “politicamente correto” que, nem sempre traz o alvo correto em seu bojo. Na verdade, o dito que é o “homem a medida de todas as coisas”, o absoluto relativismo que grassa “amordaça” a Deus dilapidando o “depósito” de Seus ensinos como o pródigo fez com seus bens. 

Fale alguém em ensinar preceitos Bíblicos nas escolas; mediante a reação, presto identificará, a amplitude da distância que o “filho” está de casa.  Isaías denunciou esses dias: “Por isso o direito se tornou atrás,  a justiça se pôs de longe; porque a verdade anda tropeçando pelas ruas, e a equidade não pode entrar.” Is 59; 14 

O desvio é tal que, muitos que afirmam crer na Bíblia também oferecem seus “ossos” por aí. O servo fiel é guardião do Depósito de Deus, não de interesses mesquinhos. Ainda que possua a chave da despensa distribui apenas do que O Senhor ordena. Nisso está seu prazer! “Que os homens nos considerem como ministros de Cristo, e despenseiros dos mistérios de Deus. Além disso, requer-se dos despenseiros que cada um se ache fiel.” I Cor 4; 1 e 2

Embora algumas vozes nos acusem  de nos escondermos atrás da Bíblia, o que ocorre é que nos esforçamos para andar dentro de seus ensinos. A desconsideração humana não nos diminui, tampouco, seu aplauso nos aumenta; ( aliás, os homens aplaudem a cada imbecil! ) contudo, os que rumam ao abismo da perdição, ainda podem, se alertados, verem que há abastança na casa paterna, e que, os prazeres sóbrios concorrem com as vidas que rumam à salvação. Feliz daquele que, uma vez ciente disso ainda consiga rogar ao Pai: Faze-me como um dos teus servos.

quinta-feira, 26 de março de 2015

Que dureza!

“Assim diz o Senhor dos Exércitos, o Deus de Israel: Ajuntai os vossos holocaustos aos vossos sacrifícios e comei carne. Porque nunca falei a vossos pais, no dia em que os tirei da terra do Egito, nem lhes ordenei coisa alguma acerca de holocaustos ou sacrifícios. Mas, isto, lhes ordenei, dizendo: Dai ouvidos à minha voz,  eu serei o vosso Deus,  vós sereis o meu povo;  andai em todo o caminho que eu vos mandar, para que vos vá bem.” Jr 7; 21 a 23 

Eis uma coisa muito mal entendida pelo povo, quando da vigência do Velho Testamento. Uma triste necessidade humana como sinal externo de arrependimento foi tratada como sendo uma espécie de culto, algo cujo fito seria agradar a Deus. Nada poderia estar mais distante da verdade. 

Mediante Davi o Espírito Santo foi preciso: “Porque meu é todo animal da selva,  o gado sobre milhares de montanhas. Conheço todas as aves dos montes;  minhas são todas as feras do campo. Se eu tivesse fome, não to diria, pois meu é o mundo e toda a sua plenitude. Comerei eu carne de touros? ou beberei sangue de bodes?” Sal 50; 10 a 13 

Então, os sacrifícios ofertados com pompa e circunstância, nada tinham de agradáveis a Deus; “ ajuntai os vossos holocaustos aos vossos sacrifícios e comei carne...”  Tal “culto” era mera forma rasteira de satisfazer anseios naturais. O anelo Divino era mais alto: “Daí ouvidos à minha voz. Andai em todo o caminho que Eu vos mandar...” 

Assim, os sacrifícios que amenizavam os descaminhos dos israelitas passaram a ser o centro de seu culto, em sua parca visão. 

Na verdade, a função sacerdotal era antes, profilática, que saneadora. Deveria ser um ensinador dos caminhos santos, invés de mero “açougueiro” a serviço de pecadores. “Porque os lábios do sacerdote devem guardar o conhecimento; da sua boca devem os homens buscar a lei porque ele é o mensageiro do Senhor dos Exércitos.” Mal 2; 7 Assim, o povo daria ouvidos à voz de Deus, ouvindo ao sacerdote. 

Embora o Sacerdócio Eterno de Cristo, ensejado pelo Novo Testamento em Seu Sangue elimine a repetição de sacrifícios, a doença de querer apenas o perdão que conserta, não, o ensino que previne segue a mesma. 

Pior, certos cretinos encorajam a “sacrificar” para ser abençoado, como demonstração de fé. Aquilo que era uma triste necessidade no Velho Testamento é vertido na “essência” do Novo, como se, o Deus que rejeitara aquelas coisas, agora, as estivesse requerendo. 

A mensagem é diferente: “Nesses sacrifícios, porém, cada ano se faz comemoração dos pecados, porque é impossível que o sangue dos touros e dos bodes tire os pecados... Então disse: Eis aqui venho, para fazer, ó Deus, a tua vontade. Tira o primeiro para estabelecer o segundo.” Heb 10; 3, 4 e 9

Não se trata de uma adição, antes, mudança.

Mas, dirão, sabemos que somos justificados pelo sacrifício de Jesus; apenas estamos demonstrando nossa fé para sermos abençoados. Ora, a “fé” que quer algo em troca, assemelha-se à “fezinha” que os apostadores fazem quando jogam em loterias diversas. 

Fé em Jesus demanda compromisso, identificação. “Se me amais, guardai os meus mandamentos.” Jo 14; 15 Uma vez mais: “Daí ouvidos à minha voz.” 

O Sacrifício que Deus aceita é apenas o De Cristo; quanto a nós, a identificação com Ele requer certa renúncia também; mas, não se trata de oferecer coisas para negociar, antes, uma vida para ser transformada segundo Ele. “Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.” Rom 12; 1 

Se, a razão, o entendimento são chamados à arena, então, se espera de nós que não deturpemos as coisas. Não basta alguém se dizer sacerdote de Deus, para que, automaticamente, tudo o que ensinar mereça crédito. Antes, além do testemunho coerente deve ter afinidade escriturística tal, que possa dizer com verdade como disse Paulo: “Por que eu recebi do Senhor o que também vos ensinei.” 

Vivemos dias difíceis; todos têm algo a dizer, poucos sabem ouvir. Contrariar eventual erro equivale a ofender; temos o direito de “curtir”; jamais ensinar. 

Pior; vemos um festival de baboseiras sem base bíblica desfilando com status de profecias, enquanto, a Voz de Deus, Sua Palavra é ignorada. 

O preceito do “Sacrifício vivo” nos faz agradáveis a Deus, embora, nem sempre compreendido pelos homens. Os falsos profetas, entretanto, oferecem facilidades mentirosas com as quais agradam ao homem, enquanto são odiados por Deus. 

Ainda que, os mesmos melindrosos “filosofem”: melhor prevenir que remediar, ouse alguém evocar a prevenção segundo Deus; presto será rejeitado, pois, a dureza de muitos corações segue irremediável...

domingo, 22 de março de 2015

As três luzes

“Disse Deus: Haja luz; e houve luz. Viu Deus que era boa a luz; e fez Deus separação entre a luz e as trevas.” Gen 1; 3 e 4 

Que luz e trevas são coisas excludentes é pacífico. Mesmo quem ignora tal separação, facilmente identifica com o mero testemunho do olhar. A luz em apreço é a natural; dia, noite; luzeiros... Entretanto, há outra mais excelsa; a luz espiritual. Tanto quanto aquela revela em sua incidência as coisas imanentes, naturais, essa, as transcendentes, espirituais. 

Na verdade, não seria forçar a barra cogitar de uma terceira luz, humana. Embora, iluminados pelo Espírito Santo os cristãos possam ver nuances da luz Divina,  sem Ele, via difusão do conhecimento, marcha do processo civilizatório, a humanidade consegue plasmar seu “iluminismo”. 

Contudo, deriva dessa “luz” mera convivência pacífica, tolerância na diversidade. Embora tal luz tenha sido bem vinda em exclusão à famigerada “idade das trevas”, seu produto é tênue em face ao que proporciona aos seus, a vera Luz espiritual. Essa forja sábios, segundo Deus; aquela, relativamente esclarecidos, civilizados; quiçá, astutos.

Paulo chega a propor um desafio aos “sábios” da Terra para que se levantem. “Onde está o sábio? Onde está o escriba? Onde está o inquiridor deste século? Porventura não tornou Deus, louca, a sabedoria deste mundo?” I Cor 1; 20 Adiante distingue a sabedoria perfeita, origem da vera luz de outra inferior;  “Todavia falamos sabedoria entre os perfeitos; não, a sabedoria deste mundo, nem dos príncipes deste mundo, que se aniquilam; mas, falamos a sabedoria de Deus, oculta em mistério; a qual Deus ordenou antes dos séculos para nossa glória; e nenhum dos príncipes deste mundo conheceu; porque, se a conhecessem, nunca crucificariam ao Senhor da glória.” Cap 2; 6 – 8 

Assim, embora seja boa a luz natural que permite a convivência com o diverso, empalidece, em face à  espiritual. Ausência daquela propicia barbáries como as que o Boko Haram e o Estado Islâmico têm praticado, por exemplo. Cruéis assassinatos dos que não rezam pela sua interpretação do Corão. 

Então, é possível alguém ser tolerante, cordato, educado, contudo, andar em trevas densas no prisma espiritual. Acontece que o império das paixões naturais não se liberta da “idade das trevas” senão, mediante a Cruz de Cristo. 

Como é de se esperar, tal “remédio amargo” não é ingerido de bom grado; antes, o homem natural tende a fugir, refém de um amor insano pelas práticas errôneas. “Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo; os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más. Porque todo aquele que faz o mal odeia a luz, não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas.” Jo 3; 17 a 20 

“Amaram mais as trevas que a luz...” vestígio inconfundível do livre arbítrio, de uma geração que, tão acostumada com as trevas, vê na luz uma ameaça, como os escravos do célebre Mito da Caverna, de Platão. 

A luz traz seu peso sim. Parafraseando Saint-Exupérry que disse: “Você é responsável pelo que cativa”, se pode dizer que somos responsáveis por reagirmos ao que vemos. Luz espiritual é mais que possibilidade de ver; antes, desafio a andar. “Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado.” I Jo 1; 7 

Enquanto a luz humana deriva de muitas fontes e até se contradiz nos gládios filosóficos, a Espiritual só é encontrável na Revelação. “Lâmpada para os meus pés é tua palavra, e luz para o meu caminho.” Sal 119; 105  

Outra diferença importante é que, enquanto a luz humana propicia tolerância, convívio pacífico, a espiritual enseja comunhão. Impregna em todos os seus signatários, partículas do “DNA” de Deus. Comporta diversidade de pregoeiros, métodos, mas, restrita à mesma fonte, como ensinou o mais sábio dos homens: “As palavras dos sábios são como aguilhões, como pregos, bem fixados pelos mestres das assembleias, que nos foram dadas pelo único Pastor.” Ecl 12; 11 

Em suma: Aquele que fez a separação primeira entre luz e trevas fará outra vez, ao se manifestarem os resultados de Obra Bendita de Cristo. Quem escolher a luz será reputado ovelha, estará à destra; os demais, bodes, do lado esquerdo. Se essa mensagem, mais não disser, que ela reitere o Dito inicial de Deus: “Haja luz!”

domingo, 15 de março de 2015

A mentira e o juízo

“Um rio de fogo manava e saía de diante dele; milhares de milhares o serviam, e milhões de milhões assistiam diante dele; assentou-se o juízo e abriram-se os livros.” Dn 7; 10

Solene imagem do juízo Divino vista e comunicada pelo profeta Daniel. “Assentou-se o juízo e abriram-se os livros.” Tanto é veraz que os servos fiéis do Senhor têm seus nomes assentes no Livro da Vida, quanto,  seus atos registrados ante o testemunho dos céus. “Então aqueles que temeram ao Senhor falaram freqüentemente um ao outro; o Senhor atentou e ouviu; um memorial foi escrito diante dele, para os que temeram o Senhor; para os que se lembraram do seu nome.” Ml 3; 16 

Aí refere-se a juízo para galardão, recompensa, uma vez que, a própria inserção de suas vidas entre os que são de Cristo é já seu “juízo”; digo, a anulação da justiça em prol da graça, onde recebemos mais que merecemos apenas por crermos em Cristo e lhe obedecermos. “Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária,  a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz. E, despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo” Col 2; 14 e 15 

O Livro da Lei que enfatiza nossos pecados é anulado pela vitória de Cristo em relação aos Seus; a esses se aplica a graça vaticinada em Miqueias e Oseias: “Tornará a apiedar-se de nós; sujeitará as nossas iniquidades; tu lançarás todos os seus pecados nas profundezas do mar.” Eu os remirei da mão do inferno, os resgatarei da morte. Onde estão, ó morte, as tuas pragas? Onde está, ó inferno, a tua perdição?...” Mq 7; 19 e Os 13; 14 

Entretanto, aos que são refratários ao Seu amor resta apenas a frieza dos livros, a justiça de um Tribunal Santo, que não pode ser burlado nem cometer erros. 

Não há registros de um promotor de justiça acusando aos réus, tampouco,  testemunhas humanas. O testemunho externo será oferecido pelas obras; “...Bem aventurados os mortos que desde agora morrem no Senhor. Sim; diz o Espírito. Para que descansem dos seus trabalhos; as suas obras os seguem.” Apoc 14; 13  

Se os que “morrem no Senhor” serão secundados pelas obras, também ações dos que morrem sem Ele  seguirão como uma leva de testemunhas até ao Santo Tribunal. Interiormente a consciência será a testemunha final. “Os quais mostram a obra da lei escrita em seus corações, testificando juntamente a sua consciência,  os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os;” Rom 2; 15

Vemos que a mesma consciência, tanto pode acusar quanto, defender, em face ao valores da Justiça que a move. Tal testemunho, além de vetar a mentira no juízo atua nas vidas dos salvos denunciando desvios. De atenderem a voz interna e refazerem seus atos depende a perseverança na fé; a salvação. “Conservando a fé,  a boa consciência, a qual, alguns, rejeitando,  naufragaram na fé.” I Tim 1; 19

Quem move-se no domínio das paixões tem enorme dificuldade, tanto com a verdade, quanto,  a justiça. Basta que observemos, por um instante, o assunto do momento; protestos da população descontente com um Governo que prometeu maravilhas em campanha recente em vem fazendo o oposto. 

Os inconformados com o estelionato eleitoral pedem impeachment. Entretanto, os defensores do mesmo acusam aos descontentes de maus perdedores, de quererem um “terceiro turno”; serem golpistas. 

Ora, consulte-se a frieza dos livros. Lá estão registrados seus discursos quando do impeachment de Collor. Os mesmos que, acaloradamente diziam ser instrumento democrático, fiador da justiça, agora o depreciam. 

Eis a “verdade” com a qual estão acostumados a lidar!  Falar coisas inadvertidas, todos falamos; agora, negar isso, dizer o contrário, só os canalhas, os safados. O cidadão dos céus, que ama a verdade no íntimo, e a justiça, tem outros padrões. “Aquele a cujos olhos o réprobo é desprezado; mas honra os que temem ao Senhor; que jura com dano seu,  contudo, não muda.” Sal 15; 4 

A verdade é apresentada como  alforria de um escravo; “E conhecereis a verdade e a verdade os libertará”, Jo 8; 32 Entretanto, os serviçais da mentira não a têm como uma feitora, antes, como refúgio, recurso, amparo. Para esse, pois, a verdade acaba soando como ameaça, perigo. 

Como o cetro furtado por satanás o foi através da mentira, natural que em seu reino impere tal valor. Porém, quando da restauração do Reino ao Digníssimo e legítimo Rei, nada valerá a algazarra doentia das paixões; antes, a frieza serena dos livros, e a justiça Santa do Livro dos Livros.

Nenhum mentiroso tem uma memória suficientemente boa para ser um mentiroso de êxito. Abraham Lincoln

quinta-feira, 12 de março de 2015

Fé x macumba virtual

“Portanto assim diz o Senhor Deus: Eis que eu assentei em Sião uma pedra, uma pedra já provada, pedra preciosa de esquina, que está bem firme e fundada; aquele que crer não se apresse.” Is 28; 16  

Sendo a fé um elo entre dimensões distintas, efêmera e eterna; e, o vetor dessa distinção, o tempo, natural que seus pacientes deparem com certas “discrepâncias”.  Simplificando: As mesmas coisas se fazem mui diferentes em face ao ponto de vista. 

Por exemplo: No texto supra entregue a Isaías mais de sete séculos antes de Cristo, Seu advento é dado como cumprido; “Eis que assentei em Sião uma pedra...” Depois, falando aos tributários do tempo, nós, desafia-nos à confiança, não, à pressa. “Aquele que crer não se apresse.”  

Afinal, Deus chama as coisas que não são como se já fossem; vê através do tempo. Insta aos que Nele confiam a um “upgrade” excelso, onde, passariam a ver, em parte, como Ele. Essa “viagem no tempo” mediante a fé só é possível nos parâmetros da Sua palavra, fora disso não passa de fantasia enfermiça.

Entretanto, a “fé” que tem desfilado por aí, não raro, é desprovida de essência; mera confiança otimista que as coisas passarão a “dar certo” em atenção a certas asseverações “bíblicas.” Uma espécie de macumba virtual que forçaria ao Eterno a atuar no nosso tempo; de acordo com nossos anseios rasteiros. 

A fé Bíblica tem objetos definidos: “Crede em Deus, crede também em mim”; desafiou Cristo. Mais; além do alvo hígido se requer que o fim pela qual foi legada também seja bíblico. “Uma coisa boa não é boa fora do seu lugar.” Ensinava Spurgeon.  

E o lugar da fé em nossas vidas é propiciar o renascimento espiritual, a edificação, de modo que, um ser, antes, inimigo do Eterno, mediante a fé em Cristo receba adoção de filho, capacitação do Espírito Santo, para atingir um modo de vida que agrade a Deus; o alvo Bendito a ser buscado na senda da fé. Ouçamos: “Ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que é galardoador dos que o buscam.” Heb 11; 6

Notemos que, o galardão, ( recompensa ) deriva de buscarmos Deus; atingirmos um padrão de vida, valores, que nos façam agradáveis a Ele; o que só é possível em Cristo. 

Assim, as bênçãos verazes são o “efeito colateral” de uma relação refeita e sadia como o Criador. As petições egoístas e imediatistas que muitos confundem com as digitais da fé não passam de um “pedir mal”, que não será atendido; pelo menos, por Deus; como adverte Tiago: “Pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites.” Tg 4; 3 

A fé correta, pois, não pretende burlar ao tempo em sua marcha; antes, amoldar-se confiante Àquele que preside sobre ele; O Pai da Eternidade. Os simulacros podem dizer, após suas “profecias” convenientes: “Quem crê compartilha”; a fé bíblica diz diverso: “Quem crer não se apresse.” 

Afinal, depois de assentar em Sião Sua “Pedra Preciosa”, como vaticinou Isaías, as consequências tinham a ver com santidade, justiça, invés de prosperidade como devaneiam alguns. Disse: “E regrarei o juízo pela linha e a justiça pelo prumo; a saraiva varrerá o refúgio da mentira, e as águas cobrirão o esconderijo. A vossa aliança com a morte se anulará; o vosso acordo com o inferno não subsistirá;  quando o dilúvio do açoite passar, então sereis por ele pisados.” Vs 17 e 18 

Um alvo horizontal: “Juízo pela linha.” O que semearmos ceifaremos; o que fizermos aos nossos semelhantes farão de novo a nós. Outro, vertical; justiça pelo prumo; ou seja, segundo o padrão celeste. 

Alguns imaginam que Deus depende de nossa fé para atuar; jamais. Apenas se agrada de abençoar a quem crê e obedece. O Eterno mesmo disse algo assim ao relapso sacerdote Eli: “...aos que me honram honrarei, porém, os que me desprezam serão desprezados.” I Sam 2; 30

Isso excede  muito ao recitar mecânico de belas palavras. Ainda, Isaías: “...este povo se aproxima de mim com  sua boca; com os seus lábios me honra, mas, o seu coração se afasta para longe de mim...” Is 29; 13 

Em suma, aquele que, graças a uma fé sadia consegue ver o que lhe cabe como Deus vê, não se inquieta tanto com coisas, antes, com valores do alto. “Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima... Pensai nas coisas que são de cima, não nas que são da terra;” Col 3; 1 e 2 

Invés de vãs promessas fáceis, que tal compartilharmos uma fé sadia? Aquele que crer não se apresse. 

terça-feira, 10 de março de 2015

Espinhos camuflados

E a Adão disse: Porquanto deste ouvido à voz de tua mulher, e comeste da árvore de que te ordenei, dizendo: Não comerás dela, maldita é a terra por causa de ti; com dor comerás dela todos os dias da tua vida. Espinhos e cardos  também, te produzirá;  comerás a erva do campo.” Gen 3; 17 e 18  

Já discorri noutro texto chamado “Assembleia de Deus”, que, mesmo dispondo do poder absoluto, o Eterno se agrada de compartilhar coisas com homens e anjos que sejam de Sua confiança. Dos anjos, fez co-autores da criação, delegando-lhes liberdade e supervisionando o trabalho, quando, Ele “Via que era bom”. 

Pois bem, por ocasião da queda, tivemos um “plus”, um acréscimo à criação derivado do juízo Divino incidindo sobre o homem; “espinhos e cardos também te produzirá...”  Esse “também” permite inferir que, até então, ervas daninhas e espinhos não faziam parte da criação; seu concurso tornaria mais penoso o trabalho humano, tipificado pelo “suor do rosto”, pois, o trabalho em si é uma bênção, mas, quando árduo e pouco frutífero, não. 

Não há registro que O Criador tenha supervisionado a esse “suplemento” criativo; vendo que era bom, ou, mau, afinal, foram criados como sinais de juízo, punição.

Se, é vero que “cada um dará conta de si a Deus”, como diz na epístola aos Romanos; também o é que, somos responsáveis diretos pelas coisas que estão sob nosso domínio, influência. O planeta fora entregue a Adão, com um senão, apenas, certa árvore; como desobedeceu, a sentença atingiu toda a jurisdição de seu domínio: “Maldita é a terra por causa de ti.” 

Embora se trate de espinhos, literalmente, também é recorrente na Palavra de Deus a presença deles como metáfora; símbolos de mau caráter, incômodo. Na célebre parábola de Jotão, homens de bem são comparados a árvores frutíferas, e o bastardo e assassino Abimeleque é figurado como sendo um espinheiro. Ver, Juízes Cap; 9  

O Salvador, por Sua vez, na Parábola do Semeador quando disse que parte da semente caíra entre espinhos explicou: “E o que foi semeado entre espinhos é o que ouve a palavra, mas os cuidados deste mundo, e a sedução das riquezas sufocam a palavra, e fica infrutífera;” Mat 13; 22 

Assim, se à criação foi acrescido o concurso de espinhos como juízo Divino, ao caráter humano foi anexo uma série de desvios, invenções de sua própria mão, quando não, sugestões malignas que deturparam a original “Imagem e Semelhança” de Deus. Salomão denunciou do seu jeito. “Eis aqui, o que tão-somente achei: que Deus fez ao homem reto, porém eles buscaram muitas astúcias.” Ecl 7; 29 

Desde que alijado da comunhão com o Eterno, o lapso decorrente “estimulou” muitas astúcias, inventos, simulacros, que deram azo à idolatria. A liberdade para a qual fomos criados não é irresponsável, irrestrita; antes, move-se dentro de certos parâmetros estabelecidos por Deus. 

A tentativa de agradar Ao Altíssimo numa fusão de meios humanos com os Divinos equivale também a semear entre espinhos, figura que o profeta Jeremias usou: “Porque assim diz o Senhor aos homens de Judá e a Jerusalém: Preparai para vós o campo de lavoura; não semeeis entre espinhos.” Jr 4; 3

Ironicamente, quando O Senhor foi humilhado e coroado de espinhos, a figura que nos envergonha e situa era bem mais eloquente que o mero escárnio dos algozes. Aqueles espinhos dolorosamente colocados sobre a fronte de um inocente tipificavam todas as nossas maldições decorrentes do pecado repousando, sobre o Reis dos Reis, o Salvador Bendito, ainda que, não identificado assim, dada a cegueira reinante então. 

Escrevendo aos Gálatas, Paulo ensinou: “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; ... Gál 3; 13 Noutras palavras, levou sobre si os espinhos de nossa deformação moral e espiritual, para, pelos seus méritos inefáveis nos regenerar à imagem inicial.  

Embora muitos espinhosos da praça ainda apregoem que nosso fim é prosperar materialmente, a Bíblia insiste em desqualificar tais mensageiros, apontando para um alvo superior. O ministério do ensino deve conduzir os crentes, “até que todos cheguemos à unidade da fé,  ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo,” Ef 4; 13 

Afinal, malgrado nossos espinhos do pretérito, o alvo agora são frutos; “eu vos nomeei para que vades e deis fruto,” Disse. Como ele mesmo ensinou seria incoerente esperar fruto de espinheiros é necessário que, antes de tudo, se transforme a natureza das árvores. Isaías vaticinou precisamente isso: “Em lugar do espinheiro crescerá a faia, e em lugar da sarça crescerá a murta;...” Is 55; 13 

Em suma, “conversão” que não implica mudança radical de vida, de valores, é mera camuflagem de espinhos. 

sábado, 7 de março de 2015

Cristianismo virtual

“O Senhor disse a Josué: Não os temas, porque os tenho dado na tua mão; nenhum deles te poderá resistir.” Js 10; 8 

O medo faz parte da constituição humana, dadas suas fraquezas, contudo, na direção de Deus, sob Sua proteção, suas razões deixam de existir; o fraco pode atuar como forte, desde que, não usurpe ao lugar do Todo Poderoso que o comissiona. 

Davi, sabedor disso, cantou: “Dá-nos auxílio na angústia, porque vão é o socorro do homem. Em Deus faremos proezas; porque ele é que pisará os nossos inimigos.” Sal 60; 11 e 12 Vão é o socorro do homem, disse. 

Ocorre-me parte de um poema declamado por Nelson Ned: “Um carente procura outro carente; um fraco se apóia em outro fraco, buscando encontrar um no outro, a felicidade que ambos não têm. O resultado disso é a queda, pois, estamos nos apoiando em algo frágil, sem sustentação em si mesmo.” 
Por isso, o salmista reitera: “É melhor confiar no Senhor do que confiar no homem.” Sal 118; 8 

Acontece que “somos fortes” na dependência, obediência ao Santo. Só não nos pode resistir aquele que Ele “dá, nas nossas mãos.” Tendemos a selecionar partes bíblicas das quais gostamos e omitir as que soam diferente. Assim, a bíblia deixa de ser a “Carta Magna” onde, nossos vícios e descaminhos são denunciados com amor, visando correção, restauração, para se tornar um filão imenso de promessas fáceis, que jamais serão cumpridas nas vidas dos que vivem um cristianismo de plástico, superficial, inconsequente. É medicinal como servir doçuras a diabéticos, espalhar promessas gráceis onde a carência é de correção  exortação. 

Quem é cristão, de fato, exercitado na palavra da justiça, acostumou-se a melhores manjares que esses “algodões doces” sem substância. A epístola aos Hebreus realça isso, aliás. “Mas o mantimento sólido é para os perfeitos, os quais, em razão do costume, têm os sentidos exercitados para discernir tanto o bem quanto o mal.” Heb 5; 14 

Então, esse festival de “facilidades bíblicas” Facebookianas colide com o discernimento, tal qual a mosca contra a vidraça. É salutar, claro! nos refugiamos de nossos medos no “esconderijo do Altíssimo”; mas, muitos  têm apenas maquiado lutas com o “ruge” da fantasia. 

O relacionamento com Deus é via de mão dupla. Vai e vem. As promessas Bíblicas exigem comprometimento de pretensos destinatários. “Com o benigno, te mostras benigno; com o homem íntegro te mostras perfeito. Com o puro te mostras puro; mas com o perverso te mostras rígido.” II Sam 22; 26 e 27 

Há um insano “gospelismo” na praça que “canoniza” tudo desde que, “em Nome de Jesus”. Há até adúlteros “góspeis” situações que conheço. Que gente sem noção!  

Todos pretendem ser de Deus; é ótimo. Entretanto, poucos se importam em investigar as implicações. Paulo foi bem didático escrevendo a Timóteo; disse: “Todavia o fundamento de Deus fica firme tendo este selo: O Senhor conhece os que são seus; qualquer que profere o nome de Cristo aparte-se da iniquidade.” II Tim 2; 19 

Afinal se nossos medos não fazem mais sentido ante inimigos que Deus nos deu na mão, tais, não são mais exércitos, como era no contexto de Josué. Quando o pecado jazia à porta de Caim e Deus ordenou a ele que o dominasse, a coisa se revelou missão impossível.

Mas, em Cristo, a missão foi cumprida cabalmente; aos que são Dele, delega poder para resistir às tentações e até ao tentador. “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.” Jo 1; 12 e 13

Quanto ao inimigo, diz: “Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo e ele fugirá de vós.” Tg 4; 7 Assim, “nossa” força que põe o inimigo em fuga depende de nossa fraqueza, dependência; “Sujeitai-vos, pois, a Deus...”

Não que seja um erro desejar coisas boas a outrem via mensagens; antes, a Palavra mesmo ordena que abençoemos, mesmo aos inimigos. O escopo desse texto é o “cristianismo” de papel, control c control v de gente que copia sentenças sábias e espalha, enquanto em paralelo permite o concurso das escolhas tolas. 

Não estou nem aí para ser simpático, buscar “curtidas” ou algo assim. O Espírito que me move instiga a ser verdadeiro, se possível, medicinal. O que está em jogo não é a minha promoção; antes, estão muitas vidas que imaginam possível um cristianismo virtual, desprovido de virtude. 

Salvação é de graça, mas, não é pueril, demanda compromisso. “o que me der ouvidos habitará em segurança, e estará livre do temor do mal.” Prov 1; 33 

terça-feira, 3 de março de 2015

Os dois lados da moeda

“Considera, pois, a bondade e a severidade de Deus:...” Rom 11; 22  

Uma tendência humana enfermiça é a que limita O Santo às nossas inclinações, desejos. Quem se presume justo, andando em retidão tende a pregar duras mensagens advertindo da severidade do Eterno; por outro lado, o que vive claudicante num misto de obediência e rebeldia, não raro, coloca em relevo a graça, a bondade. 

Escrevendo aos romanos, Paulo aconselhou a não “fracionarmos” o caráter Divino, antes, entendê-lo em toda amplitude. “Considera a bondade e a severidade de Deus”, disse. 

Na epístola de Judas se contém algo semelhante. Ou, a lembrança dos, que, tendo sido alvos da bondade, pela incredulidade subseqüente acabaram deparando com a severidade. “Mas quero lembrar-vos, como a quem já uma vez soube isto, que, havendo o Senhor salvo um povo, tirando-o da terra do Egito, destruiu depois os que não creram;” Jd v 5 

Salomão lembrou outros que, fazem mau uso da longanimidade Divina. Em palavras mais simples, abusam da bondade. Disse: “Porquanto não se executa logo o juízo sobre a má obra, por isso o coração dos filhos dos homens está inteiramente disposto para fazer o mal.” Ecl 8; 11 

O mesmo Deus inspirou Davi a registrar num hino essa faceta de gente que, porque Ele cala ante certas práticas imagina, doentiamente, que, Deus aprova, ou, ao menos tolera deslizes de alguns; como se Ele tivesse favoritos, privilegiados. “Mas ao ímpio diz Deus: Que fazes tu em recitar os meus estatutos, em tomar a minha aliança na tua boca? Visto que odeias a correção, lanças as minhas palavras para detrás de ti. Quando vês o ladrão, consentes com ele; tens a tua parte com adúlteros. Soltas a tua boca para o mal, a tua língua compõe o engano. Assentas-te a falar contra teu irmão; falas mal contra o filho de tua mãe. Estas coisas tens feito; eu me calei; pensavas que era tal como tu, mas eu te arguirei, as porei por ordem diante dos teus olhos:” Sal 50; 16 a 21 

Vemos que o ímpio em questão é religioso, uma vez que recita sentenças da Palavra de Deus, não obstante, agir de modo a contrariá-la.

Certos nefelibatas levam a Bondade Divina a extremos tais, que, supõem que todos serão salvos pelos Méritos de Cristo, façam o quê fizerem. Outros escandalizam-se pelo fato de quê, pessoas de passado nebuloso, de pecados grosseiros acabam perdoadas quando se arrependem;  como se, existisse para Deus dois tipos de pecadores; os que podem ser salvos e os que não. 

Que a bondade é irrestrita, Paulo fez questão de realçar em seu próprio exemplo: “Esta é uma palavra fiel, digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal. Mas por isso alcancei misericórdia, para que em mim, que sou o principal, Jesus Cristo mostrasse toda a sua longanimidade, para exemplo dos que haviam de crer nele para a vida eterna.” I Tim 1; 15 e 16 

Todavia, se isso tudo e muito mais pode ser dito com verdade sobre a Bondade de Deus, não menos exemplos há da Sua severidade quando decide julgar. 

Tanto no início do sacerdócio levítico, quanto, na igreja ainda embrionária tivemos duas mortes, de gente que Profanou ao Santo. No primeiro caso, os dois filhos de Arão que compareceram ante Ao Senhor com “fogo estranho.” No Segundo, Ananias e Safira mentiram solenemente ao apóstolo Pedro e foram justiçados de modo severo, imediato.

Assim, brincarmos com coisas sérias indefinidamente, fiados que a bondade de Deus sempre está pronta para nos dar uma nova chance pode ser temerário;  como se ensina nos provérbios. “O Homem que muitas vezes repreendido endurece a cerviz, de repente será destruído sem que haja remédio.” Prov 29; 1 

Então, erram os “facilitadores” que enfatizam em demasiado a dita “era da graça” fazendo parecer licença para pecar; como se o juízo severo pertencesse aos dias de Moisés, apenas. A epístola aos Hebreus, aliás, depois de cotejar Jesus Cristo com Moisés no capítulo 3 mostrando-O infinitamente maior que aquele, adverte, adiante, sobre a seriedade de brincar com algo tão Sublime como Seu Sangue, e Seu Santo e Gracioso Espírito. “Quebrantando alguém a lei de Moisés, morre sem misericórdia, só pela palavra de duas ou três testemunhas. De quanto maior castigo cuidais vós, será julgado merecedor aquele que pisar o Filho de Deus; tiver por profano o sangue da aliança com que foi santificado e fizer agravo ao Espírito da graça?” Heb 10; 28 e 29  

Em suma: Deus é tão bom que deu Seu Filho por nós; tão severo, que não reconhecerá nenhum, que recusar tomar a Sua cruz. 

domingo, 1 de março de 2015

O tempo e o labirinto

“Tudo tem o seu tempo determinado; há tempo para todo o propósito debaixo do céu... Eu sei que tudo quanto Deus faz durará eternamente; nada se lhe deve acrescentar; nada se lhe deve tirar; isto faz Deus para que haja temor diante dele.” Ecl 3; 1 e 14

Temos nessas sentenças situações opostas; uma, tributária ao tempo, outra, refratária. Há um tempo determinado pra tudo “debaixo do sol”, mas, “o que Deus faz durará eternamente.” Se alguém pode dizer com verdade, “tenho todo o tempo do mundo”, como dizem alguns, Esse É Deus. 

O indivíduo move-se em seu tempo estrito; Ele tem um tempo específico para o trato com a humanidade. Romper as cortinas férreas do tempo permeia nosso imaginário. Basta evocar a utópica fonte da eterna juventude, ou, as viagens ao passado e futuro fantasiadas no cinema. 

Entretanto, quando o sábio postula que tudo tem seu tempo determinado, nem de longe está abraçando a ideia do fatalismo, comum na mitologia grega. Basta ler a íntegra de seus escritos para ver que coloca sempre o homem como arbitrário, daí, com o dever de ser conseqüente. Pois, no fim de suas meditações adverte sobre o juízo segundo nossas escolhas, não, um determinismo frio, injusto. “De tudo o que se tem ouvido, o fim é: Teme a Deus e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo o homem. Porque Deus há de trazer a juízo toda a obra; até tudo o que está encoberto, quer seja bom, quer seja mau.” Cap 12; 13 e 14  

Não raro, vemos a resignação em face à morte de alguém em palavras fatalistas, tipo: “Quando chega a hora não adianta, a pessoa vai mesmo.” Como se, houvesse uma hora pré-determinada da qual ninguém se pode evadir. Não. Quando diz que há um tempo determinado inclui a possibilidade total de uma vida humana. Podemos abreviar isso por imprudência, descuido, quiçá, sermos vitimados por males alheios, o que, tolheria nosso tempo; sem ser, amiúde, o tempo de Deus para nós. 

Paulo apresenta a vida na terra como uma redoma de tempo e espaço, dentro da qual, nos compete buscarmos a Deus; uma espécie de labirinto filosófico e espiritual do qual devemos sair encontrando o rumo de volta à casa Paterna perdido em Adão. “de um só sangue ( Deus ) fez toda a geração dos homens, para habitar sobre toda a face da terra; determinando os tempos já dantes ordenados e os limites da sua habitação; para que buscassem ao Senhor, se porventura, tateando, o pudessem achar; ainda que não está longe de cada um de nós;” Atos 17; 26 e 27 

Embora seja limitado o tempo, é mais que suficiente; a carência é de luz, uma vez que muitos O buscam tateando. Acontece que as altas paredes do labirinto são de concepções humanas, quando não, satânicas; sobre a vida, Deus, e salvação. 

Esse monstro meio animal, meio humano, o Minotauro da cegueira foi morto já. O “Teseu” enviado o fez; Jesus Cristo; A Luz do mundo.

Se aquele saiu vitorioso do labirinto graças ao novelo de Ariadne que permitiu encontrar o caminho de volta, Esse, Cristo, não dependeu de ajuda alguma, saiu pelo alto, vitorioso e coroado de glória. 

Para nós, porém, deixou uma corda luminosa que, seguindo chegaremos seguros à casa do Pai. “...Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.” Jo 14; 6 

Assim, ficamos numa dimensão onde pesa a mão do tempo; “debaixo do sol”; mas, somos chamados a passarmos para o outro lado, onde o tempo não ameaça mais. “Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna; não entrará em condenação, mas, passou da morte para a vida.” Jo 5; 24 

Seria temerário, contudo, supormos que temos todo tempo; podemos protelar a decisão em relação a Cristo. A palavra coloca a salvação como urgente; “...Hoje, se ouvirdes sua voz, não endureçais os vossos corações...” Heb 3; 15 Uma vez mais, a questão não é o tempo; antes a reação de cada um à Palavra de Deus.

Se a salvação transpõe a vida de sob, para sobre a influência do tempo, traz junto a responsabilidade com as coisas do alto. “Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus. Pensai nas coisas que são de cima; não nas que são da terra;” Col 3; 1 e 2 

A fuga do labirinto é apenas por cima; muitos devaneiam presos às cordas dos prazeres insanos, que, enganam divertindo a permanência e matam impossibilitando a saída.