Google+ Badge

sábado, 24 de janeiro de 2015

A cruz de plástico

“Vós fostes feitos nossos imitadores, e do Senhor, recebendo a palavra em muita tribulação, com gozo do Espírito Santo.” I Tess 1; 6 

Tribulação e gozo; como podem duas coisas tão adversas habitarem no “mesmo” espaço? O Senhor ensinou a substituição da tristeza pela alegria, em face aos frutos gestados pela dor. “Na verdade, na verdade vos digo que vós chorareis e vos lamentareis; o mundo se alegrará, vós estareis tristes, mas,  vossa tristeza se converterá em alegria. A mulher, quando está para dar à luz, sente tristeza, porque é chegada  sua hora; mas, depois de ter dado à luz a criança, já não se lembra da aflição, pelo prazer de haver nascido um homem no mundo.” Jo 16; 20 e 21

Isso acontece com muitos, mesmo no âmbito natural; é de fácil compreensão. Entretanto, Paulo falando aos tessalonicenses apresenta tribulação e gozo concomitantes. 

Se há um aspecto pouco compreendido por muitos é o da dupla natureza que passam a ter os salvos. Se, nasceu duas vezes, necessário é que, haja dois seres resultantes desses partos. Esses, contudo, moram de “parede e meia”, habitam no mesmo corpo. Sendo assim, um pode sentir dor, outro, gozo, numa mesma porção de tempo. 

Vejamos um exemplo disso: “Chamando os apóstolos, tendo-os açoitado, mandaram que não falassem no nome de Jesus e os deixaram ir. Retiraram-se, da presença do conselho, regozijando-se de terem sido julgados dignos de padecer afronta pelo nome de Jesus.” Atos 5; 40 e 41 Claro que açoites doem! Contudo, estavam regozijando em espírito, dado o sentido que auferiram do ódio  adverso.

Acontece que, nossa parte suscetível às dores que podem ser impingidas por outros é precisamente a faceta que deve morrer. Nossa cruz difere da do Salvador, uma vez que Ele derramou Seu sangue literalmente; enquanto de nós se requer a sujeição das paixões naturais à Vontade do Senhor. Mortificar, negar-lhe a primazia sobre nossas entradas e saídas no teatro da vida é precisamente, nossa cruz.

Esse aspecto biodegradável e suas dores, não atinge ao espiritual, necessariamente, pois, é imune à ação do tempo e não se alquebra às mazelas do corpo. “Por isso não desfalecemos; mas, ainda que nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova dia a dia.” II Cor 4; 16 

Se, aos judeus foi considerado adultério deixar a Graça e volver aos reclames da Lei; o que seria, o “evangelho” que tenta agradar à carne que deveria morrer e dar lugar ao Espírito? Paulo foi didático sobre o primeiro ponto: “De sorte que, vivendo o marido, será chamada adúltera se for de outro marido; mas, morto o marido, livre está da lei; assim, não será adúltera se for de outro marido. Assim, meus irmãos, também vós estais mortos para a lei pelo corpo de Cristo, para que sejais de outro, daquele que ressuscitou dentre os mortos, a fim de que demos fruto para Deus.” Rom 7; 3 e 4 

Tiago, por sua vez, abordou o segundo: “Pedis, não recebeis, porque pedis mal, para gastardes em vossos deleites. Adúlteros e adúlteras, não sabeis que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.” Tg 4; 3 e 4 

Mesmo sendo o corpo o agente a coisa é considerada adultério espiritual; há também um espírito que move o curso desse mundo, ao qual, somos exortados a contrariar. “... noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, espírito que opera nos filhos da desobediência.” Ef 2; 2 

Então, o homem espiritual vive sua constante “piracema” contra  inclinações naturais que arrastam tudo rumo ao mar de lama da impiedade. Natural que seja difícil sua opção, afinal, seguir à manada  é mais fácil que separar-se. 

Se, a renúncia natural e a oposição do príncipe do mundo nos atribulam, Deus nos reserva o antídoto do gozo espiritual, para que entendamos Seus cuidados, e, imenso amor.

O evangelho sem cruz que tantos pregam não é invenção da pós-modernidade; antes, um intruso que, já nos dias de Paulo mostrava suas garras. “Porque muitos há, dos quais muitas vezes vos disse, agora também digo, chorando, que são inimigos da cruz de Cristo, cujo fim é a perdição; Deus é o ventre, e a glória é para confusão deles, que só pensam nas coisas terrenas.” Fp 3; 18 e 19 

O homem  prudente deve desconfiar dos mensageiros de facilidades, do gozo sem tribulações. O que nos está proposto é profundo demais, para ser tratado de modo tão superficial. 

Sem cruz não há salvação; sem dores a cruz é de plástico. Aos que imaginam facilidades convém lembrar que, Deus não habita num céu imaginário.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Amadureça suas escolhas



“É necessário, que, dos homens que conviveram conosco todo o tempo em que o Senhor Jesus entrou e saiu dentre nós, começando desde o batismo de João até ao dia em que de entre nós foi recebido em cima, um deles se faça conosco testemunha da ressurreição.” Atos 1; 21 e 22 

Embora o fim fosse a Obra de Deus, eu diria que foi uma escolha humana. “Dos homens que conviveram conosco todo o tempo em que o Senhor Jesus entrou e saiu dentre nós..” O lapso deixado por Judas deveria ser preenchido por alguém com credenciais para ser testemunha. Apresentaram dois, José e Matias, a sorte caiu sobre o último. A Bíblia não veta que façamos escolhas, apenas, exorta que sejamos consequentes. 

Adiante, nova escolha, dessa vez, em plena atuação do Espírito Santo; diáconos. Essa, um consórcio Divino humano; a plenitude do Espírito como credencial e ausência de óbices humanos; “homens de boa reputação”. “Escolhei, pois, irmãos, dentre vós, sete homens de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, aos quais constituamos sobre este importante negócio.” Cap 6; 3 Se, a escolha ainda era humana e a credencial Divina, parece pacífica a conclusão que se tratou de uma parceria. Claro que, fazermos escolhas associados com o Santo requer uma comunhão mui estreita. 

Estevão, embora separado para mero servidor revelou-se um excelente evangelista, pleno de conhecimento e ousadia, o quê, lhe custou a vida, aos pés do zeloso Saulo. 

Por falar nele, chegamos a uma escolha “Irracional” que homem algum faria. O inimigo declarado, violento contra a Obra de Deus, era a “pedra” sorteada da vez. Claro que, antes, Deus teve dar uns “tratos à bola” derrubando-o do cavalo, privando-o da visão por três dias, para que, no escuro natural a luz espiritual encontrasse caminho. 

Tanto era sem nexo que, quando Ananias foi incumbido de orar por Saulo, recusou, temendo o que significara até então. Nesse instante, Jesus assumiu a paternidade da “incoerência”; “Disse-lhe, porém, o Senhor: Vai, porque este é para mim um vaso escolhido, para levar o meu nome diante dos gentios, dos reis e dos filhos de Israel. Eu lhe mostrarei quanto deve padecer pelo meu nome.” Cap 9; 15 e 16

Claro que, nesse ínterim temos as escolhas de Cornélio, do Eunuco etíope, para a salvação; dois que se inclinavam em seus corações a Deus, mas, faltava um empurrãozinho. Contudo, as escolhas pré alistadas têm em comum que, seu prisma era ministerial; não atinavam à conversão, ainda que se deu com Paulo.  

Por fim, aqueles que escolheram a si mesmos sem as devidas credenciais. Saíram edificando sobre trabalho alheio, propondo coisas superadas como necessárias à salvação. Seu estrago foi tal que, deu azo a um concílio apostólico para devida correção. 

Os preceitos resultantes da reunião, além dos necessários reparos, deixaram claro que os tais não foram escolhidos para o ministério. “Porquanto ouvimos que alguns que saíram dentre nós vos perturbaram com palavras, transtornaram as vossas almas, dizendo que deveis circuncidar-vos e guardar a lei, não lhes tendo nós dado mandamento;” Cap 15; 24

Tanto pode Deus ver um ministro idôneo onde parece haver um inimigo, como em Paulo, quanto, podem fazer a obra do inimigo os bem intencionados, mas, sem noção, que metem os pés pelas patas, ao desejarem algo elevado, sem o devido preparo. 

A escolha ministerial é louvada como excelente; contudo, demanda alguns predicados quê, se  não possuímos, devemos tratar de consegui-los, antes de por a mão no arado. se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja. Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar; não dado ao vinho, não espancador, não cobiçoso de torpe ganância ...” I Tim 3; 1 a 3 

Nosso direito de escolha é sagrado; mesmo ante o aparente óbvio, como um cego que o buscou, Jesus perguntou o quê ele queria.

Escolhas inconsequentes afetam toda  vida. Quantas mulheres escolheram pela casca; casaram com um “gato” que hoje deixa faltar “Wiskas”? Quando Samuel cogitou um rei entre os “sarados” filhos de Jessé, Deus o advertiu: “o Senhor não vê como vê o homem; o homem vê o que está diante dos olhos, porém, o Senhor olha para o coração.” I Sam 16; 7

Quando o loquaz Pedro reiterou seu amor a Cristo, O Senhor advertiu sobre o preço da escolha: “...quando eras mais moço,  cingias a ti mesmo, andavas por onde querias; mas, quando  fores velho, estenderás as tuas mãos, outro te cingirá,  te levará para onde  não queiras.” Jo 21; 18 

Uma pessoa imatura pensa que todas as suas escolhas geram ganhos. Uma pessoa madura sabe que todas as escolhas tem perdas.” Augusto Cury

domingo, 18 de janeiro de 2015

O soco do Papa Francisco



“Porque, eis que hoje te ponho por cidade forte,  coluna de ferro, por muros de bronze, contra toda a terra, contra os reis de Judá, contra  seus príncipes, contra seus sacerdotes, contra o povo da terra. E pelejarão contra ti, mas não prevalecerão; porque eu sou contigo, diz o Senhor, para te livrar.” Jr 1; 18 e 19


Se alguém poderia usar a alcunha de contraditório seria Jeremias, o profeta. Dado o contexto, Deus o estabeleceu contra tudo e contra todos, exceto, Um: “Eu Sou contigo”, disse o Senhor. 

Em vista da natureza da obra, todos os ministros do Eterno são, em certo grau, instrumentos de contradição; uma vez que devem tentar persuadir à fé, invés de amoldarem-se ao sistema. Ora, A Palavra apresenta o mundo em oposição; mais, inimizade contra Deus; atuar nesse cenário calcado nos valores do Reino dos Céus nunca é totalmente pacífico, ainda que, os instrumentos bélicos sejam espirituais. 

Por ocasião de um milagre dos apóstolos,  à porta do templo, eles foram presos, inquiridos; por fim, soltos sob a exortação de que não mais ensinassem no Nome de Jesus, ao que, Pedro respondeu: “...Julgai vós se é justo, diante de Deus, ouvir antes, a vós, do que a Deus;” Atos 4; 19 Pareceu tão óbvia a coisa que o apóstolo delegou aos próprios adversários a resposta. 

Entretanto, se, ao “primeiro papa” era pacífico escolher a Vontade de Deus, mesmo em oposição aos pruridos humanos, para o último, Francisco, não é bem assim. Sempre transita pelas vias da ambiguidade em temas polêmicos como, aborto, homossexualismo, ateísmo, evolucionismo, e, agora o terrorismo. 

Em pleno voo rumo às Filipinas para compromisso oficial, depois de dizer-se contra matar em nome de Deus, pareceu compreender os motivos dos terroristas, ao dizer que, se um amigo ofendesse sua mãe, poderia esperar um soco. 

Ora, o Charlie Hebdo não ofende em suas charges ao Islã, apenas; antes, ao cristianismo também. Há muitas blasfêmias contra a fé cristã lá. Contudo, uns se apressaram ao modismo franco: “Je suis Charlie”. Eu sou pela liberdade de expressão às últimas consequências, pela blasfêmia, não. Todavia, discordar é uma coisa, fazer uma chacina como contraponto é outra. 

Deus não precisa ser defendido por mãos humanas; pessoas que matam em Seu nome, o fazem rotulando com pretexto nobre às suas paixões mesquinhas. O Eterno mata aos imbecis com a mão do tempo, triste e contrariado, porque os ama mesmo assim; porém, por amar, sobretudo, à justiça, no além, entrega cada um aos frutos de suas escolhas. 

Desse modo, não se faz necessário o soco do Francisco, uma vez que o Juízo a Ele pertence. “Porque bem conhecemos aquele que disse: Minha é a vingança, eu darei a recompensa, diz o Senhor. Outra vez: O Senhor julgará o seu povo.” Heb 10; 30 

Claro que, no âmbito natural as ações estão sujeitas a reações de igual teor, e blá, blá, blá. Contudo, ele é um líder espiritual; como tal deveria se posicionar. Quando o Mestre ensinou a dar a outra face, não se deve entender literalmente, como um masoquista que gosta de sofrer; antes, dar nova oportunidade ao que falha, mesmo se  nos fere. Ele foi agredido em plena inquirição e só com a arguição dos motivos desarmou o agressor. “Respondeu-lhe Jesus: Se falei mal, dá testemunho do mal;  se bem, por que me feres?” Jo 18; 23 

Muitos não têm o menor escrúpulo em ofender à verdade, mas, se revelam ciosos em defender uma “honra” que nem sempre defensável. 

No campo espiritual há muitos filhos da puta; a Bíblia cita. “Ora, tu te prostituíste com muitos amantes; mas ainda assim, torna para mim, diz o Senhor. Levanta os teus olhos aos altos e vê: onde não te prostituíste? Nos caminhos te assentavas para eles, como o árabe no deserto; assim poluíste a terra com  tuas fornicações...” Cap; 3 Jeremias, o do contra denunciou a prostituição “ecumênica” daquele tempo. 

Ezequiel não usou linguagem mais branda: “Também te prostituíste com os filhos do Egito, teus vizinhos grandes de carne, multiplicaste tua prostituição para me provocares à ira... te prostituíste com os filhos da Assíria, porquanto eras insaciável; ...multiplicaste tuas prostituições na terra de Canaã ...nem ainda com isso te fartaste.” Ez 16; 26 a 29 Outra vez, a prostituição ecumênica; isso de querer agradar  homens desprezando a Deus. 

Por fim, os que rejeitam a correção sofrem pecha semelhante: “se estais sem disciplina, da qual todos são feitos participantes, sois então bastardos, não filhos.” Heb 12; 8 

Em suma, quem deveria levar um “Upper” no queixo é a prostituição espiritual, que, no afã de agregar todos no mesmo balaio, perverte valores, sacrifica de novo a Cristo, assassinando à verdade.

sábado, 17 de janeiro de 2015

A culpa de Deus



Teme ao Senhor, filho meu, e ao rei; não te ponhas com os que buscam mudanças, porque de repente se levantará  sua destruição; a ruína de ambos, quem o sabe?” Prov 24; 21 e 22.

Lido de modo superficial pode esposar a errônea ideia que toda mudança seja má. Não te intrometas com os que buscam mudanças, ponto. Entretanto, convém um mínimo de esforço para que entendamos o alvo do sábio.

Antes do aspecto negativo temos dois afirmativos: “Teme ao Senhor e ao rei;” óbvio concluir que, as mudanças desaconselhadas residem nisso: Rebelião, contra os governos, Divino e humano. Afinal, após o preceito temos uma dupla sentença também; “A ruína de ambos, quem o sabe?” 

Uma  coisa com a qual os humanos lidam muito mal é a figura de autoridade. A maioria parece resistir à ideia de ser governado. Entretanto, o mesmo pensador parece atribuir um peso nefasto sobre quem governa, antes, do que é governado. “Tudo isto vi quando apliquei o meu coração a toda a obra que se faz debaixo do sol; tempo há em que um homem tem domínio sobre outro homem, para desgraça sua.” Ecl 8; 9  

Parece contraditório defender que a desgraça ameaça quem governa, invés do que é governado. Afinal, o primeiro detém o poder, a autoridade, as prerrogativas decorrentes. Ao segundo cumpre obedecer, pagar impostos, sustentar o conforto daquele. A imensa romaria rezando a mesma cantilena de promessas que a cada eleição se constata demonstra quê, aos olhos humanos, governar é preferível, a ser governado. Por quê? Por que os que  se propõem, salvas possíveis e raras exceções, contemplam a coisa do ponto-de-vista dos privilégios, não, das responsabilidades. 

Aos olhos Divinos não é assim. Quando O Senhor exortou sobre a necessária vigilância dos postulantes ao Reino, Pedro cogitou ser para os pequenos; os apóstolos seriam a elite, portanto, isenta. “E disse-lhe Pedro: Senhor, dizes essa parábola a nós, ou também a todos? E disse o Senhor: Qual é, pois, o mordomo fiel e prudente, a quem o senhor pôs sobre os seus servos, para lhes dar a tempo a ração?” Luc 12; 41 e 42 

O mesmo Salvador dissera que, ao que mais se lhe dá, dele,  mais se cobrará. Tiago amplia para os que detêm o dom da sabedoria: Meus irmãos, muitos de vós não sejam mestres, sabendo que receberemos mais duro juízo. Porque todos tropeçam em muitas coisas. Se alguém não tropeça em palavra, tal, é perfeito; poderoso para também refrear todo o corpo.” Tg 3; 1 e 2 Aquilo que posso ensinar devo fazer; essa é a ideia. 

Por ocasião do Êxodo ( embrião da Nação de Israel ) tivemos um exemplo dessa dupla rebelião no caso do Bezerro de Ouro. Passaram da Teocracia representada por Moisés para a democracia; de Deus, para  um desprezível quadrúpede inerte. As consequências foram perdição, tristeza, morte de muitos rebeldes. Democracia, naquele caso, não era alternativa desejável. 

Muitos sonolentos se iludem com manifestações de rua no Brasil, como se fosse a veia democrática pulsando; basta um mínimo de acuidade intelectual para ver que, nisso, há muito de, anarquistas, gente que deplora qualquer tipo de governo. 

Ora, conhecendo as paixões humanas, o potencial destrutivo das mesmas, não fossem as cercas da lei, a vigilância das autoridades, e volveríamos à barbárie, ao predantismo do homem pelo homem. Então, quem obedece às leis, aos governantes, ainda que, não concorde com seus atos, é fiador do sistema que preserva a ordem social. 

Claro que, corrupção institucionalizada como temos no país é um teste à têmpera moral do homem de bem. Na verdade, uma afronta, por ser governado por gente inferior a si. Mas, se mesmo afrontado, tal, não abdica dos valores, a desgraça em que caem aqueles governantes indignos, não lhe atingirá. 

Como o sal consegue conservar a carne em face à decomposição, os homens e mulheres de valor são ainda fatores de preservação social. Claro que, malgrado a declaração de fé desses ditosos, no fundo, é o temor de Deus que os inspira a conservar ainda valores. Dirão uns: Sou ateu, faço isso por questão de consciência social. Ignoram que a consciência é um fragmento de Deus no homem, creia ele ou não. 

Se, Tiago ensina que, mera omissão é pecado, que dizer do governante que deve fazer o bem a que se comprometeu? Se não existisse Um Deus que julga seria só um espertalhão; mas, os valores que se opõem à derrocada moral do gênero humano são  digitais mostrando que, a Mão de Deus tocou em  almas... 

Dizem que o crime perfeito é aquele que não deixa nenhuma prova. Eis o ponto fraco da criação! Plena está de indícios da “culpa” de Deus.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Angústia, aferidora da alma

“Se te mostrares fraco no dia da angústia, a tua força é pequena.” Prov 24; 10

A ideia vulgar de força é a compleição física “sarada”, capacidade de mover grandes pesos. Entretanto, a força buscada no provérbio supra, reside na alma. Como se reage nas angústias é o aferidor que determina se é forte ou fraca. O mais forte de todos os homens, Sansão, fraquejou nisso; se deixou seduzir pelos queixumes chorosos de Dalila; a alma fraca pôs o corpo robusto a perder.

A força física é imediata, visível, breve como corrida de cem metros rasos. A da alma requer um teste mais duradouro, como aquelas ultra-maratonas estilo “Iron Man” onde a capacidade é testada ao extremo. Se, a resistência física triunfa a obstáculos, igualmente físicos, a da alma se mostra em face às angústias.

Não são provas para Usain Bolt, o campeão jamaicano dos cem metros, antes, para homens de dores, imitadores do Salvador. Quanto já presenciei os “velocistas” imediatos fingindo-se maratonistas; os frágeis de alma fazendo poses de durões. Que fácil é o soldado levar sua vida no quartel! Diverso seria viver precariamente durante uma batalha.

Assim, os valentões de microfones, guerreiros de púlpitos que vociferam sua coragem ante a plateia; e, à menor prova, fraquejam vergonhosamente. “Sem luta não há vitória”, “maior é o que está em nós que o que está no mundo”, “essa é a vitória que vence o mundo, a nossa fé”, etc. dizem; porém, à menor incompreensão por parte de um irmão toda sua “firmeza” cai por terra. Falando parecem desafiar canhões do inimigo, mas, atuando capitulam a bodoques.

Se pensarmos num exemplo de falastrão bíblico, presto surgirá a figura de Pedro; sempre o primeiro, a opinar, dizer que seu Mestre pagaria impostos indevidos, mesmo tendo que ir “pescar” a grana para sanar sua precipitação. Resumindo, ninguém era tão rápido em falar coisas indevidas.

Por fim, a “cereja da torta”: quando o Senhor falou que todos se escandalizariam nele o deixariam só, Pedro foi o primeiro a prometer que morreria com Seu Mestre. Os outros pegaram carona, mas, a bravata inicial foi dele. Contudo, na hora do “vamos reconhecer” desconheceu por três vezes ao Senhor que jurara seguir até à morte.

A alma ignora a amplitude de sua fraqueza, pois, mensura sua “força” com a régua da presunção, nos momentos em que não está precisando dela. Depois, à medida dos fatos é que descobre que não era tão “sarada” assim. “E lembrou-se Pedro das palavras de Jesus: Antes que o galo cante, três vezes me negarás. E, saindo dali, chorou amargamente.” Mat 26; 75
 
Todos fracassaram, mas, a falha de Pedro foi tão notória que pareceu, aos olhos do colegiado de discípulos que estava fora, descredenciado, expulso do time. Porém, foi buscado uma vez mais pela graça do Santo. “Ide, dizei a seus discípulos, e a Pedro, que ele vai adiante de vós para a Galiléia; ali o vereis, como ele vos disse.” Mc 16; 7 Essa menção não o faz Papa, como defende o catolicismo, antes, neutraliza a possível ideia de rejeição do falastrão; “Dizei ... a Pedro...” Ou seja: Incluam aquele infeliz também.

Na real, nenhum de nós conhece exatamente sua capacidade ante às angústias. Heróis bíblicos como Elias e Jó, no auge da angústia desejaram a morte. Deus nem sempre atende nossas orações, felizmente. 

Mediante Isaías aconselha, que em plena escuridão ao nosso redor, mantenhamos ainda a confiança Nele. “Quem há entre vós que tema ao Senhor e ouça a voz do seu servo? Quando andar em trevas, não tiver luz nenhuma, confie no nome do Senhor, firme-se sobre o seu Deus.” Is 50; 10

Os fracos de alma, em tempos assim presumem o abandono, falha de Deus em socorrê-los; o quê permitiria a busca de soluções alternativas, sem Ele. Entretanto, o verso seguinte aborta “acender fogo estranho”: “Eis que todos vós, que acendeis fogo, e vos cingis com faíscas, andai entre as labaredas do vosso fogo, entre as faíscas, que acendestes. Isto vos sobrevirá da minha mão, em tormentos jazereis.” V 11
 
Infelizmente, muito do que se diz visando encorajar não passa de oba-oba inconsequente, ufanismo. Pessoas são chamadas para viver melhor quando deveriam ser ensinadas a morrer melhor. Assim como a dor do suplício cessa depois que a vida sai, as futilidades carnais pesam muito menos sobre os que crucificaram a natureza e renasceram em Cristo.

A porta é estreita quando conduz à cruz. Ao homem espiritual fica ampla. “Porque assim vos será amplamente concedida a entrada no reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.” II Ped 1; 11 Muitas angústia derivam do “medo de morrer” de quem deveria ter morrido há muito.