Google+ Badge

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Despenseiros fabulosos



”Desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas. Mas tu, sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre teu ministério. Porque já estou sendo oferecido por aspersão de sacrifício, o tempo da minha partida está próximo.” II Tim 4; 4 a 6 

É parte da constituição humana a faceta espiritual; ninguém pode se evadir. Disse certo pensador cristão que temos dentro de nós um vazio com o formato de Deus; só Ele pode preencher. Tendo O Eterno nos criado para a comunhão consigo, seria de se esperar que fosse assim. 

Muitas vezes nos questionam: Se Deus é Um só, por que tantas religiões?  Porque acossados por esse vazio interior, homens que não conhecem a Deus e Sua palavra tentam preencher com um simulacro qualquer; inventam ídolos, ritos, crenças. 

Desse modo, a neutralidade plena como pretendem alguns é impossível. Os que se dizem ateus, sem crença, fazem disso sua crença e defendem com unhas e dentes, de modo que se endeusam prenhes de si mesmo; precisam mais esforços para negar, que os crentes pra confiar em Deus. Pois, nesses, o “encaixe” é melhor dada a adesão perfeita entre continente e contingente. Digo; o espaço reservado para Deus, neles, é preenchido justo, por Deus. 

Assim, se alguém abdica da fé, fatalmente colocará algo no lugar de modo a não sentir-se vazio espiritualmente. Os denunciados por Paulo no texto inicial deixaram a verdade e passaram a crer em fábulas.  Trocaram o precioso pelo vil, ficaram com algo falso no lugar. 

Assim fazem todos os que abdicam da fiel interpretação da Palavra e dão espaço às conveniências humanas. 

Israel no Velho Testamento, não raro, deixava de obedecer a Deus e cultuava ídolos; aliás, desde o início da relação temos essa distorção; vide, o grotesco e blasfemo bezerro de ouro. 

Nos dias de Jeremias o Eterno reiterou a denúncia do “mau negócio” que insistiam em fazer. “Espantai-vos disto, ó céus, horrorizai-vos! Ficai verdadeiramente desolados, diz o Senhor. Porque o meu povo fez duas maldades: a mim deixaram, manancial de águas vivas; e cavaram cisternas, cisternas rotas, que não retêm águas.” Jr 2; 12 e 13  Como há alegria nos Céus por um pecador que se arrepende, causa horror, espanto, outro que, tendo conhecido a Deus, troca-O por algo vil. 

Podemos inferir da exortação, que o apóstolo equaciona esses “negociantes” com embriagados, pois, diz; “Mas, tu, sê sóbrio...”  Assim como a embriagues deriva de ingestão excessiva de álcool, os sentidos espirituais entorpecem paulatinamente se ouvimos com frequência pregadores “liberais” que, com o fito de agradar aos ouvintes fazem concessões que a Palavra não faz. 

Do obreiro não se espera que seja “legal”, antes, fiel. “Que os homens nos considerem como ministros de Cristo,  despenseiros dos mistérios de Deus. Além disso, requer-se dos despenseiros que cada um se ache fiel.” I Cor 4; 1 e 2 

Claro que a fidelidade a Deus gera rejeição no mundo e até, dentro da igreja. Mas, Paulo foi enfático. “...sofre as aflições, faz a obra de um evangelista, cumpre teu ministério.” 

O apóstolo deixou instruções graves, precisas, como que, passando o bastão a outro numa corrida de revezamento 4 x 100. Seus cem metros foram cumpridos com fidelidade, e, era a vez de Timóteo correr. “Porque eu já estou sendo oferecido por aspersão de sacrifício, o tempo da minha partida está próximo.” V 6
Queria ele, pois, comunicar o mesmo que recebera, sem espaço pra mistificações, inserções, fábulas... 

Uma brincadeira que, acredito, muitos conhecem chamada telefone sem fio serve para ilustrar isso. Brincávamos no colégio; consistia em, um aluno, o primeiro da fila, dizer uma palavra qualquer ao que estava atrás, de forma quase inaudível; aquele se voltava para o seguinte e dizia o que pensava ter ouvido e assim sucessivamente até ao último. As distorções eram enormes. Começava “andorinha” e terminava “martelo”. 

Tal qual essa diversão são as opiniões humanas. Nela, cada um repetia o que pensava ter ouvido; nas opiniões cada qual defende o que pensa ter entendido, mas, nem sempre entendeu deveras. 

Se a Bíblia fosse mero livro humano, como acusam uns, aliás, já a teríamos vertido igualzinha às nossas paixões mercê do “telefone sem fio” do tempo. 

Claro que, um despenseiro só pode dispor do que possui em depósito; se alguém o fizer de fábulas, será isso que servirá. Contudo, de seu discípulo Paulo esperava coisas melhores. “Ó Timóteo, guarda o depósito que te foi confiado, tendo horror aos clamores vãos, profanos; e às oposições da falsamente chamada ciência,” I Tim 6; 20   

Em suma, o bom depósito tanto nos mantém sóbrios contra a sedução das fábulas, quanto fortes em face à falsa ciência. Guardemos bem o nosso!

Jesus na cara do gol

“Tiraram, pois, a pedra de onde o defunto jazia. E Jesus, levantando os olhos para cima, disse: Pai, graças te dou, por me haveres ouvido. Eu bem sei que sempre me ouves, mas eu disse isto por causa da multidão que está em redor, para que creiam que tu me enviaste.” Jo 11; 41 e 42
  
Estranho cenário! Jesus estava ante um sepulcro onde um amado seu fora sepultado havia quatro dias, e orou numa ação de graças como se estivesse ante uma refeição.
Já ouvi intérpretes dizerem que Ele tinha uma fé superior; sabendo que Deus atenderia Sua oração pela ressurreição agradeceu de antemão.

Mas, uma interpretação rigorosa do texto resultará em algo diverso. Em momento algum há registro que Ele tenha orado para Lázaro ressuscitar. Antes, afirmou à sua irmã: “…Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá;” v 25 Noutra ocasião dissera algo semelhante: “Porque, como o Pai tem a vida em si mesmo, assim deu também ao Filho ter a vida em si mesmo;” Cap 5; 26

Na verdade, fez questão de deixar claro que a morte  era uma resposta à Sua oração. “Obrigado por teres me ouvido; sei que sempre me ouves, mas, disse isso por causa da multidão, para que creiam.” 

As duas irmãs do falecido afirmaram que se Ele estivesse presente seu irmão não teria morrido. O Senhor sabia disso; então retardou sua ida, e só fez quando sabia que era “tarde demais”.  “Então Jesus disse-lhes claramente: Lázaro está morto; e folgo, por amor de vós, de que eu lá não estivesse, para que acrediteis; mas vamos ter com ele.” V 14 e 15 Ele não folgou por que Lázaro estava morto; mas, “por amor de vós”.

Os quatro dias após a morte foram cheios de “recursos humanos”, digo: Consoladores que visitavam às  irmãs levando as melhores palavras  que podiam. Apesar dos seus reconhecerem Jesus como poderoso em palavras e obras, o melhor que chegavam era compará-lo a João Batista, Elias, ou outro profeta. Por certo foi nesse sentido que orou ao Pai. Pediu ajuda para fazer o povo saber quem, de fato, Ele É.

Quando informado da enfermidade de um chegado, identificou a resposta do Pai. Numa linguagem esportiva, Deus O deixara “na cara do gol”, Ele estava agradecendo isso quando orou.

Marta instada a crer, disse: “Eu sei que há de ressuscitar na ressurreição do último dia. Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá;  e todo aquele que vive, e crê em mim, nunca morrerá. Crês tu isto? Disse-lhe ela: Sim, Senhor; creio que tu és o Cristo, o Filho de Deus, que havia de vir ao mundo.” Vs 24 a 26  Ela olhava para a provisão Divina “no último dia”; o Senhor desafiou a crer naquele instante.

Ela disse crer, mas, vacilou à ordem de tirar a pedra do sepulcro. Finalmente, Ele “orou” pela ressurreição; na verdade, agradeceu de novo pela “assistência” e deixou claro que era para a “torcida”; quanto ao morto, ordenou apenas: “E, tendo dito isto, clamou com grande voz: Lázaro sai para fora!” Como o defunto ouviu e saiu, “Muitos, pois, dentre os judeus que tinham vindo a Maria, e que tinham visto o que Jesus fizera, creram nele.” V 45 

Ali estava o motivo do regozijo do Salvador! Que muitos creriam nele.

Embora seja  um evento histórico, figura maravilhosamente como alegoria, ou, tipo, do que espiritualmente acontece conosco. Ele não impede nossa morte natural; antes, a preceitua: “Porque aquele que quiser salvar a sua vida  perdê-la-á, e quem perder a sua vida por amor de mim, achá-la-á.” Mat 16; 25

Essa identificação com Ele, em plena obediência à Vontade do Pai, é a cruz que nos cumpre  carregar.  Isso faz “perder a vida” natural; mas, nos lega o nascimento espiritual. “O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito.” Jo 3; 6
 
Infelizmente, após a queda todos estamos em “decomposição” com uma “pedra” separando da luz. Como essa é pesada demais para a remoção humana, Deus mesmo se encarregou: “E dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne.” Ez 36; 26
 
Nossa participação é mínima; Ele bate na porta da vontade; se ela se abrir, o mesmo Senhor ajuda a fazer o que ordena; “E disse-me: Filho do homem, põe-te em pé, e falarei contigo. Então entrou em mim o Espírito, quando ele falava comigo, e me pôs em pé,…” Ez 2; 1 e 2

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

A incidência do mal

“Na verdade é inútil estender-se a rede ante os olhos de qualquer ave.” Pro 1; 17
   
Essa metáfora sucede a uma série de conselhos, onde, Salomão tenta desencorajar a associação com os maus; literalmente, alude à formação de quadrilha. “Se disserem: Vem conosco a tocaias de sangue; embosquemos o inocente sem motivo; Traguemo-los vivos, como a sepultura; e inteiros, como os que descem à cova; acharemos toda sorte de bens preciosos; encheremos as nossas casas de despojos; lança a tua sorte conosco; teremos todos uma só bolsa! Filho meu, não te ponhas a caminho com eles; desvia o teu pé das suas veredas;” vs 11 a 15
 
Entretanto,  o fato de o sábio desaconselhar tais atos como inúteis não deve ser entendido como infrutíferos. Na verdade muita gente “ganha a vida” assim; roubando, assaltando, protegidos pela pluralidade de suas súcias, e pelo favor das trevas.

Os pesquisadores obtêm sucesso quando querem armar redes às aves, se, o fazem à noite; quando empreendem seus trajetos noturnos elas caem na armadilha. 

Mas, Salomão referia-se a uma rede ante os olhos, não,  oculta. Qual é a ideia então? Que mesmo sendo possível fazer essas coisas fora da vista das vítimas, gozando os indignos frutos, em última análise, o mal feito retornará sobre seus agentes, pois, foi praticado ante os olhos de Deus. “No entanto estes armam ciladas contra o seu próprio sangue; e espreitam suas próprias vidas.” V 18
 
Assim, se, por um lado a ideia de que trazemos Karmas de outras vidas para purgar nessa é estranha às Escrituras, por outro é patente que seremos plenamente responsabilizados pelos atos praticados.

Pois, mesmo que a incidência do mal sobre a sorte dos justos seja uma necessidade, é circunstancial; enquanto, na vida dos que o têm como modo de vida, no fim, será letal. “Não armes ciladas contra a habitação do justo, ó ímpio, nem assoles o seu lugar de repouso, porque sete vezes cairá o justo, e se levantará; mas os ímpios tropeçarão no mal.” Prov 24; 15 e 16
 
Certo é que, para quem cogita a vida apenas no estágio terreno tem horas que parece que o mal compensa, deveras. Mas, olhar as coisas dessa perspectiva não é permitido aos filhos de Deus; como ensina Paulo: “Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens.” I Cor 15; 19
 
Asafe, aliás, vendo o “triunfo” circunstancial do mal teve uma recaída, da qual se refez, andando no tempo. Ouçamo-lo. Pois eu tinha inveja dos néscios, quando via a prosperidade dos ímpios. Porque não há apertos na sua morte, mas firme está a sua força. Não se acham em trabalhos como outros homens, nem são afligidos como outros homens. Por isso a soberba os cerca como um colar; vestem-se de violência como de adorno.” Sal 73; 3 a 6 

Ele segue um pouco falando hipoteticamente como néscio; depois, nos tranquiliza cotejando o insensato presente com o passado; a geração antiga; o futuro,com a sorte porvir. “Se eu dissesse: Falarei assim; eis que ofenderia a geração de teus filhos. Quando pensava em entender isto, foi para mim muito doloroso; até que entrei no santuário de Deus; então entendi eu o fim deles. Certamente tu os puseste em lugares escorregadios; tu os lanças em destruição.” Vs 15 a 18
 
Sim, se louvasse como sábios aos ímpios prósperos macularia a memória dos justos, então, pretéritos; “ofenderia a geração de teus filhos...” Se apostasse num final venturoso duvidaria da justiça de Deus; da qual, Abraão cogitou: “Longe de ti que faças tal coisa, que mates o justo com o ímpio; que o justo seja como o ímpio, longe de ti. Não faria justiça o Juiz de toda a terra?” Gên 18; 25

Assim, os ímpios serão condenados pelas suas obras; e, se é vero que os “justos” herdam a justiça de Cristo a despeito das obras, também o é, que as essas serão testemunhas em suas vidas, como consequências necessárias do que O Salvador fez
.
Sócrates, o filósofo, acertou ao defender que é mais infeliz quem comete uma injustiça, que outrem que a sofre. Afinal, é o injusto que possui uma alma carente de cura. Ademais, as promessas do Salvador buscam injustiçados, não, injustos; Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos;...” Mat 5; 6
 
Por ser o homem uma “ave” racional e arbitrária, só cai nas redes que deseja; sua própria vontade enferma o faz praticar o mal contra si mesmo. 

Se a hipocrisia enseja miopia  quando as consequências chegam, Jeremias nos empresta a lupa: “De que se queixa, pois, o homem vivente? Queixe-se cada um dos seus pecados.” Lam 3; 39

O Reino por dentro



“Este foi ter de noite com Jesus, e disse-lhe: Rabi, bem sabemos que és Mestre vindo de Deus; porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes se Deus não for com ele. Jesus respondeu e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que, aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.” Jo 3; 2 e 3 

O “este” em questão era o príncipe Nicodemos, um fariseu admirado dos feitos de Jesus, mas, preso às convenções religiosas que o constrangeram a buscar o Mestre em oculto, de noite, para não “dar bandeira”. 

Chegou falando das coisas que vira; “... os sinais que tu fazes...” Contudo, O Salvador advertiu que sem nascer de novo não é possível ver o Reino. 

Assim, forçoso nos é concluir que, sinais, curas, milagres, são efeitos colaterais, não, o próprio. Ademais, essas coisas, disse, seriam feitas também pelos falsos profetas; chamou de “prodígios da mentira”. Noutra parte reforçou: “...O reino de Deus não vem com aparência exterior.” Luc 17; 20  

Lícito nos é inferir daí, que, precisamos uma capacidade de ver “por dentro” para vermos o Reino de Deus. Paulo amplia: “Porque, qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o espírito do homem, que nele está? Assim também ninguém sabe as coisas de Deus, senão, o Espírito de Deus. Nós não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito que provém de Deus, para que pudéssemos conhecer o que nos é dado gratuitamente por Deus.” I Cor 2; 11 e 12 

Para ele, o conhecimento da graça de Deus deriva de termos recebido o Espírito Santo; que o Senhor chamou de novo nascimento. Assim, os reflexos do Reino são visíveis a todos e desejáveis a Deus; “Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte; nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas, no velador,  dá luz a todos que estão na casa. Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem ao vosso Pai, que está nos céus.” Mat 5; 14 a 16  

Todavia, a visão e o ingresso no Reino, propriamente dito, apenas aos renascidos se faculta. “...Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne, o que é nascido do Espírito é espírito.” Jo 3; 5 e 6

Noutra definição mais específica Paulo descarta coisas palpáveis e situa a essência totalmente em valores abstratos, espirituais. “Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, paz, e alegria no Espírito Santo.” Rom 14; 17 

Se isso fosse visível e devidamente aquilatado deveríamos comemorar abertamente o ingresso de cada servo. Todavia, ainda que nos alegremos ante as decisões por Cristo, o ingresso veraz apenas Ele identifica; embora, o Espírito Santo testifique nos seus mediante a comunhão. 

Os de fora nada veem; apenas, estranham a “loucura” de uma decisão tão ilógica; deixar os prazeres carnais em segundo plano por amor a Deus. Na verdade, no âmbito natural festejam seus “upgrades”; quando alguém passa no vestibular, por exemplo; familiares celebram a conquista com faixas comemorativas nas casas. 

Quanto aos aprovados no “vestibular” Divino, as “faixas” são outras. “Assim vos digo que há alegria diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.” Luc 15; 10 

Sim; é lá, nos Céus a sede da “Coroa”. “...O meu reino não é deste mundo; se o meu reino fosse deste mundo, pelejariam meus servos, para que eu não fosse entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui.” Jo 18; 36

Embora estejamos no mundo somos embaixadores de um reino cuja origem é distante. O Rei facultou aos Seus servos que operassem sinais em Seu nome assistidos pelo Espírito Santo; mas nossas posses reais nada têm com as coisas terrenas, pois, Ele mesmo deposita na conta dos fiéis um “tesouro no Céu.” 

Aqueles que têm o olhar voltado para essas riquezas nasceram de novo; entraram, podem ver, com os olhos do Espírito, as belezas da graça Do Eterno. 

Se alguém supõe que a exibição de sinais miraculosos é a essência do Reino, sequer sabe a diferença entre a periferia e o Palácio. O ingresso é mediante a fé; essa não se origina de milagres, ainda que tais, possam contribuir. “...a fé é pelo ouvir, o ouvir pela palavra de Deus.” Rom 10; 17

Milagres são coisas terrenas, o Reino á mais que isso.  “Se vos falei de coisas terrestres e não crestes, como crereis, se vos falar das celestiais?” Jo 3; 12

domingo, 28 de setembro de 2014

O hábito e o monge



“Disse o rei de Israel a Jeosafá: Disfarçando-me eu, então entrarei na peleja; tu, porém, veste as tuas roupas reais. Disfarçou-se, pois, o rei de Israel e entraram na peleja.” II Cr 18; 29  “Tragam a veste real que o rei costuma vestir, como também o cavalo em que o rei costuma andar montado,  ponham a coroa real na sua cabeça.” Et 6; 8   

Nos textos em destaque temos dois casos de vestes trocadas. No primeiro, o rei Acabe disfarçado de plebeu; no segundo, o servo Mardoqueu com vestes, coroa e cavalo de Rei.

Assim como dizem que, o papel aceita tudo, também o corpo; digo, cada um pode se vestir como quiser. Entretanto, nos eventos em apreço a escolha dos “modelitos” derivava de circunstâncias a considerar.  

Acabe convidara Josafá, rei de Judá, para uma investida conjunta contra  Ramote de Gileade. O rei aceitou, mas, condicionou que Deus fosse consultado. Acabe apresentou uma malta de profetas de Baal que prometeu vitória fácil na peleja. 

Josafá, porém, pediu que se ouvisse um profeta do Senhor. Micaías  vaticinou a morte de Acabe e derrota no combate. Mesmo assim, o monarca seguiu em seu intento. 

Porém, resolveu empurrar a “batata quente” para Josafá. Sabendo que seria o alvo principal dos adversários decidiu vestir-se como mero soldado, tentando, via astúcia, evadir-se ao cumprimento da funesta previsão.

Assim, suas vestes simples nada tinham de humildade, antes, era indício de safadeza. Como não se pode ludibriar a Deus, o estratagema não adiantou; foi morto do mesmo modo. 

No caso de Mardoqueu, servo no reino de Assuero, ouvira falar de uma conspiração contra a vida do Rei e denunciara; investigaram, comprovaram a denúncia e justiçaram aos sediciosos sem recompensa alguma ao judeu por sua lealdade. 

Porém, quando a vida de todos os judeus estava ameaçada pelo príncipe Hamã, a rainha Ester e Mardoqueu jejuaram e oraram por livramento. Deus ouviu e enviou  insônia ao rei, que, como não tinha televisão para se distrair ordenou que se lessem as crônicas perante ele. 

Em dado momento se achou sobre a denúncia de Mardoqueu que lhe salvara a vida. Então lembrou que recompensa nenhuma lhe fora dado por isso. O próprio Hamã foi convidado a opinar como o rei deveria honrar a quem desejasse e sugeriu as vestes, coroa e cavalo do rei num tour pela cidade pensando em honra para si. Nesse caso, as vestes trocadas significavam honra, respeito. 

Esses incidentes, porém, são pontuais, circunstanciais. Normalmente andamos com as nossas roupas. 

Entretanto, quando a Bíblia fala em vestes, não raro, é uma metáfora para caráter, atitudes. Por exemplo: “Em todo o tempo sejam alvas as tuas roupas, nunca falte o óleo sobre a tua cabeça.” Ecl 9; 8 O contexto imediato fala de obras;  em apocalipse é expresso o sentido da metáfora; “E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; porque o linho fino são as justiças dos santos.” Apoc 19; 8 

Assim,  “O hábito faz o monge” deve ser interpretado como, as atitudes demonstram o caráter; ou, o fruto identifica a árvore, como ensinou O Salvador. 

O vício mais recorrente nas denúncias Dele era a hipocrisia, que, outra coisa não é, senão, desfilar com as vestes trocadas. Um caráter tortuoso, malsão, e  ostentação piedosa, santa. O Mestre ilustrou isso como um sepulcro; cal por fora, podridão por dentro. 

A conversão, além de outras tantas figuras usa essa: Lavar as vestes com sangue. “...Estes são os que vieram da grande tribulação, e lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro.” Apoc 7; 14  

Esse branqueamento é o traje a rigor, sem o qual seremos “barrados no baile”. “E o rei, entrando para ver os convidados, viu ali um homem que não estava trajado com veste de núpcias. E disse-lhe: Amigo, como entraste aqui, não tendo veste nupcial? Ele emudeceu. Disse, então, o rei aos servos: Amarrai-o de pés e mãos, levai-o, e lançai-o nas trevas exteriores;” Mat 22; 11 a 13  

Assim, não valem nada as vestes de pretensa esperteza para evadir-se ao juízo Divino como intentou Acabe; antes, basta que tenhamos uma postura de lealdade ao Rei, como Mardoqueu, e a seu tempo Ele nos honrará com Suas vestes santas. 

Quando recebemos Seu Ser, e O deixamos nos conduzir, em parte já estamos em trajes nobres, ainda sobre a Terra. Porque todos quantos fostes batizados em Cristo, já vos revestistes de Cristo.” Gál 3; 27  

Diverso da moda que cambia a cada quinze dias, as vestes de Cristo nos mudam um pouco a cada dia; nos paramentam de justiça para vermos a face do Rei. “Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus;” Mat 5; 8