Google+ Badge

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

O Noivo Rejeitado

“Eu abri ao meu amado, mas, ele já tinha se retirado, e tinha ido; a minha alma desfaleceu quando ele falou; busquei-o e não achei; chamei-o e não me respondeu.” Cant 5;6

O testemunho da noiva que, mesmo desejando a presença do noivo tardou em abrir a porta quando ele batera; depois, decidiu abrir, mas, era tarde, ele tinha se ido já.

Muitas vezes deparamos com adágios que nos desafiam a abrirmos a porta se, a felicidade, ou, a oportunidade baterem; pois, indo-se não baterão outra vez. Contudo, deixando as coisas do coração pretendo ver à luz desse incidente o aspecto espiritual de cada um de nós.

Somos Chamados por Cristo para sermos Igreja, essa é tida como a noiva; Ele, o Noivo no casamento espiritual do qual derivará o novo mundo anelado pelo Criador.

Sem forçarmos a barra em nossa ilustração, encontraremos tal Noivo batendo à porta dos corações daqueles que Ama, em busca de falar do Seu amor, persuadir, e, finalmente, ser correspondido. “Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa, com ele cearei e ele comigo.” Apoc 3;20

O grave dessa situação em que encontramos O Senhor do lado de fora é que se trata de uma carta dirigida a uma igreja, a de Laodicéia; assim, podemos formalmente parecer de Cristo, termos inclinações religiosas, freqüentarmos cultos, publicarmos porções “espirituais”, e mesmo assim, deixar o Noivo do lado de fora. O Salvador não entra por frestas; ou abrimos de um todo e O recebemos com alegria, ou, apenas encenamos para a torcida alienados da vida espiritual.

Como na noiva do poema de Salomão havia uma abiguidade; uma parte queria abrir a porta logo, o coração estremecera; outra; decidira esperar um pouco, “valorizar”, até que foi demasiado tarde.

De qualquer forma, ainda é melhor o que recusa a abrir o coração em tempo, depois, arrepende-se e parte em busca de uma segunda chance, que o hipócrita que finge abrir espiando por frestas, enquanto, no fundo, vive a vida do seu jeito alienado das diretrizes do Noivo.

Esses são visíveis de longe nas evasivas que usam para mascarar sua incredulidade e rebeldia; “todas as religiões são boas, cada um serve a Deus do seu Jeito, o importante é fazer o bem, tem muitos salafrários nas igrejas, etc.”

Conheci alguns que “serviam a Deus” em casa de um modo particular, pois as igrejas estavam problemáticas demais e eles queriam santidade. Outro que recusou abrir a porta e invés de corresponder ao amor do Noivo amava a si mesmo de forma desmedida, orgulhosa como um Fariseu.

Ora, religiões são de Fabricação humana, portanto falhas; Cristo não nos chamou a viver de religiões, mas, da Palavra. “Nem só de pão viverá o homem, mas, de toda Palavra que sai da Boca de Deus”.

Cada um serve a Deus do seu jeito? “Busca satisfazer seu próprio desejo aquele que se isola; ele se insurge contra toda sabedoria.” Prov 18;1 “Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes, admoestando-nos uns aos outros; tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia.” Heb 10;25

É importante fazer o bem sim, mas, insuficiente para a salvação; “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie; porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas.” Ef 2;8 a 10

É vero que há muitos de mau testemunho nas igrejas; a Bíblia ensina que seria assim; acaso um membro deixa o corpo se outro estiver enfermo? Não. Sofre junto até que haja cura.


Aquele que se isola e fica como se, repórter de um evento “narrando” os problemas da Igreja se faz imbecil e covarde. Imbecil por presumir lavar-se com água suja; covarde por, tendo identificado o problema recusar-se a ajudar.

Ainda estamos em tempo de abrir a porta ao Noivo, Ele diz: “Atentai para minha repreensão; pois, eis que vos derramarei abundantemente do meu espírito e vos farei saber minhas palavras.” Prov 1;23

Isaías exorta-nos a aproveitarmos o tempo oportuno: “Buscai ao Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto.” Is 55;6

Pois, se O ignorarmos, chegará o dia em que será tarde demais; “Porque eu clamei e recusastes; estendi a minha mão e não houve quem desse atenção... Vindo o vosso temor como a assolação, vindo a vossa perdição como uma tormenta, sobrevirá a vós aperto e angústia. Então clamarão a mim, mas, não responderei; de madrugada me buscarão, porém, não me acharão.” Prov 1;24, 27 e 28

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

A Sociedade e a "Cura Gay"

“A justiça é a vingança do homem em sociedade, como a vingança é a justiça do homem em estado selvagem.” Epicuro

A sociedade deveria ser algo natural, dado que somos gregários, inclinados à interação. No entanto, nem sempre a coisa flui assim, pois, muitos têm dificuldade em entender onde fica a fronteira entre o particular e o social.

Ela se faz a partir de convenções cujo implemento demanda a existência de instituições; o bom funcionamento dessas é que garante a vigência daquelas. Noutras palavras: As leis, os pactos sociais devem ser respeitados, se é que respeitamos a nós mesmos, como sociedade.

Cada indivíduo, uma partícula do tecido social, daí, que, suas coisas são particulares. São inalienáveis a consciência, as escolhas, preferências, desde que, não firam às convenções sociais estabelecidas. Assim, somos livres relativamente, dentro de parâmetros comuns estabelecidos.

Se, gosto do Grêmio, da cor verde, de música clássica, de flores, filosofia, Jesus Cristo, etc. Isso são minhas preferências; não tenho direito de querer que a sociedade toda seja como eu; pois, se, ela é Una na questão das convenções é diversa na miscelânea dos gostos.

Sendo uma sociedade democrática, os valores da maioria preponderam nas convenções, ainda que, o direito das minorias também deva ser contemplado. Entretanto, desde a ascensão da esquerda ao poder, nosso país tem sido vítima de uma ditadura de minorias que tenta impor no grito suas inclinações sobre o todo.

Refiro-me, por ora, aos homossexuais. Escolheram assim, vivam como lhes apraz e desfrutem da sociedade organizada com seus direitos e deveres como todos os cidadãos.

O problema começa não quando alguém faz essa opção de vida; mas, quando tenta impor isso aos que veem a vida por outro prisma. Para efeito de discurso tecem loas à diversidade; mas, na prática, ai de quem deles discordar; se torna vítima de toda sorte de achincalhes, ofensas, como fizeram a pouco com símbolos cristãos na famigerada exposição do Santander.

Nos tempos de Haddad no Ministério da Educação tentaram impor o “kit gay” nos colégios, como se, suas inclinações particulares devessem ser promovidas por todos.

Agora professoras levavam excursões de crianças àquele lixo e depois de contemplarem tão vistosa “arte” eram levadas a um ambiente onde eram vendadas e estimuladas a se tocarem nas partes íntimas para “desmistificarem a distinção de gêneros” ou, sei lá qual argumento a sujeira usava.

Filhos de pais heterossexuais, que pagam a escola para transmitir-lhes conhecimento, não para perverter a educação e os valores recebidos em casa. Então os promotores da coisa não se satisfazem em ser gays são gayzistas. Assim, saltam de uma opção particular que lhes é direito, para uma imposição social de sua escolha ao arrepio das leis e do conhecimento dos pais.

Agora os gayzistas estão furiosos porque certo magistrado vetou uma restrição que proibia aos psicólogos de aconselharam pacientes gays que desejassem. Rapidamente os fatos foram distorcidos por uma imprensa fajuta, militante invés de informante como deveria, e noticiaram em manchetes garrafais: “JUIZ APROVA A CURA GAY. Canalhas!!

Primeiro, o psicólogo não é terapeuta; a psicologia cura o quê? No máximo analisa comportamentos, indícios e orienta ações aos que se aconselham por lá, mas, não tem pretensão de curar nada. Vetar que eventual paciente desconfortável com sua sexualidade receba aconselhamento é tolher-lhe um direito, não, protegê-lo.

Para o cristianismo também, o homossexualismo não é uma doença; é um erro. Todos os erros, adultério, mentira, avareza, violência, roubo, etc. não são curados por alguma terapia espiritual; antes, são vencidos gradativamente à medida que alguém se converte e passa a rever suas escolhas e pensamentos, à luz da Palavra de Deus. Discordar dos gays, pois, não é nenhum tipo de violência, antes, liberdade de expressão, tão badalada ela quando interessa-lhes.

Mais; se acreditamos que quem desafina dos preceitos Divinos vai à perdição Eterna como a Bíblia diz, advertir disso é uma corajosa forma de amor, invés de, “Homofobia” como tanto vociferam.

De qualquer forma, cristianismo também é uma opção de cada um; não forçamos ninguém a sê-lo, tampouco fazemos exposições ridicularizando ao diferente; antes, expomos a Palavra de Deus, que a todos iguala.

Pobre país! Imensos problemas estruturais, roubalheira, lapsos grandiosos na prestação de serviços públicos, e parece que as coisas relevantes nele são esses mimimis sem sentido de gente que, por insatisfeita em suas inquietações internas tenta inocular em todos, seus incômodos, invés de lidar com eles em si mesmos.

Se a coisa é irreversível, por que tanta fúria? Basta deixar o barco andar. Essa gente é tão intolerante que, se trocassem numericamente de lugar com os cristãos, o homossexualismo seria obrigatório e proibido falar em Deus. Querem um direito que não lhes cabe, e jamais o terão.

Apelo aos desabrigados

“Será aquele homem como um esconderijo contra o vento, refúgio contra a tempestade; como ribeiros em lugares secos, como sombra de uma grande rocha em terra sedenta.” Is 32;2

Falando do Salvador o profeta lhe atribuiu quatro predicados que podem ser reduzidos a duas palavras; proteção e refrigério. Aquela buscamos quando nos sentimos ameaçados; esse, quando vulnerados pelo calor ou, a sede, nos desertos da vida.

As coisas óbvias no prisma natural, no espiritual demandam discernimento maior. Paulo escrevendo aos coríntios fez essa distinção: “O homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Mas, o que é espiritual discerne bem tudo, e, de ninguém é discernido.” I Cor 2;14 e 15

Assim, o homem natural pode estar em plena tempestade espiritual, ou, deserto, sem identificar; tampouco, saber onde buscar abrigo, conforto. Noutra parte, o mesmo Isaías figurara ao Juízo Divino como um dilúvio; os hipócritas como tendo feito pacto com o inferno; “Porquanto dizeis: Fizemos aliança com a morte, com o inferno fizemos acordo; quando passar o dilúvio do açoite, não chegará a nós, porque pusemos a mentira por nosso refúgio, debaixo da falsidade nos escondemos.” Cap 28;15

Em oposição à falsidade apontara para O Salvador: “Portanto assim diz o Senhor Deus: Eis que assentei em Sião uma pedra, pedra já provada, pedra preciosa de esquina, que está bem firme e fundada; aquele que crer não se apresse. Regrarei o juízo pela linha, a justiça pelo prumo, a saraiva varrerá o refúgio da mentira e as águas cobrirão o esconderijo. A vossa aliança com a morte se anulará; o acordo com o inferno não subsistirá; quando o dilúvio do açoite passar, então, sereis por ele pisados.” Vs 16 a 18

Além da hipocrisia sob a qual incautos se presumem seguros, outros refugiam-se numa espécie de negação do óbvio; agem como se, duvidando das advertências Divinas essas deixassem de valer.

Aí, as aflições da alma alienada do Criador são “refrigeradas” com álcool, drogas, promiscuidade... Toda sorte de vícios, por ignorarem onde está o descanso, ou, recusarem trilhar o caminho que Ele propõe. Assim como só usufruímos a proteção de uma eventual morada se adentrarmos nela, igualmente, o livramento de Cristo requer que estejamos Nele.

Seu Refrigério proposto, a Água da Vida só será eficaz sobre nossas almas se a bebermos; “Aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte que salte para a vida eterna.” Jo 4;14

Ele propôs assim: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para vossas almas.” Mat 11;28 e 29

Três passos, pois: Ir até O Senhor; tomar Seu jugo e Dele aprender. Notemos que Ele propôs descanso para as almas, não os corpos. Seu refrigério é espiritual; não nos guinda acima das agruras da vida, apenas, passa conosco por elas. Se, devemos aprender Dele para estarmos seguros contra ventos e tempestades, nossa segurança, em parte requer nossa cooperação; que queiramos aprender.

Paulo ensina: “Ele mesmo deu uns para apóstolos, outros para profetas, evangelistas, outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos... Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente.” Ef 4;11, 12, e 14

Assim, para nos abrigarmos em Cristo contra os ventos de doutrinas, precisamos aprender Dele. A isso equivale entrar no abrigo. Noutra parte Ele falou da casa edificada sobre a rocha testada pelos ventos e a chuva, e aí foi além do aprendizado; disse que a casa bem fundada é tipo da alma do que ouve a pratica Sua Palavra. Outra vez, pois, o livramento do Senhor demandando nossa participação.

Não existe oração forte, versículo mágico, tolices religiosas que vicejam nas redes sociais, ou, mandinga gospel que nos proteja; ou, tomamos nossa cruz e O seguimos, ou seremos meras fraudes, traidores de nós mesmos.

Muitos gastam tempo e esforços querendo aprazar datas para o fim do mundo ( a próxima daqui dois dias ) quem é o Anticristo, etc. Ora, essas coisas são de relevância secundária se eu estiver seguro no Abrigo; senão, qual a graça de tirar selfie com quem vai me devorar??

As pessoas têm mais sede de saber sobre a morte que sobre a vida; daquela não sei; mas, sobre essa O Senhor diz: “...quem tem sede, venha; quem quiser, tome de graça da água da vida.” Apoc 22;17 Entremos no Abrigo, pois.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

A Perspectiva Divina

“Te farei uma grande nação, abençoar-te-ei e engrandecerei teu nome; tu serás uma bênção. Abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; em ti serão benditas todas as famílias da terra.” Gên 12

A Chamada de Abrão; qualquer coisa que seja dita será exaustivamente repetitiva. Contudo, o alvo não é originalidade, mas, fomento à reflexão, edificação.

Sabemos que Deus capacita seus escolhidos; escolhe as coisas “que não são para aniquilar às que são”, comissiona jovens, como Jeremias; impuros, como Isaías, pesados de boca, como Moisés... Enfim, chama a quem lhe aprouver.

Deixando, pois, o apreço de como, ou, a quem, Ele Chama, vamos nos deter um pouco sobre os alvos, ou, a perspectiva Divina. Dada nossa pequenez, mediocridade, tendemos a ver as coisas como restritas a nós mesmos, e eventuais pessoas com as quais tivermos contato, não mais.

De Abrão disse: “Farei de ti uma grande nação... em ti serão benditas todas as famílias da Terra.” Desde quando, o mais ousado dentre nós teria em perspectiva gerar uma cidade, quanto mais, nação; mais ainda; nação que encerrasse em si uma bênção global? Pois, isso que somente cogitar bastaria para que nos declarassem fora da casinha era o exato propósito que habitava na “casinha” do Senhor.

Há dois tipos de chamado; um, genérico para a salvação que é extensivo à toda criatura: “Vinde a mim todos que estais cansados e eu vos aliviarei...” Mat 11;28 Outro específico, ministerial como foi com Paulo: “...este é para mim um vaso escolhido, para levar meu nome diante dos gentios, dos reis e dos filhos de Israel.” Atos 9;15

Outra vez, uma perspectiva muito mais ampla que meros projetos pessoais que orbitariam ao redor de uma morada como a maioria dos cristãos.

“Lato sensu” todos os convertidos são do Senhor; contudo, gozam certa liberdade de escolha quanto ao trabalho, residência e afins; porém, alguém escolhido para fito específico se torna propriedade exclusiva do Senhor; vai pra onde não quer, é levado; suas vontades pessoais não contam; entrega-se a Deus e por ele é conduzido.

Muito diferente dessa geração de “apóstolos” do ar condicionado, gente autônoma que faz suas próprias escolhas e, apenas usa O Nome do Senhor como pretexto aos projetos pessoais de grandeza. Distantes estão esses de uma sina como a de Pedro, aquele sim, Apóstolo; “Na verdade, na verdade te digo que, quando eras mais moço, te cingias e andavas por onde querias; mas, quando já fores velho, estenderás tuas mãos, outro te cingirá e te levará para onde tu não queiras. Disse isto, significando com que morte havia ele de glorificar a Deus...” Jo 21;18 e 19

Sobre Jeremias também temos algo que vale realçar: “Antes que te formasse no ventre te conheci; antes que saísses da madre, te santifiquei; às nações te dei por profeta.” Jr 1;5 Longe de ser alguém com vontade livre era um presente Divino às nações.

Hoje com as facilidades tecnológicas todos conseguem “alcançar” todas as nações; porém, quais os frutos desse alcance? Precisamos ainda homens guiados por Deus de tal modo, que, possam como Paulo que tencionava ir para Bitínia, ouvir um, não, do Senhor sendo enviado à Macedônia.

Alguns pensam que Deus não fala mais como antigamente, que as diretrizes estão dadas; nelas podemos nos mover livremente; não, nem todos. Deus ainda fala como sempre, embora, poucos O possam ouvir, dado o barulho das mundanas ocupações e a pouca intimidade com O Santo.

E, carecemos urgentemente de vozes que clamem nesse “deserto” de consagração que vivemos, sobretudo, para desfazer a encenação de um cristianismo hipócrita, superficial, comodista, indiferente que serve as conveniências pessoais, não, a Deus.

Esses causam divisões como Ló o sobrinho que nem deveria ter ido junto com Abrão; ele falhou na instrução de sair dentre os parentes; os “Lós”, digo, resolvem as coisas com a perspectiva natural; olham para as verdejantes campinas de Sodoma e fazem suas escolhas, mesmo que seja para habitar com os réprobos.

Os que se entregam à perspectiva Divina, num primeiro momento podem parecer tolos; abdicam de “vantagens” tão vistosas como as de Ló. Porém, um deserto eventual, se necessário, pode encerrar bênçãos grandiosas depois; como Deus disse dos levitas que seria Seu Escudo e Galardão, assim É com os que se consagram deveras.

Lhes são negadas, muitas vezes, coisas normais da vida, mas, têm uma visão da Divina Obra que os “normais” nem se aproximam. Mais do mesmo nem carece chamada, nasce espontâneo como capim; mas, quando Deus escolhe e prepara alguém, a Igreja e o mundo terão que lidar com um desmancha-prazeres.

O Eterno inda tem em Sua aljava, flechas assim. Que as dispare, pois; nosso cristianismo carece de sal.

terça-feira, 19 de setembro de 2017

O Homem Livre

“Somente o homem livre é uma personalidade. Os demais são arranjos... Um homem verdadeiramente livre não deseja comandar os demais, mesmo que as condições o favoreçam. O líder das massas está no mesmo estado de servidão da massa - ele não tem existência autônoma alguma fora da massa.” Nicolai Berdiaev

Uma coisa que ocupava as reflexões do pensador ucraniano era a liberdade em oposição à massificação, que considerava a perda do indivíduo; fuga. Por outro lado, os dominadores das massas também eram de certo modo, servos dos anseios de amos; logo, também escravos.

Qualquer semelhança com Maduro, e os “madurenhos” que o sustentam na Venezuela não é coincidência, antes, demonstração prática do pensar correto do filósofo.

A massificação assumiu proporções tais que é muito difícil encontrar ainda um homem livre. A maioria não passa de peças de Lego que uma invisível mão encaixa como aprouver montando os arranjos que deseja. Essa mão usa “mantras,” datas, bandeiras, arte, conceitos “politicamente corretos,” etc. Cada pecinha servil no vasto tabuleiro se encaixa dócil presumindo-se livre.

Parece que outorgamos a outrem o direito de nos dizer como as coisas são; damos a eventuais ditos, uma anuência omissa, preguiçosa, como se estivéssemos diante de um conceito absoluto; quando, não raro, é mera opinião, inclinação, ou interesse de alguém tão falho quanto nós, quiçá, pior.

Ocorre-me um dito de Bernard Shaw: “Quando penso nas coisas como elas são me pergunto: Por quê? – disse – Se as considero do modo que não são, indago: Por que não?” Seu cérebro, pois, se exercitava tanto sobre as coisas “prontas” quanto, sobre as “aprontáveis”. Parecem-me traços de um homem livre.

Não que eu seja contra frases feitas; antes, delas lanço mão sempre que oportuno; muitas sentenças são insuperáveis sobre determinados temas; e só um tolo, a pretexto de ser “livre” de ideias alheias, as evitaria. Porém ao redor dessa chama propiciada por outro devemos atiçar o fogo com nossa lenha, colocarmos nossos neurônios atrás do arado, invés, de folgar lassos no trabalho alheio.

Entretanto, as facilidades das redes sociais, além das asas globais que nos dão servem de estímulo à preguiça mental; a indigência intelectual pode posar de diligência, de carona no labor de alheios pensares.

Para efeito de encenação, alegoria, isso funciona muito bem; entretanto, para edificação psíquico-intelectual é nocivo, deletério, mediocrizante, massificador. Henry Ford criador da famosa montadora dizia: “Pensar é o trabalho mais duro que há; essa é, talvez, a razão pela qual tão poucos se ocupem nele.”

Plutarco em seus dias dissera algo que é justo, um alerta contra isso: “A mente não é um vaso para ser cheio; antes, um fogo a ser aceso.” Se quisermos “encher o vaso” de asneiras, o Sistema nos oferece mais lixo que a exposição do Santander. Porém, o pensar vero deve ser feito com nossos insumos, as vivências, o aprendido e o ainda ignoto; sempre será uma labuta interior, diverso de ser manipulado por uma tela que presumimos operar.

Uma introspecção sincera, pesando motivos, avaliando rumos, custos, objetivos, ou, postulados alheios, até; requer tempo demais dessa geração vídeo, onde muitos ao deparar com um texto como esse, sequer, leem, satisfeitos com as demais coisas; afinal, têm pressa e querem antes, rir dos vídeos de “pegadinhas” do que encarar a si mesmos em considerações tão soturnas.

Isso explica o vero pavor nas redações do vestibular, pois, uma geração robotizada perde o prumo quando desafiada a se comportar de modo humano; pensar.

Saint-Exupérry chamava o sistema de “máquina de entortar homens”; por minha vez acho que imbeciliza desde a infância, e os torna amorais, dando acesso irrestrito pros fedelhos às piores perversões adultas; de modo que quando crescidos nem carecem mais ser entortados; estão mais curvilíneos que a pista do GP de Monza.

Apesar de ser Marxista, Berdiaev não aprovava a doutrinação ideológica de crianças nas escolas; “Sugestões e condicionamentos a que são submetidos homens desde sua infância fazem deles escravos. Um sistema educacional errôneo pode extrair totalmente de um homem sua capacidade de ser livre nos seus julgamentos e apreciações.”

No nosso contexto, na questão da forma os jovens são avessos a pensar, e no prisma do conteúdo têm sido enchidos de conceitos tortos e pré-concebidos, o que, inevitavelmente resultará numa geração de zumbis, aptos apenas para mantras, um “walking Dead" intelectual, invés, de seres livres como convém.

Ninguém precisa concordar com outrem para agradar, mas, a maioria não concorda consigo mesmo; digo, as ideias que defende não são suas, foram inoculadas a força, ou, adotadas por preguiça. Em ambos os casos, apenas um títere em lugar de um ser humano.

O veraz homem livre muitas vezes é desagradável, sobretudo, se desfilar sua liberdade na vereda dos algemados.

O pecado do Pecado

“Como por um homem entrou o pecado no mundo, pelo pecado a morte, assim, também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram.” Rom 5;12

A relação entre pecado e morte é tal, que Paulo chega a inverter causa e consequência, como se uma se tornasse a outra. Morte é consequência do pecado; porém, tendo passado ela a todos, por isso, todos pecaram; teria se tornado a causa.

Ora, chama a queda de reino da morte, ora, de reino do pecado, vejamos: “...a morte reinou desde Adão até Moisés, até sobre aqueles que não tinham pecado à semelhança da transgressão de Adão, o qual é a figura daquele que havia de vir.” V 14 “Para que, assim como o pecado reinou na morte, também a graça reinasse pela justiça para a vida eterna...” V 21

Parece que esse “casal” pecado e morte é tão “um” que tanto faz a ordem em que apareçam dá no mesmo; onde um estiver o outro estará. Adiante usou outra figura que restabeleceu, enfim, os lugares de cada. “Porque o salário do pecado é a morte, mas, o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor.” Cap 6;23

Por isso, aos olhos da Divina Justiça a necessidade da cruz; alguém tinha que receber o salário do pecado. Éramos seqüestrados do inimigo, cativos do pecado fadados à morte. Jesus Cristo pagou o resgate; a morte que nos cabia sofreu.

Personalizemos o pecado a título de ilustração; suponhamos que O Senhor lhe tenha dito: Domina sobre todos que lhe obedecem, dá-lhes teu salário livremente; mas, ai de ti se um dia matares um inocente; nesse dia tiro de ti o reino e dou àquele que foi injustiçado. Precisamente isso Cristo fez. O pecado do pecado, por dar a Cristo o salário imerecido foi a condenação dele; a vitória do Senhor sobre a morte.

“Porquanto o que era impossível à lei, pois, estava enferma pela carne, Deus, enviando Seu Filho em semelhança da carne do pecado, pelo pecado, condenou o pecado na carne;” Rom 8;3

Notemos que a carne após a queda passou a ser carne do pecado; sua inclinação sempre se opunha a Deus. “Porque a inclinação da carne é morte; mas, a do Espírito é vida e paz. Porquanto a inclinação da carne é inimizade contra Deus; não é sujeita à lei de Deus, nem, em verdade, pode ser.” VS 6 e 7

O Salvador não nos resgatou estritamente para que fôssemos autônomos; comprou-nos para Si, do qual somos servos. Poderíamos reivindicar certa autonomia, caso tivéssemos livrado-nos por nossos méritos, mas, Isaías estragou tudo, disse: “Todos nós somos como o imundo, todas nossas justiças como trapo da imundícia; todos nós murchamos como a folha; as nossas iniquidades como um vento nos arrebatam.” Is 64;6

Parece que nossas “qualidades” não serviam; dada a grandeza das iniquidades precisávamos mais que as melhores obras para ser readmitidos perante Deus. “Porque nos convinha tal, sumo sacerdote, santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores, feito mais sublime que os céus;” Heb 7;26

O fato de graciosamente ter se identificado conosco em nossas culpas dá ao Senhor sobejo direito de requerer de nós que nos identifiquemos com Ele na obediência.

Pedro ensina: “Se invocais por Pai aquele que, sem acepção de pessoas, julga segundo a obra de cada um, andai em temor, durante o tempo da vossa peregrinação; sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, mas, com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado, incontaminado.” I Ped 1;17 a 19

Nossa cruz, diferente da Dele que foi literal é figurada; requer submissão irrestrita; obediência tal, que nossas más inclinações naturais são mortificadas. Para isso nos dá o auxílio do Espírito Santo. “Não sabeis que todos quantos fomos batizados em Jesus Cristo fomos batizados na sua morte? De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos também em novidade de vida.” Rom 6;3 e 4

Vida; antes os bordões eram pecado, morte; agora, em Cristo a perspectiva mudou; “Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem vida eterna, não entrará em condenação, mas, passou da morte para vida.” Jo 5;24

Agora a causa é outra: A Justiça de Cristo; a consequência também; vida eterna. Nossas escolhas nos encaminham ao Dom de Deus, ou, ao salário do pecado.

“Não posso escolher como me sinto, mas, posso escolher o que fazer a respeito.”
Shakespeare

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Caráter em falta

“O homem sábio é forte; o homem de conhecimento consolida a força.” Prov 24;5

Interessante apreço da força que, uma vez tida sob os auspícios da sabedoria, carece ser consolidada em consórcio com o conhecimento.

Uma coisa pode ser forte sem ser sólida. Por exemplo: O concreto usado na construção civil recém feito; sua constituição é forte capaz de sustentar enorme peso com a devida armação e cura; porém, assim novo é tal, que pode ser furado com as mãos. Sua força carece ser consolidada pela ação do tempo; o propósito há de ser alcançado mediante o conhecimento que projetou algo, e, forjou as ferragens e formas para determinado fim. Eis, uma força consolidada com auxílio do conhecimento. Senão resultará em mera pedra sem propósito, estorvo.

Se nosso apreço mirar no caráter humano, a consolidação de um que reputamos forte no prisma dos valores, constância, lealdade, não é necessariamente a ação do tempo que o testa, mas, as adversidades e até, as facilidades se encarregam de mostrar a “matéria prima” de cada um.

O concurso do tempo geralmente é necessário não pelo tempo em si, mas, para expor o caráter às circunstâncias que, não estão presentes “full time”; daí se diz que, para conhecer deveras, alguém, devemos comer um Kilo de sal juntos. Como o “gado” humano não come sal puro, isso demora um bocado.

Então, quando se diz, como vulgarmente, que a ocasião faz o ladrão, de duas uma: Ou a culpa é da ocasião que se assanhou e seduziu um bom caráter que estava quieto, ou, o sujeito era já mau caráter, e, falta de oportunidades para o testar fazia parecer que era algo diverso.

A Bíblia aquilata ao ser à partir de princípios, dizendo que o fiel no pouco há de ser também no muito. Como Deus pode ver corações, jamais terá por fiel um hipócrita, inda que nós, o possamos ter.

Sim, muitos posam de pessoas honrosas, ilibadas, em contextos de parcas oportunidades; avaliando como melhor uma reputação de homem decente que os frutos possíveis com a indecência; passam por homens de caráter até deparar com uma oportunidade que avaliem melhor que a honra; então seu vero ser assoma, como as unhas do gato que escondidas faziam macio seu toque. A ocasião não o faz; tira sua máscara.

Platão dizia mais ou menos o seguinte: “Quando alguém for tido por justo, honrado, lhe caberão por isso reconhecimentos, encômios, aplausos; nós ficaremos sem saber se é justo por amor à justiça, ou, aos muitos aplausos e louvores que recebe. Convém, pois, tirar-lhe tudo, expondo-o a um ambiente hostil sem o mínimo conforto, ou, favor; se ainda assim seguir sendo justo, por certo, esse, o é, por amor à justiça."

A ideia é que o caráter não se dobra às circunstâncias, quer agradáveis, quer adversas. Atestando a integridade de João Batista Jesus disse: “O que fostes ver? Uma cana agitada pelo vento?” Assim são os hipócritas, e a imensa maioria dos políticos; Inclinam-se sempre ao vento dominante; são o que sua plateia for.

“Como dente quebrado e pé desconjuntado é a confiança no desleal, no tempo da angústia” Prov 25;19 É; onde esperamos caráter, firmeza, probidade, eis um lapso! Muitas vezes a culpa é nossa, pois, esperamos de uma pessoa muito mais que ela é; tendo bom caráter costumamos balizar expectativas pelo que somos não pelo que as pessoas são; invariavelmente nos decepcionamos. “O caráter é como uma árvore e a reputação como sua sombra. A sombra é o que nós pensamos dela; a árvore é a coisa real.” Abraham Lincoln

Aos signos de nossa escrita chamamos caracteres; o plural de caráter. Cada tecla traz sobre si sua identidade; o que ele grafará quando premida; com escreveríamos se os resultados fossem variáveis? Assim deveríamos ser. Aquilo que a aparência promete deveria resultar sempre na escrita dos nossos atos, malgrado, a ocasião.

Marquês de Maricá dizia: “Deve-se julgar da opinião e caráter dos povos pelo dos seus eleitos e prediletos.” Estando ele certo, e acredito que está, essa corja que todos os dias testa nossa paciência com notícias sobre corrupção e deslizes de toda sorte é nossa cara; a cara da nação.

Nossos votos foram as sementes, agora que as árvores cresceram estamos furiosos com os frutos. Pior, tem gente que se alegra quando desafetos partidários são flagrados e ignora aos seus.

Mesmo depois de sofrer os venenos da corrupção ainda estão em paz com certos corruptos e irados com outros. 

Falta de informação, ignorância são males menores; mas, falta de caráter, justifica certa frase que achei meio ácida a princípio e começo a repensar, dizia: “Quanto mais conheço os humanos, mais gosto do meu cachorro.”